Cadastre-se e receba novidades:

Nome


E-mail

Duvida – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Imperador Frances – Daniel Netto Filho

Isola Di Fiori – Haras do Morro

French Coup – Stud Allstar Brasil

El Ricci – Stud Spumão

Festa Pronta – Stud Verde

Casual Elegance – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Mister Carina – Stud Palura

Evoque – Haras Do Morro

Um Tiro – Daniel Netto Filho

Selo Achaque – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Obscene – Stud Gold Black

Inverno Chuvoso – Stud Spumão

Desejado Exper – Stud Verde

Querida Niquita – Stud Cariri do Recife

Garbo Talks – Haras do Morro

Jade Runner – Stud Palura

Maestro da Serra – Stud Cajuli

Goiabada Doce – Stud Hulk

Leicester – Stud Capitão

Menina Levada – Haras Do Morro

Festa Pronta – Stud Verde

Stellen Bosch – Stud Wall Street

Lost In Paradise – Stud Capitão

Lorenzo – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Natural Champion – Coudelaria Jéssica

Over–Mint – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Bebe Frances – Stud Ilse

Garbo Talks – Haras do Morro

Furacão – Stud Ilse








Abril | 2018

Páreo Corrido, por Paulo Gama
03/04/2018 - 10h00min

PARA TUDO! DOMINGO É DIA DE DERBY NO PRADO CARIOCA

Pelo mundo afora, em qualquer país onde exista a paixão turfística, o dia do Derby é o mais esperado pelos aficionados do esporte. Trata-se da corrida mais importante para os puros-sangues de 3 anos. E neste dia, o coração bate mais forte no peito de criadores e proprietários com concorrentes inscritos na competição. A exemplo do que acontece nos esportes amadores, por ocasião das Olimpíadas, ou no futebol, durante a disputa da Copa do Mundo, no turfe ninguém fica alheio a este páreo tão encantador e tradicional. O Grande Prêmio Cruzeiro do Sul, em 2.400 metros, na pista de grama do Hipódromo da Gávea, já consagrou 12 tríplices-coroados. Desde Talvez, passando por Criolan, Quiproquò, Timão, Escorial, African Boy, Old Master, Itajara, Groove, Super Power, Plenty of Kicks até Bal a Bali.

Não tive o privilégio de presenciar os primeiros cinco craques em ação. Mas, de African Boy em diante, até a consagração de Bal a Bali, pude estar presente no prado carioca para ver o show dos outros sete fantásticos tríplices-coroados no Derby. Em três ocasiões, a disputa deste maravilhoso espetáculo turfístico, me proporcionou inesquecíveis momentos de emoção, durante pouco mais de 2 minutos e 20 segundos. O Derby conquistado por Itajara teve o maior público da história da prova. Não tenho dúvida disso. Cordão de isolamento no Serviço de Veterinária, por que a multidão eufórica, queria tocar no carismático corredor. Itajara era então um astro na mídia, atração do programa “Fantástico”, nos domingos à noite, com vitórias por mais de 100 metros de vantagem sobre os rivais. Uma figura mitológica que arrastava as pessoas até o prado carioca para se certificarem que ele realmente existia. Alguns leigos, impressionados com os seus triunfos na TV, até mesmo duvidavam de que ele fosse real. Admitiam a hipótese de se tratar de um truque de televisão. 

Super Power proporcionou um duelo histórico contra a já tríplice-coroada Be Fair. Depois de conquistar a coroa das fêmeas, Be Fair, montada por Carlos Lavor, tentou impedir que Super Power conquistasse a coroa dos machos. Conduzido pelo extraordinário, Juvenal Machado da Silva, numa reta de tirar o fôlego, cabeça a cabeça, Super Power livrou pequena vantagem em cima do disco. Já estava bem próximo o dia de encerramento da carreira de Juvenal. E, por isso, além do épico confronto dos dois craques, o páreo teve a conotação nostálgica da proximidade da despedida das pistas de um dos maiores jóqueis brasileiros de todos os tempos.

Bal a Bali surgiu num momento muito significativo para o turfe brasileiro. Era o início da maior curva descendente do turfe nacional. A crise financeira e social do país atingiu em cheio a atividade turfística. A diminuição expressiva do número de nascimentos dos puros-sangues nos campos de criação assustava. A relação entre os prêmios e o trato mensal dos cavalos atingiu em cheio a maioria dos proprietários. A pouca representatividade dos dirigentes turfistas, junto aos políticos de Brasília, impedia a tentativa desesperada de tentar a liberação do jogo. Enfim, em meio a este momento tão crítico, Bal a Bali surgiu nas pistas. Era um fio de esperança para recolocar o turfe na mídia. E foi exatamente o que aconteceu.

Agora, em 2.018, vivemos no turfe carioca, o cenário caótico de 34 páreos por semana. Nos tempos não tão distantes de Bal a Bali tínhamos entre 40 e 44. Porém, não há do que reclamar. Basta olhar a nossa volta para ver as dificuldades dos outros clubes hípicos coirmãos. O páreo desta semana reúne potros de primeira linha. Corredores de alta qualidade. Com filiações magníficas. Portanto, para quem ama o turfe de paixão, nada de acalentar na alma a amargura dos tempos difíceis. A hora é de prestigiar o Derby. De acreditar numa virada. Afinal, a prova do próximo domingo, tem este nome em homenagem a Lord Derby. Um nobre espiritualista, que acreditava na própria ressurreição como cavalo de corrida. E por isso construiu lindas e confortáveis cocheiras em Chantilly. Queria voltar a viver em alto estilo e no corpo da criatura que mais amava em sua existência: o puro-sangue de corrida. Talvez, no próximo domingo, Lord Derby, onde estiver, encontre um tempo para dar um pulinho até o bairro da Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Com certeza ele vai torcer pelo sucesso da prova que tem o seu nome de batismo. E, quem sabe ele possa embalar a confiança de todos nós em melhores dias para o turfe brasileiro.

PURO-SANGUE MELHOR APRESENTADO

Nos páreos de turma, dois animais chamaram a atenção pela beleza do galope de apresentação. E, posteriormente, pelo sucesso de suas vitórias. Vapt Vupt, do Stud Rodrigo e Juliana, sentiu-se à vontade no tiro curto, numa inscrição ousada da dupla Luiz Artur e Luís Felipe Fernandes. Boa direção de Carlos Lavor. No domingo Fitzwilly, do Stud Blue Mountain, fez cânter exuberante, e de lasix pela primeira vez, mostrou perfeita adaptação ao percurso de fundo. Bela sacada do treinador Marcos Ferreira, e direção precisa de A. Correia, o Tampinha.

JOQUEADA DA SEMANA

Vagner Borges e Valdinei Gil atravessam ótimo momento na temporada. E podem oferecer alguma resistência ao líder Leandro Henrique, que tem sido bastante suspenso nas últimas semanas. No dorso de Keep It Simple, do Stud Chesapeake, Borges teve direção sublime. Aproveitou cada centímetro do percurso e encontrou passagem decisiva junto à cerca interna para decidir a carreira. Mais uma bela apresentação de Adélcio Menegolo. Valdinei Gil faz parecer que montar um puro-sangue de corrida é das coisas mais fáceis que existe. A sua tranquilidade no dorso de Imortalitty Point, do Stud Snob, foi impressionante. Páreo intrincado, com cerca móvel de 12 metros, e ele tranquilo no dorso do pensionista de Júlio César Sampaio até encontrar o caminho livre para chegar ao triunfo.




<< Anterior Próxima >>









12.868

12.844















Coudelaria Atafona

Coudelaria FBL

Coudelaria Intimate Friends

Coudelaria Jessica

Coudelaria Pelotense

Haras Clark Leite

Haras Iposeiras

Haras Depigua

Haras do Morro

Haras Old Friends

Haras Planície

Haras Vale do Stucky

Jorge Olympio
Teixeira dos Santos

Ronaldo Cramer
Moraes Veiga

Stud 13 de Recife

Stud Brocoió

Stud Cajuli

Stud Capitão

Stud Cariri do Recife

Stud Elle Et Moi

Stud Everest

Stud Gold Black

Stud Hulk

Stud Ilse

Stud La Nave Va

Stud Palura

Stud Quando Será?

Stud Recanto do Derby

Stud Rotterdam

Stud Spumao

Stud Terceira Margem

Stud Turfe

Stud Verde

Stud Wall Street

  Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro-Sangue Inglês