Cadastre-se e receba novidades:

Nome


E-mail

Athomic - Haras Santa Rita da Serra

Hide Park - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Magique - Sinval Domingues de Araujo

Infinit Hill - Sinval Domingues de Araujo

Vizir de Bagé - Sinval Domingues de Araujo

Jurong - Stud Catilena

Carlos Galopito - Stud CHA

Jurong - Stud Catilena

Magnetita - Haras Planície

La Martina - Haras Planície

Jurong - Stud Catilena

Nhati - Sinval Domingues de Araujo

Alpine Point - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Jad Rafaela - Coudelaria Jessica

Bullfighter - Jorge Olympio Teixeira dos Santos

Florismundo - Haras The Best

Oregon Pine - Stud São Francisco da Serra

Paint Naif - Stud São Francisco da Serra

Best From Intimate - Stud CHA

Torpedaço - Haras The Best

Cana de Punta - Haras Iposeiras

Chelsa - Haras The Best

Rothschild - Sinval Domingues de Araujo

Ogiva Emblematica - Sinval Domingues de Araujo

Magique - Sinval Domingues de Araujo

Make My Day - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Nhati - Sinval Domingues de Araujo

Mitológico - Haras The Best

Vira Virou - Sinval Domingues de Araujo

Guess Who - Haras The Best






Neste espaço são publicadas as manifestações dos nossos leitores.

O RAIA LEVE acolhe opiniões sobre todos os temas ligados ao turfe.
Reserva-se, no entanto, o direito de rejeitar ofensas, acusações insultuosas e/ou desacompanhadas de documentação. Eventualmente, os e-mails poderão ser checados. O site não tem o compromisso de publicar todas as mensagens recebidas. A publicação, quando ocorrer, se dará na íntegra ou parcialmente, privilegiando-se os trechos mais relevantes.





Setembro | 2014

Arnaldo Oliveira Lima Filho (20/09/2014) - Cotia/SP

Não é bairrismo é incompentencia desta diretoria peço desculpa aos turfistas do Brasil.

Mauro Roger (20/09/2014) - Cachoeiro de Itapemirim/ES

Srs. Antonio Moura e Paschoal Evangelista.

O site do JCSP não vai dar uma nota sobre o desafio dos campeões porque ele foi idealizado pelo jornalista Marcos Rizzon que na qualidade de lúcido turfista, é severo crítico da atual administração "vende-tudo" do clube paulista.

Inveja,revanchismo, soberba e o turfe caminhando para o fim.

Luiz Antonio da Silva (20/09/2014) - Nova Iguaçu/RJ

Corridos 3 páreos na Gávea e os mesmos jóqueis continuam a "brincar" com o dinheiro dos apostadores. Alguém precisa dar uma satisfação ao público turfista . Não me venham falar em peripécias de carreira em páreos vazios!

Antonio Moura (19/09/2014) - Niteroi/RJ

A HORA ERRADA

Sr.Pasqual Evangelista,

Provavelmente foi isto mesmo - o jornalista Marcos Rizon, cujo hebdomadário tanto aprecio, não tem livre trânsito nas hostes de Cidade Jardim.

Mas perderam uma excelente oportunidade para uma manifestação de boa vontade e congraçamento em favor do objetivo maior - o soerguimento do nosso já tão combalido turfe. E, convenhamos, pensando e agindo desta forma, dificilmente conseguirão superar o atual quadro de tão prazerosa atividade.

Se isto não foi, o mutismo só pode ser debitado ao nada salutar sentimento da inveja. Fica a dúvida!

Um abraço amigo do

Antonio Moura

Pasqual Evangelista (19/09/2014) - Valinhos/SP

Sr. Antonio Moura

Também percebi a falha dos responsáveis pelo site do JCSP de não terem publicado notícias sobre a disputa do Ricardo x Baze.

Na minha opinião nesse caso não ocorreu BAIRRISMO.

A causa talvez tenha sido o idealizador do desafio.....

Tomara que se corrijam e publiquem.

Marco Antonio Santos (19/09/2014) - Niteroi/RJ

ENQUANTO UNS RIEM , OUTROS CHORAM !

Animado que fiquei com o a competição de ontem no Cristal, resolvi jogar nas corridas de cavalo, coisa que confesso, não faço à bastante tempo, pois, como leitor do Raia Leve ando meio desconfiado do tanto que leio nesta página. Fui na agencia do Centro da cidade de Niterói , onde resido. Sou uma pessoa idosa e de poucas posses, não tenho receio de confessar, fiz uma aposta extremamente modesta, apenas para torcer e passar o tempo, quem já esta com a idade avançada sabe do que estou falando.

Fiz a SUPER TRI , corridos os dois primeiros páreos, acertei os vencedores, coisa que nos tempos em que jogava , raramente ocorria e fui para o fecho da acumulada no páreo # 8.

Passei toda tarde na expectativa de auferir um bom dividendo, pois, havia apostado no cavalo do Russell Baze, diga-se de passagem um gentleman, se é assim que se escreve e o favorito naturalmente seria o Jorge Ricardo.

Para minha tristeza, o animal que eu apostei foi retirado, até ai nada demais , isso acontece.

Apenas lamento, que não houve uma comunicação oficial por parte do JCRGS do que ocorreu com o pobre animal e estou aqui lamentando até agora . Faz parte !

Quanto aos que riem, posso incluir o proprietário do animal que venceu o páreo e aqueles dos rapazes que ganharam a viagem ao Uruguai com tudo pago e acredito que sejam parentes dada a semelhança e o sobrenome, vai ficar tudo em casa. Gente de sorte, que Deus lhes deem dobro e ótima viagem !

E para terminar, para não cansar o bom leitor, que me da honra da sua atenção, lembro o bom e velho ( Quincas Borba do Machado de Assis ).

Enquanto uns riem, outros choram, mas uma boa distribuição de risos e de lágrimas acaba por trazer à alma do mundo a variedade necessária, e faz o equilibrio da vida.

Alexandre Dornelles (19/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Gostaria de parabenizar o Presidente e " parente" Dr. Vechio pelo lindo evento realizado nesta quinta -feira ( Ricardo x Baze), o Turfe precisa disto : Profissionalismo, Seriedade e Alegria. Fico muito feliz em ver o JCRGS, local onde cresci e muito me diverti com meu saudoso Pai , local onde tenho muitos amigos . Parabéns a todos envolvidos!!!, Infelizmente o trabalho não permitiu que prestigiasse este lindo evento.Abraço

Alexandre Dornelles

Sandro Rodrigues Vivaqua (19/09/2014) - Campos dos Gooytacazes/RJ

Poxa ,mais tbm o animal foi de L1 e ninguem informa no programa ou seja esta faltando transparencia da cc de corridas vc não é obrigado a saber quem corre medicado ou não,`obrigatorio eles avisarem quando é a 1 vez ate quando gente vou ser o unico a reclamar um hipodromo que faz um evento de nivel mundial ainda comete estes erros com seus apostadores? Isso é falta de respeito ,outro item e a lingua amarrada que muda o desenvolvimento de varios animais temos o direito de saber quem vai ou não vai eles tem que comunicar aproveito o espaço para pedir ajuda aos amigos para levantarmos esta bandeira da transparencia nesta questao de medicação e lingua amarrada afinal o Cristal é um hipodromo conhecido desde ontem em todo o mundo vms me ajudem nessa guerra pois estou sozinho nela e tem treinadores que medicam o animal em uma semana a ele ganha ou corre bem chega na outra eles tiram o medicamento.....temos que ser avisados que o mesmo no dia não esta medicado,amigos me ajudem é para o bem de nosso turf,eu moro no interior do Rio de Janeiro aqui tds adoram as corridas do Cristal!!!Vms levantar esta bandeira conto com a ajuda de tds os amigos do turf,esta reclamação espero que chegue ao presidente da entidade para ele tomar providencias,grato.

Antonio Moura (19/09/2014) - Niteroi/RJ

BAIRRISMO E PRECONCEITO

Sr. Mário Veloso,

Parece que perdi meu tempo à toa com aquele meu poético exemplo de ontem sobre bairrismo; o outrora fundamental Jóquei Clube de São nos dá, no dia de hoje, uma demonstração definitiva: não publica, no seu Site Oficial de hoje, uma linha sequer sobre o evento do seu co-irmão de Porto Alegre.

Antonio Moura

Mauro Roger (19/09/2014) - Cachoeiro de Itapemirim/ES

Ricardinho e Baze no Cristal?

Tinha que ter o Rizzon no meio!

Parabéns Vecchio por acolher, dar o crédito e concretizar a sugestão deste entusiasta do turfe.

Marco Antonio Santos (19/09/2014) - Niteroi/RJ

A festa foi belíssima , mas o que me deixou vivamente impressionado foi a fleuma do Russell Baze .

Um verdadeiro lord inglês.

Christian Sharp (19/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Muita elogiosa esta resolução da CC reduzindo as multas em 30%, o ideal deveria ser 50 %.

Gostaria de sugerir que na repesagem em dia de chuva , a CC deveria adotar um critério diferenciado pois os joqueis e os selins retornam com mais peso devido a chuva e a lama.

Mario Veloso (19/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

ANTONIO MOURA

Gostei !!!

Valeu.

Mario Veloso (19/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezado Sr. Sergio Lessa

Boa Tarde

Minhas mais honestas, sinceras e fraternas saudações

Agradeço sua resposta e manifestação ao meu pedido de ajuda, perdão e por oportuno me conceda um adendo:

Como o Sr. mesmo explicou o significado do termo bairrismo utilizando-se da Wikipédia, entendi que ficou caracterizada uma contradição; pois quem mais elogia a administração do Presidente Vecchio não são os Gaúchos, mas: os Cariocas, Paulistas, Paranaenses e demais co-irmãos. Portanto meu prezado Sergio onde existe o bairrísmo? não há !!!!

É TÁCITO E DE RECONHECIMENTO PÚBLICO !!!!!!!

A ADMINISTRAÇÃO DO VECCHIO É DISPARADA A MELHOR, NÃO MERECE SEQUER SER COMPARADA A DOS OUTROS ! 

SOBRA NA TURMA E MUITO !

E mais: sempre presente, não se furta ao diálogo, debates, ou se esconde por detrás de acortinados.

GAÚCHO DOS BONS TCHÊ !

Presumo que não há necessidade de me declarar fã do cara, tá explicito.

FORTE ABRAÇO

José Augusto Seabra Sales (19/09/2014) - Brasília/DF

Em almoço oferecido pelo comendador José Lírio de Aguiar, a Diretoria da ACPCCDF se reuniu para consolidarem as estratégias jurídicas para a nova etapa da ação de reintegração de posse das instalações do Jockey Club de Brasília. Ao final da reunião foi realizada uma homenagem ao Sr. Arthur Augusto de Carvalho Araújo, "TUTUCA", mais um grande turfista que nós deixou, a poucos dias, sem presenciar o retorno do Turfe na Capital Federal.

Cyro Queiroz Fiuza (18/09/2014) - São Paulo/SP

Discussões sobre bairrismo à parte, cabe salientar que há muito tempo São Paulo e Rio não realizam um evento internacional de porte. Sobre Cidade Jardim, posso falar porque estava lá, ajudando a organizar: GP Associação Latino-Americana de Jockeys Clubs (G.1), de 2009; GPs Derby Paulista Shadwell (G.1), de 2009 e 2010.

São Paulo e Rio não organizam um porque não querem, já que potencial têm para isso. Esses eventos de 2009 e 2010 foram realizados com muita criatividade e esforço dos dirigentes e colaboradores. Como é que clubes que têm cerca de 40 diretores cada não conseguem organizar ao menos um? Não trabalham para o clube, ou não se entendem? Ou talvez, no caso específico de São Paulo, a prioridade seja a venda de patrimônio.

E não podem argumentar que falta apoio. O mesmo Jornal do Turfe, do Marcos Rizzon, que contribuiu para viabilizar a vinda de Baze e Ricardinho, sempre esteve à disposição para colaborar com o JCSP. Aposto que o Raia Leve também abriria suas portas (páginas) para divulgar qualquer projeto de peso. Mas os dirigentes paulistas esnobam essa colaboração, na certeza de que estão fazendo uma gestão exemplar até para o futebol brasileiro!

Antonio Moura (18/09/2014) - Niteroi/RJ

O QUE É BAIRRISMO

Sr. Mário Veloso,

Tendo em vista que não atino com o seu real propósito e como também eu detesto consultar dicionários, permito-me, à minha própria maneira, exemplificar:

- Quando eu era criancinha pequena lá em Portugal, na prosaica Vila de Soure, distrito de Coimbra, o Rancho Folclórico da Banda ( cidade Alta), mantinha uma acirrada luta de excelência com o Rancho Folclórico da Associação (cidade Baixa), da qual minha irmã Esmeralda, pela beleza, graça e talento, era a estrela maior.

Até que um dia Mestre Oleiro, ensaiador de ambos os Ranchos, compôs estes versos, música e canto para as duas turmas:

- Ser da Alta ou ser da Baixa,

que importância que isso tem?

O que importa, o que exalta,

é que se diga em voz alta:

- são de Soure e dançam bem!

E nunca mais, já lá se vão mais de sessenta invernos, ninguém mais falou de "bairrismo" na prosaica vila de Soure (Saurium, para os mais afeitos em Latim).

Com relação a uma eventual disputa entre as entidades de turfe brasileiro, o espírito é bem outro; e, verdade se diga, a administração Vecchio está sempre um passo à frente das "poderosas" co-irmãs. É duro admitir, eu sei - mas negar, quem há-de?

Antonio Moura

Sergio Lessa (18/09/2014) - São Gonçalo/RJ

Sr. Mario Veloso, eu também sou burro como uma porta, mas sei o significado do que escrevi,mas como o sr. pediu para alguem lhe explicar o significado aqui está a explicação segundo a: Wikipédia, 

O chamado bairrismo é a qualidade ou ação de quem freqüenta ou habita um bairro. Quem defende os interesses do bairro ou de sua terra tanto por atitudes de defesa exacerbada de suas alegadas virtudes, ou, por analogia, da terra natal de alguém. O termo geralmente possui uma conotação negativa, pois ao bairrismo está vinculada uma visão estreita de mundo que menospreza tudo aquilo que vem de fora. Raramente o bairrismo é encarado como uma atitude positiva, de amor e orgulho por uma região.

Carlos Ferreira (18/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezados,

Não seria a hora dos grandes studs (Haras Santa Maria de Araras, Stud Alvarenga, Coudelaria Jéssica, Haras Regina, etc., etc.) abrirem seções no Cristal para prestigiar o JCRGS, aumentando consideravelmente o número de animais em condições de corrida, de modo a permitir a realização de pelo menos mais uma reunião semanal?

Acho que o JCRGS e a sua diretoria já estão a merecer esta deferência por parte destes expoentes do turfe, como reconhecimento e recompensa pelos esforços dispendidos no soerguimento do turfe gaúcho e, consequentemente, na tentativa de levantar o turfe no Brasil, (esta última tarefa muito difícil).

Sds.

Mario Veloso (18/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

AJUDA

Sou burro tal qual uma porta !

alguém pode por favor me explicar e ensinar o significado da palavra: BAIRRISMO?

Meus agradecimentos

bom dia a todos

Jose Roberto Giancristoforo (18/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Paulo Gama

José Vecchio Filho

Quero parabenizar os dois acima, um pelo que diz do maior Joquei brasileiro de todos os tempos , superando mesmo seu pai Antonio Ricardo em tudo ou quase tudo para quem conhece os dois.

Ao presidente Jose Vecchio filho pelo sucesso que vem tendo a frente do JC Cristal e pela administração que vem dando a mesma, que sirva de exemplo a todos os outros presidente de JC.

Sergio Lessa (18/09/2014) - São Gonçalo/RJ

É gratificante assistirmos uma festa no hipodromo do Cristal onde o evento principal e o desafio entre J.Ricardo e Baze onde quem ganha é o turfista em geral,agora só uma coisa que não acho legal é o fato de algumas pessoas atirarem pedras nas outras entidades turfisticas pelo fato do citado evento ser uma realização do JCRG SUL,e fazem comparações entre as entidades criando um clima não muito salutar,pois evento por evento tanto o JCB quanto o JCSP costumam fazer eventos de renome internacional ou será que a festa do GP S.PAULO e do JCB com o GP BRASIL passou de uma hora para outra inferior a um desafio?

O mesmo podemos dizer que o trabalho do sr. presid do JCRSUL realmente tem sido muito bom comparando com antigos ex presid da entidade,agora pessoas o aclamando como o presid dos presid de entidades turfistica no BRASIL fazendo comparações entre os presid. das entidades JCB E JCSP é puro bairrismo.

José da Silva Filho (17/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Boa Noite,

Não sei se vai interessar aos senhores o assunto, mas, estou indignado com o JCB solicitei um resgate de créditos em 09/09/14 e até a presente data não recebi meu dinheirinho. E foi uma quantia irrisória imagino como seria com uma quantia mais alta.

Eles ficam enrolando dizem que depositaram o dinheiro e não depositaram nada. Não respondem os e-mails, a tesouraria diz que o cheque voltou do Banco, como um cheque do JCB volta do Banco será que o JCB fica emitindo cheque sem fundos? e etc...Isso está acontecendo desde a semana passada. Hoje pedi que recolocasse o dinheiro em minha conta do JCB o tesoureiro ou sei lá quem for que atende os apostadores disse que o dinheiro estaria na minha conta ainda hoje e nada foi feito.

A cada dia que passa a credibilidade do JCB caí em descrédito para com os apostadores.

Estou quase indo a DP para formular uma queixa e em seguida abrir um processo judicial contra o JCB.

é uma falta de respeito imensa com o apostador. 

Gostaria de saber se o JCB sobreviveria sem nossas apostas.

Está na hora de trocarem estes funcionários ineficientes e desinteressados que só sabem ficar enrolando as pessoas, até parece que estou pedindo algum favor a eles. Estou indignado!

Ps.: O último páreo da Gávea de segunda-feira onde houve desclassificação no meu ver injustamente e o vídeo integral do páreo não consta no site do mesmo. Interessante isso!!!

Obrigado 

Mario Veloso (17/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Enquanto de um lado o Sr. Vecchio demonstra muita competência administrativa no Sul do País, em outra região também constante de nosso mapa Nacional mais especificamente na região Sudeste só consigo lembrar da célebre fala de um dos personagens do Paulo Silvino. QUE FASE !!!!! e ainda faltam dois longos anos !!!!!

Fabio de Freitas (17/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

O Dr Vechio é disparado o melhor presidente de clubes de corrida do Brasil. 

Como dizia o saudoso Dr Marquito , o presidente dos presidentes.

Parece que o evento será marcante e tomara que sirva de exemplo para as entidades congêneres que ficam oscilando entre o estático e o parado.

O hipódromo reputado de segunda linha dando lição de competência nos bacanas quatrocentões que nem sabem implantar a pedra única.

Neste panorama de Davi contra Golias a pedrada estalou bem na testa dos Srs Palermo e Rocha Azevedo , dois maravilhosos impávidos colossos.

Viva o Sr Vechio e diretoria !!!

José Vecchio Filho (17/09/2014) - Porto Alegre/RS

Prezados Turfistas:

Encerrou agora a pouco um ’bate papo’ de RICARDO e BAZE com os jóqueis do Cristal, realizado no espaço "Varanda Cristal", acompanhado de sucos, frutas, cereais e iogurtes naturais. 

Foi uma hora de conversa sobre preparação física e mental, estratégias de corrida e turfe no mundo. Ao final, todos os jóqueis locais ganharam uma camiseta comemorativa do evento e obtiveram autógrafos dos nosso ídolos.

Hoje a noite os astros serão recepcionados na casa do Vice-Presidente Ricardo Felizola em um jantar para 25 convidados.

O Departamento de Marketing do JCRGS obteve um patrocínio da Secretaria Estadual do Esporte que arcou com todas as despesas de hospedagem no Hotel Sheraton e deu aos ’desafiantes’ status de ’convidados oficiais do Estado do RGS’.

Grande parte da manhã de BAZE e RICARDO foi consumida com entrevistas para jornais e televisões do Sul do país.

Recepcionamos RICARDO, esposa e filhas no aeroporto, entregando-lhes o ’bouquet’ de boas vindas, após o que a esposa e as meninas foram descansar no hotel e RICARDO seguiu diretamente conosco para o Jockey.

Abraço a todos

Marcelo Leanza de Almeida (17/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Realmente temos que tirar o chapeu p o treinador Jairo Borges pois segunda feira no ultimo pareo fez um cavalo melhorar em 15 dias 18 corpos, o mesmo cavalo vinha de perder por 8 corpos e agora ganhou por 10 kkkkkkkk, que piada. O auto esporte parecia o bal a bali .Com certeza esse auto esporte vai aparecer domingo no programa da globo como o carro do ano.

Renato dos Santos (17/09/2014) - Curitiba/PR

Gostaria de parabenizar ao presidente Vecchio pela sua iniciativa e transparencia como dirigi o turfe gaucho amanha sera um dia que dificilmente o turfista vai esquecer sucesso e que tudo corra dentro do planejado.

VAMOS TODOS

Antonio Moura (17/09/2014) - Niteroi/RJ

DESAFIO MUNDIAL DE CAMPEÕES

Este histórico evento de amanhã coloca a administração Vecchio na posteridade para os próximos dois mil anos.

E não custa reconhecer que está sempre um passo à frente das gestões dos gigantescos co-irmãos do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Antonio Moura

Antonio Moura (17/09/2014) - Niteroi/RJ

Sr. Pasqual Evangelista,

Como ninguém se deu ao trabalho de responder a indagação contida em sua entrada de 12 do corrente, pela atenção que o atento turfista de Valinhos se faz credor - respondo eu:

- Pasqual, a fatia do eleitorado que se interessa pelo turfe é irrisória, tipo mesmo uma gota no oceano. A campanha dos candidatos mais visados é comandada por marqueteiros pagos a peso de ouro e de reconhecida competência; Duda Mendonça que o diga! E no atual quadro do país, a atenção está voltada para temas que rendem frutos, isto é, votos. 

Os cavalinhos, acredite, é coisa para quem, como nós, já consegui driblar a estreita faixa aquisitiva que existe entre a necessidade real e o desfrute diletante.

Com tudo isto, vou de Marina Silva, pois aquele avião que caiu reduziu as possibilidades do meu então candidato, a nitrato de pó de coisa nenhuma. Pode me cobrar se este não for o panorama atual.

Antonio Moura

Luiz Fernando Dannemann (17/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Ricardo X Baze

Não há adjetivos para qualificar a promoção levada a efeito pelo JCRGS abrindo para o Turfe uma janela de rara importância – momento único -, tratando as corridas de cavalo como algo especial e sublime, elementos cruciais para a recuperação da atividade. O tratamento de celebridade dado aos jóqueis e suas famílias, revelado aqui pelo presidente do clube, indicam também o caminho que deve ser trilhado. 

Não há esporte sem ídolos, não há mídia sem substância, não há torcida sem blusa, não há espetáculo sem desafios. As apostas são apenas, e tão somente, uma decorrência natural do preenchimento dos espaços das tribunas. O jogo nunca foi o principal chamariz da cidade de Las Vegas; a “poule” é um elemento que cabe no bolso, o desenrolar de um páreo precisa ser inserido na alma. 

Este exemplo abre uma página, magnífica, nesta história contemporânea e estará por demandar muita reflexão por parte dos dois centros turfísticos para que se coloquem a altura deste evento, para que se envergonhem do ostracismo no qual insistem em colocar o nosso esporte, fazendo-o sucumbir a cada dia que passa, e se curvem ao SUL do país, neste momento divino que viverá o Turfe, buscando o NORTE das suas administrações.

José Vecchio Filho (16/09/2014) - Porto Alegre/RS

Prezados Editores do Raia Leve:

Agradecemos as mensagens de incentivo a nossa gestão e, neste momento, focadas no desafio RICARDO x BAZE.

A realização deste desafio é vitória de todos, pois não mantivesse ainda o turfe brasileiro prestígio no exterior, não conseguiríamos mobilizar estes dois gigantes das rédeas para esta disputa histórica. A palavra é esperança ! 

Aos poucos enviaremos a vocês algumas ações de marketing que adotamos para divulgar o evento, além dos ’out doors’, ’bus door’ e ’front ligth’ como o que foi publicado hoje aqui no RL. 

Circula em Porto Alegre, desde ontem, a camionete personalizada do evento que transportará os campeões e seus familiares. A foto deve estar chegando por aí !

Russel Baze acaba de desembarcar em Porto Alegre, sendo recepcionado pelo Vice-Presidente Felizola e pela primeira dama do Jockey Lucia Zago, além de várias funcionárias trajando as camisetas promocionais do evento.

Na ocasião, Lucia Zago entregou um ’bouquet’ de flores à esposa de Baze, tendo sido providenciado um ’kit’ boas vindas para RICARDO e BAZE que estará disponível em seus aposentos no Hotel Sheraton.

Amanhã chegam Ricardinho e família.

Manterei vocês informados. Abraço ! 

Fabio de Freitas (16/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Ainda abalado pelo passamento repentino do mestre Marcos Antônio da Silva - Dr Marquito para os mais próximos - venho manifestar concordância com as palavras oportunas do Sr Antônio Moura .

C.Lavor é de fato um craque das rédeas e sobra muito na parceirada.

Foi criado montando contra Juvenal , Ricardo , Goncinha , Edson Ferreira , Quintana , Gabriel , Barroso , Adail e outras feras das rédeas.

Hoje , Alex Mota a parte e sem esquecer do devido respeito , o Lavor se apresenta contra uma rapaziada bem matusquela .

Há vinte anos atrás estes jóqueis de hoje passariam bem despercebidos e não teriam chance de montar para os grandes proprietários.Chance zero mesmo.

Aliás está acontecendo um fenômeno semelhante entre os criadores.

Faz um tempinho , a criação Araras competia contra o Mondesir do Gadheer , o Linneo do Itajara , o Sta Ana do Roi Normand , o Rosa do Sul do Tumble Lark e outros campos sagrados da criação nacional tais como o Expert , Ipiranga, Malurica , Castelo e etc.

Hoje em dia a cavalhada do Dr Julio Bozano nada de braçada larga no turfe brasileiro , não existindo criador que faça sombra aos filhos de Wild Event e Put it Back .

Ganham tudo e vão seguir ganhando enquanto o Dr Bozano quiser .

O turfe brasileiro , portanto , está sobrevivendo de ecos do passado e se não for alterado o rumo das coisas , em breve as corridas serão uma doce saudade.

Está tudo muito claro : não pode ficar pedra sobre pedra e o momento é de recomeço .

Luis Alberto Rodrigues de Souza (16/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Foi divulgado hoje no site do JCB um demonstrativo feito por José Carlos Fragoso Pires Jr.dos números ds criação nacional, muito interessante e que vem ilustrar o que tem sido dito aqui neste Espaço do Leitor.

Tomando-se 2013 em comparação a 2012 constatamos que o número de eguas na reprodução caiu de 3.639 para 3.613, mas o demonstrativo mostra que no ano de 1989 eram 8.897 eguas na reprodução. 

O número de garanhoes caiu de 234 para 213, sendo que em 1989 eram 928.

O número de nascimentos caiu de 2.850 para 2.686, o que mostra que para uma queda no número de eguas de apenas 26 nasceram menos 164 produtos, os criadores estão deixando mais eguas sem serem cobertas.

O número de criadores subiu de 339 para 352, sendo que em 1991 eram 1.493.

Lembrando que, conforme várias postagens já feitas anteriormente, a tendência para 2014 é de queda.

Christian Sharp (16/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezado Luis Alberto Rodrigues Souza

Muito obrigado por ter aberto a caixa preta sobre as retiradas , no site do JCB não consegui acessar estas informações.

Abraços

Luis Alberto Rodrigues de Souza (16/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezado Christian Sharp, na postagem de ontem referente a retiradas faltou dizer que nos pareos obrigatórios que compõem os pick 3 no JCB, a retirada na modalidade vencedor passa a 32,5%. Abraço!

Luis Alberto Rodrigues de Souza (16/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Meu irmão Luiz Fernando Dannemann, estamos juntos pessoalmente e por nossas famílias há tanto tempo que se vai mais de meio século de amizade. A postagem do Leo Cury e agora a sua infelizmente mostram um caminho prestes a se tornar quase irreversível para o noss turfe já que em pouco tempo pode haver toda a boa vontade de ações mas faltará a matéria prima, o cavalo.

Já postei certa vez aqui neste Espaço a quantidade de haras que desde a publicação daquele primeiro catálogo de reprodutores editado pela APPS haviam encerrado suas atividades, e esta enorme quantidade apenas entre os que divulgavam seus garanhoes no catálogo. Após minha postagem quantos mais não desistiram e agora esta triste notícia do TNT. Saiba que um conhecido no Paraná, que possui um haras usado como pensionato e suporte para partos, coberturas e criação se mostra assustado com a drástica redução este ano na procura por seus serviços. 

Sei de seu empenho quanto as apostas, já conversamos bastante a respeito e guardo comigo o exemplar do trabalho específico produzido a partir de sua boa vontade e entusiasmo. 

O que me assusta, resumindo, é a inevitável falta de animais no futuro próximo, política e intenções não são tão complicadas de se reverter mas como diz o velho ditado "sem ovos não se faz omeletes".

Abraço muito grande do seu amigo de toda a vida, Beto.

Antonio Moura (16/09/2014) - Niteroi/RJ

NEM TUDO QUE LUZ É OURO

Caríssimo João Fernandes,

Antes de tudo, agradeço as elogiosas referências. Mas não entenda, nas minhas intervenções, que não jogo e não acerto dos cavalos do Lavor. Muito pelo contrário. Mas não sem antes juntar todas as peças do quebra-cabeça.

E, repito uma vez mais (e certamente a última) que nunca fiz restrições à sua qualidade técnica. Mas, por outro lado,

parece que atual e esplendorosa fase que este profissional atravessa tem algo a ver com algumas críticas que entendeu inadequadas e que não são só minhas. Menos mal!

Uma coisa é certa: o seu índice de fracassos com animais de pequenos proprietários não acompanha os números das grandes Caudelarias, mesmo quando no dorso de favoritos declarados. 

Vou ficando por aqui, sob pena de me alongar e prejudicar todo o meu esquema de sobrevivência no mais difícil de todos os jogos - corridas de cavalo. Cada um que se defenda por si só!

Até depois.

Antonio Moura

Helio Balsa (16/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Não Entendi.

Aguardei para ver se alguém se manifestava em relação ao 4º páreo de domingo vencido pelo NIKITO montado pelo A Mota, pois, após a repesagem notei um desconforto entre o treinador R Solanes e o jóquei, o que houve? O treinador saiu esbravejando, será que vi demais.

Helio Balsa

Luiz Fernando Dannemann (16/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Caríssimo Beto (Luis Alberto Rodrigues de Souza)

Quem te fala aqui não é o seu irmão “Gaba” fiel amigo e companheiro de mais de meio século de profunda amizade e respeito por você uma das pessoas mais íntegras que conheci em minha vida, um exemplo de caráter e dedicação ao Turfe, a cereja do bolo deste Jockey Club Brasileiro, em todos os fundamentos.

Estou profundamente arrasado (decepção faz parte do passado) com esta administração dita de “turfistas”, mas que buscou privilegiar e investir no lado social do JCB como fazem esses políticos de merda que a gente se vê obrigado a aturar pela TV pedindo votos para tentar renovar o mandato deles que há muito já foi transformado numa autêntica Disneylândia.

O resultado disso não foram apenas os 300 cavalos a menos nas cocheiras do Turfe... O resultado disso será alarmante em pouco tempo, o reflexo na criação nacional será terrível a partir do próximo senso, o resultado disso será dramático em 2016, o resultado disso será mortal em 2020. Saiba que o TNT – um dos expoentes do turfe nacional -, dentro de cinco minutos, estará se desfazendo do seu haras em Bagé, isso é apenas um pequeno exemplo do que está por vir, ainda em 2014.

Eu já sabia deste perigoso gráfico em 2012. Já havia alertado, aqui mesmo no Raia Leve, sobre a curva desastrosa do Turfe a partir de administrações como a do LECCA que priorizou o lado social que por sua vez sucedia oito anos da administração Taunay que também já optara (para honrar compromissos de campanha) por abandonar o Turfe em prol de um Centro Gastronômico e outros equipamentos distantes da atividade hípica, qualquer criança do primário sabe de toda esta história de cor e salteado, todos sabem que a CODERE foi enfiada goela abaixo do nosso MGA apenas para pagar um empréstimo que resultou em melhorias sociais.

Por isso lutei bravamente e investi uma verdadeira fortuna para tentar SALVAR a instituição JCB, e a atividade de Turfe (pensando principalmente nos profissionais da cidade e do campo) apoiando várias candidaturas de Turfistas nos últimos 12 anos. Coloquei tudo que podia a mercê deste projeto, até que consegui em parceria com algumas pessoas (não muitas), até que entregamos ao Palermo todo o ATIVO que possuíamos, tudo aquilo que foi conquistado ao largo de 12 anos de muito trabalho.

Ao Palermo doei tudo que pude... Mas principalmente a minha FÉ, a minha ESPERANÇA de que ele pudesse dar uma guinada de 360 graus nas corridas de cavalo; que ele pudesse, ao lado de Cláudio Ramos, vice-presidente, nosso antigo companheiro das mesmas lutas, recuperar um enorme tempo perdido que provocara feridas profundas em toda cadeia do turfe.

Mas não. Ledo engano. 

Ao invés de patrocinadores para o GP Brasil, adentraram o clube marcas para irrigar o bolso dos responsáveis pelo “Parque da Bola”; Ao invés da recuperação da estrutura das Vilas Hípicas (armazém e etc.) veio a tentativa de erguer um “albergue” de propriedade de outro Vice-Presidente, vieram pistas de skate e novas piscinas; ao posto de uma cooperativa para baratear os tratos, vieram restaurantes que não possuem sequer televisor para divulgar as corridas e muito menos um mísero tablet para vender apostas; ao invés de aumento nos prêmios (algo fundamental para conter a fuga dos studs e a conseqüente perda de cavalos) o aumento do raio de atuação dos produtores de eventos; na contra mão do MGA, o apoio irrestrito à CODERE; ao invés de auditar as contas CODERE, o JCB optou por fomentar um plano maquiavélico para aumentar o valor das MULTAS dos paupérrimos profissionais.

Você sabia que o TEREFANTASY de 2015 será feito no Hipódromo da Gávea? Isso mesmo! o tradicional evento que acontece há 23 anos no Clube Comari em Teresópolis (este ano recebeu 40 mil pessoas) será trazido para alegrar a noite nos nossos cavalos. O organizador do evento, aliás, tem confidenciado a seus amigos maravilhas a respeito disso...

A administração Palermo não foi capaz nem de OBRIGAR àqueles que queriam se utilizar dos terrenos do clube (para ganhar dinheiro) de promover o Turfe em suas dependências... Um escândalo, um absurdo, um ato de inigualável mediocridade, uma histeria, mostra de autêntica debilidade e maldade para com uma enorme comunidade que depende do JCB.

E agora Beto?

Você sabe que promovemos um amplo estudo internacional que RECOMENDAVA várias ações por parte do JCB para aumentar o MGA e a rentabilidade do mesmo. Você melhor do que ninguém sabe que estávamos no caminho certo... Que havíamos trocado 11% de retorno no “Pick 3” por 22% em outras modalidades muito mais importantes institucionalmente para todos nós... Mas nem isso (que era apenas 5% do Estudo) o Palermo conseguiu manter implantado, talvez compelido por algum desses abomináveis “Pilares do LECCA”, pessoas nefastas que ele buscou manter (desde o primeiro dia), que ele procurou abraçar, promover e aumentar o salário à custa do nosso dinheiro e do nosso sacrifício.

Não serão 300 cavalos a menos em 2015, meu irmão Beto, serão 500, serão muito mais que 1.000 em 2020. Isso é matemática, algo que você conhece melhor do que ninguém. 

Eles venceram Beto, o ócio venceu, venceram os interesses paralelos, perdeu o Turfe. 

Estou arrasado irmão...

João Fernandes (16/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Sr. V.Gil por favor não fique mascarado com essa de ficar olhando para traz e depois não conseguir ganhar o páreo, igual a vc temos o exemplo do excelente jóquei H. Fernendes que ate ganha mas não é mais o mesmo, os turfistas na agencia comentam as carreiras. Hoje o C. Lavor te quebrou com uma linda vitória, se correr de novo Montardon ganha fácil porem sem palhaç....

Boa noite e boa sorte.

João Fernandes (16/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Sr. Antonio Moura, como escritor, filósofo e outras coisas mais o Sr. é muito bom, mas como turfista o senhor não sabe nada, Carlos Lavor esta dando aula a esses novos jóqueis, aposte nos seus animais que ele vem montando e arrume uma grana, eu sei que o Sr. não gosta e pelo que o Sr. colocou muita gente também não, paciência...

Com todo o respeito, com meu lacônico comentário,

Uma boa noite.

Ps. Deus nos proteja.

Deise Freitas (16/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Boa noite a todos,

O jóquei A. Mota ainda não acordou, hoje na gávea não tem mais joquinhos trouxas, tem que passar e tentar a vitória, se não montar barbadas não ganha mesmo, vc conhece o V. Gil , brincadeira.

Boa noite a todos.

Mariel Mozart Vinicius Muller (15/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Cansei, aliás enjoei! Eternamente Feliz entra terceiro na turma, correndo na ponta e entra terceiro°pra Studebacker e quase ganha de Great Gatsby. No claiming corre contrariada, sem poder correr na frente e chega andando em penúltimo num páreo morto! Parei!

Luiz Antonio da Silva (15/09/2014) - Nova Iguaçu/RJ

Notaram a diferença do jóquei ganhador do primeiro páreo para o jóquei que montou a favorita da segunda carreira. O sobrinho do Juvenal é muito melhor do que alguns que recebem várias montarias durante a semana e correm mal seus animais. O J.T.Silva merece mais oportunidades.

Luis Alberto Rodrigues de Souza (15/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezado Christian Sharp, de acordo com os planos de apostas da Gavea e SP são estes os valores das retiradas por modalidade, citando sempre a Gavea primeiro, vamos lá; Vencedor 27,5% contra 30%, place 21% contra 26%, dupla 32,5% contra 35%, exata 35,5% contra 40%, trifeta 31,13% contra 42% e quadrifeta 34,13% contra 45%. Abraço, Beto.

Luis Alberto Rodrigues de Souza (15/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Caro Christian Sharp, primeiramente quero deixar claro que não participo mais de mudanças nas apostas desde o final do ano passado. O que tentou-se fazer com a primeira e segunda mudanças foi retirar do pareo a pareo determinadas modalidades de muito difícil acerto (em que muitos apostavam mas poucos acertavam) e mante-las apenas em pareos determinados com garantias ótimas, deixando o apostador jogar no pareo a pareo em modalidades de mais simples acerto, o que motivaria mais voltas ao guichet e consequente aumento do MGA. Juntou-se a isto uma diminuição na retirada em algumas modalidades (place, trifeta e quadrifeta) o que gera ratei os maiores e, novamente, mais dinheiro para o apostador. E, finalmente, resolveu-se extinguir o segundo pick 3, modalidade que gerava uma rentabilidade para o clube por volta de 11% e conseguiu-se repor e muitas vezes superar o montante apostado neste segundo pick 3 pelo aumento nas apostas nas outras modalidades de rentabilidade por volta de 30%. Veja que os recordes de apostas em dias comuns de corrida aconteceram neste período. Ocorre que em 2014 temos menos 300 animais correndo que em 2013, o que gerou menos dias de corrida com menos pareos e pareos mais vazios, o que levou o JCB a decidir realizar novas mudanças nas apostas, das quais reafirmo não haver participado e não vou comentar por questão de ética. Quanto ao valor das retiradas em cada modalidade, tanto no RJ quanto em SP, voce pode tomar conhecimento através de consulta dos planos de apostas de cada hipódromo disponíveis em seus respectivos sites. Quanto à mudança nas bonificações na Gávea a partir do início do mes, fiz meu comentário anterior baseado em seu post, realm! ente não sabia nada a este respeito. Grato pelas palavras gentis e tenho absoluta certeza de que você também é turfista de primeira por suas sempre ótimas participações no Espaço do Leitor. Abraço grande e ótima sorte nas corridas, Beto.

Christian Sharp (15/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Caro Sr. Luis Alberto R. de Souza

Primeiramente meu respeito por VS. um autentico turfista.

Como existe uma caixa preta nas retiradas por modalidades tanto no JCB quanto no JCSP , o que VS. nos informou hoje , infelizmente não pode ser provado de publico .

Assim tudo continua sem transparência e sem conhecimento dos turfistas do JCB .

Somente peço então este conhecimento , senão me considero desrespeitado no meu jogo por parte do JCB.

Quanto as atuais bonificações ,elas voltaram a serem como de dois anos atrás ( mais ou menos ) ,qual a sua explicação pelo este retrocesso.

Abraços

Luiz Fernando Dannemann (15/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Parabéns II

Uma vez, devidamente, esclarecida e enquadrada a função do atual síndico do JCB, que para o turfe NADA e para arrendatários, intermediários de arrendatários (segundos e terceiros) e demais felizardos, co-herdeiros dele dos centenários terrenos do JCB TUDO, urge refletir sobre a posição dos demais “turfistas”, presentes na chapa e no Conselho, alguns que lutaram ao nosso lado pelo TURFE contra a especulação imobiliária, contra a não destinação dos recursos do clube para as premiações (mola mestra da atividade) e principalmente contra a transformação de um clube hípico em parque aquático. 

Destes excluo o nome do Antonio Carlos Coelho que segundo eu sei - tanto quanto pode -, vem tentando evitar o ritmo das "braçadas" dos atuais donos do clube. 

Onde estão aqueles que se diziam turfistas preocupados com o futuro da atividade de Turfe?

Como estão reagindo estas pessoas em face de tamanha MEDIOCRIDADE conforme o noticiado pela Revista Turfe Brasil que deu conta da NEGOCIATA com São Paulo para dar cabo das corridas de sábado bem como a das segundas feiras no Hipódromo da Gávea?

De quem partiu este ABSURDO sem precedentes na história do JCB? Sob que pretexto, a partir de qual estudo, avalizado por quem, referendado por qual Conselho? 

A quem interessa esta autêntica "bravata"?

E os profissionais de turfe proprietários e demais interessados dependentes do Turfe carioca, como irão reagir?

Queria aproveitar para parabenizar, novamente, o atual síndico do clube que conseguiu de forma exemplar superar (e muito) o seu antecessor na arte de fazer tudo aquilo que não deveria ser feito em prol do futuro das corridas de cavalo, algo que deve passar muito longe dos seus interesses.

Luis Alberto Rodrigues de Souza (15/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezado Christian Sharp, embora as bonificações em SP sejam maiores que as praticadas no RJ, as retiradas por modalidades na Gavea são menores (o que proporciona rateios maiores). Considero a uniformização de modalidades, retiradas e bonificações uma dificuldade para a implementação da Pedra Única. Quanto ao fato de não ter havido a devida divulgação pelo JCB estou de total acordo. Abraço, Beto.

Antonio Moura (15/09/2014) - Niteroi/RJ

LUCIDEZ E CORAGEM!

Sr. Luiz Fernando Dannemann,

Parabéns sim, mas ao ilustre turfista que o senhor efetivamente é. Pela lucidez e principalmente pela coragem de dizer, sem papas na língua, as verdades que calam na boca da maioria. E que seja inquebrantável e perene o equidistante espírito de crítica que, a bem da verdade, nunca lhe faltou; é mesmo sua marca maior!

Antonio Pais de Moura

Christian Sharp (15/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Continua ainda a falta de transparência e respeito aos turfistas no JCB.

Desde o início deste mês , na calada da noite como se diz , sem nenhum aviso público o JCB modificou as bonificações das acumuladas .

Mesmo com estas modificações , o JCSP ainda paga mais por estas bonificações , sendo assim é claro que o turfista continuará a jogar em SP nas corridas do Rio.

As ineficiências da Gerencia de Turfe e da Casa de Aposta continuam trabalhando contra o turfe do JCB.

José Augusto Seabra Sales (15/09/2014) - Brasília/DF

Para atualizar as informações da Srª. Ana Rita Albuquerque.

A administração fatídica que se debandou após tentar sem sucesso o que seria o maior golpe imobiliário da Capital Federal, possibilitou que a Terracap solicitasse judicialmente a retomada do terreno doado ao Jockey Club de Brasília em 1969 na cidade satélite do Guará.

Um pequeníssimo grupo de criadores e proprietários ainda mantém ações jurídicas na esperança de recuperarem a área ocupada pelas instalações do Hipódromo Nacional de Brasília juntamente com a Associação dos Moradores (profissionais remanescentes que ocupam a vila hípica com seus familiares e ainda continuam trabalhando com cavalos de raças diversas).

Esta semana a Terracap (grilheira oficial do GDF), solicitou parecer ao IBRAM sobre parcelamento da área, nossa luta continua na intenção de mantermos preservada uma área mínima para o retorno das atividades turfísticas.

Luiz Fernando Dannemann (15/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Parabéns!

O Jockey Club Brasileiro há muito não proporcionava tanto orçamento para alguém desfrutar um mandato a partir de um Estatuto altamente presidencialista - tão atacado pelo nosso “time” de opositores (que hoje somados não proporcionariam a escalação de uma equipe de futebol de salão).

Os prêmios defasados em confronto ao vertiginoso aumento dos aluguéis atrelados a correção monetária (uma renda que emana do TURFE); a escancarada elevação da Taxa de manutenção; ao vergonhoso (estelionato eleitoral) crescimento da taxa de transferência do título; e ao loteamento – desesperado -, de espaços e oportunidades no interior do hipódromo (o metro quadrado mais caro da América Latina), cuja palavra de ordem (e de honra) é não promover as corridas de cavalo, tem feito do JCB um verdadeiro OÁSIS para todos aqueles que optaram pela “profissão” de presidir clubes no entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas.

Gostaria de parabenizar publicamente o atual mandatário do JCB – um autêntico jogador -, pela perspicácia de conseguir esconder (de quase todos) a sua verdadeira face - driblando a boa fé dos que lutaram para nomeá-lo-, ao HERDAR o que restava de um velho clube que se por um lado não tem mais qualquer esperança no futuro da atividade hípica (por conta de pessoas como ele) por outro possui um rico acervo de contribuições mensais para fazer a felicidade de muitos síndicos desta cidade.

Eu imagino o quanto este cidadão esteja “se virando” para tentar continuar a frente deste ESTATUTO por mais quatro anos a partir de 2016, gozando de uma situação altamente paradoxal diante da sua pobre, insignificante e dissimulada biografia. 

Gilberto Werner (14/09/2014) - Porto Alegre/RS

A PALESTRA NO BERÇO DO JOCKEY CLUB DO RGS.

Fui convidado pela Rede RBS - afilhada da Rede Globo e pelo jornal Zero Hora de Porto Alegre - para dar uma palestra de história no Parque Moinhos de Vento, o Parcão, hoje a tarde. 

Eram quinze horas deste domingo e a ¨Casa da Zero Hora¨ no Parcão estava rodeada de gente esperando para assistir no ¨telão¨ as fotos antigas do bairro e a explanação sobre a história.

Comentei que naquele lugar onde estávamos, há cinquenta e cinco anos passados, era o Hipódromo dos Moinhos de Vento. Coloquei fotos antigas do Jockey no ¨telão¨ e quase não acreditaram. Comentei que naquele local, no dia 15 de novembro de 1959, o JCRGS realizava a sua última corrida. Depois se transferia para o bairro do Cristal - haja vista o crescimento do bairro e que não suportava mais cavalos e cocheiras nos Moinhos de Vento - O MESMO QUE ESTÁ ACONTECENDO AGORA NO ANO DE 2014 NO HIPÓDROMO DO CRISTAL no bairro do mesmo nome.

Falei que no ano de 2001 fui o autor de uma petição à Câmara de Vereadores de Porto Alegre para que se erigisse no ¨Parcão¨ UM MONUMENTO em memória do clube JCRGS lembrando ser seu berço de origem. E que TUDO havia sido aprovado por ¨unanimidade¨ dos vereadores de então. E que UM PRESIDENTE deste ¨grupo político¨ do Vecchio EMBARGOU a obra por ciúme. Simplesmente IGNOROU a importância - no ¨marketing¨- para as corridas do JCRGS.

E até hoje nem esse ¨presidente¨ do passado nem esse de agora - Vecchio - moveram ¨uma palha¨ para erigir tal monumento.

E por fim despedi-me de todos falando que o pior de todos os males é a ¨vaidade¨ e o ¨orgulho¨ infundado por aqueles que dirigem ou dirigiram o Jockey Club do Rio Grande do Sul. E que por isso as corridas dos cavalos PSI em Porto Alegre tendem a desaparecer. E agora - aqui no Raia Leve - fui claro?

Sergio Lessa (14/09/2014) - São Gonçalo/RJ

Amigo Antonio Moura realmente a joqueta Lu Andrade e diferenciada das que na Gávea passaram,ela é trabalhadora,corre atrás dos seus objetivos e merecidamente merece os nossos aplausos,quanto ao seu agente é nada mais nada menos que o grande Paulo Gama o agente de campeões.

João Luiz do Monte Paiva (13/09/2014) - Campos dos Goytacazes/RJ

Se pode vir aqui bater palmas, pode dar palmada também!

É brincadeira um proprietário e um treinador escolherem F. Chaves para montar. O errado é que estão jogando o dinheiro do apostador fora, não só o deles.

O primeiro páreo de hoje foi um verdadeiro absurdo! Contrariou as características da égua, forçou contra duas éguas que faziam um páreo suicida e perdeu o páreo por bico de focinho. Com qualquer outro jóquei ganharia o páreo.

Este jóquei deveria procurar outra profissão. Sugiro ao Raia Leve que substitua a enquete atual (que já está velha) por esta. Deveriam colocar opções bem longe de jóquei tipo vidraceiro, balconista ou qualquer outra coisa do gênero. Nada contra o rapaz pessoalmente. Nem acho que seja de propósito mas continuar assim, não dá.

Antonio Moura (13/09/2014) - Niteroi/RJ

AVISO AOS NAVEGANTES

Senhores,

Se está em voga o desnecessário aplauso a jóqueis consagrados, porquê não se utiliza a mesma medida aos que buscam obstinadamente um lugar ao Sol?

Refiro-me especificamente à joqueta Lu Andrade - que ontem, no sexto páreo, montando a Fantástica Maria na condição de sexta força, beirou a perfeição e mostrou a muito marmanjo como se corre de ponta um animal ligeiro numa distância intermediária.

Parabéns, Lu! Fiquei sem o dinheiro mas para você bati palmas de pé - como na ópera! Não sei quem é seu Agente de Montarias, mas o páreo de ontem passa a ser seu melhor cartão de visitas; o futuro te espera!

Antonio Moura

Mario Veloso (12/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Meus parabéns ao Darciano Telles Minetto pela sua primeira vitória como treinador titular;

Bom garoto e muito trabalhador, merecedor de muito sucesso e muitas futuras vitórias.

Parabéns extensivo ao meu amigo Fernando Antonio F. Monteiro por mais uma vitória

Orlando Motta Filho (12/09/2014) - São Paulo/SP

Exatamente,Sr.Mario Alves Machado.

Eduardo Le Mener Filho também teve a honra de montar Clackson,estreou o lindo alazão com vitória em 1.979 e o dirigiu até o ano seguinte.Mas eu dizia de Geraldo Assis e de sua maior conquista que foi ’a bordo’ de Clackson,batendo o recorde de Tagliamento no ’SP’ de 1.982,num campo até fraco para a importância da maior prova paulista,mas em recorde e a 7 corpos do segundo colocado O Maior do Faxina.L.C.Silva o montou no ’SP’ de 1.981e chegou em terceiro para Rasputin.Antonio Bolino se o montou não sei,mas se sim,foram 2 Reis que se encontraram.

Foi muito bom ’conversarmos’ sobre alguns grandes joqueis do nosso passado,infelizmente esquecidos no tempo.Melhor ainda foi falarmos de "CLACKSON",um "GRANDÍSSIMO CAVALO" como já disse aqui mesmo o ’Sr.Escorial’.

Alias,seria muito melhor para todos,políticos ou apostadores ,se ’as vezes’ falássemos e debatêssemos TAMBÉM os grandes CAVALOS de nossa vida,campeões ou não.Razão maior de estarmos por aqui.Mas,infelizmente,eles são mais esquecidos do que tantos ’outros’ joqueis e treinadores,que todos juntos,ajudaram a fazer a história do turfe brasileiro.Recordemos mais os nossos bucéfalos queridos e inesquecíveis neste sitio feito para eles.

Grande abraço ao senhor e ao Sr.Arnaldo também.

Leo Friedberg (12/09/2014) - São Paulo/SP

Parabenizo a laboriosa Diretoria da Assoc Carioca tendo a frente Dr Arthur e Luiz Octavio e seus parceiros. Muito bom este contato com o preparado Aécio que antes do acidente do avião estava quase favorito a vencer.

Para mim se AECIO passar p/ O 2° Turno, LEVA

Antonio Moura (12/09/2014) - Niteroi/RJ

ALTERAÇÃO NO CORREIO ELETRÕNICO

Amigos do Raia Leve, Editores inclusive,

Parece que está chegando ao fim a era do "Hotmail" e sendo substituído pelo "Outlook". O meu, pelo menos foi atualizado hoje e não faço ideia como recuperar a minha lista de contatos.

Desta forma, informo a todos que tem o hábito de compartilhar comigo sempre que entendem oportuno, que o endereço é o mesmo, apenas substituindo um pelo outro, ou seja, agora é o ajsmoura111213@outlook.com o destino correto.

Conto com a compreensão e a ajuda de todos no sentido de recompor minha agenda, e agradeço a presteza no atendimento desta minha necessidade, eis que pelo antigo não chega mais nada.

Um abraço e obrigado!

Antonio José Pais de Moura

Pasqual Evangelista (12/09/2014) - Valinhos/SP

Pelo que as pesquisas eleitorais estão mostrando a ajuda que poderemos esperar do candidato do PSDB será no senado.

Porque não endereçar as mesmas solicitações as outras duas candidatas?

Carlos Ferreira (12/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Senhores,

Todos nós sabemos que freiras não são encontradas em determinados ambientes. Sabemos também que as corridas de cavalos sempre tentaram os que procuram lucros fáceis, levando-os a aplicar golpes, principalmente através da medicação de animais com o objetivo de aumentar o potencial locomotor dos mesmos, trocando cavalos, “amolecendo” páreos para terem conhecimento prévio dos ganhadores, ou então, simplesmente não disputando algumas corridas para depois de alguns “galopes” ganharem, auferindo lucros altos com tais manobras.

Esses desonestos (profissionais e proprietários) quando pegos devem ser exemplarmente punidos, principalmente com o objetivo de garantir a lisura das corridas para o público apostador, que se não confiar na banca, certamente acabará deixando de jogar, pois ninguém é bobo de jogar um jogo roubado.

Cabe um parêntesis aqui para dizer que as carreiras são extremamente perversas com os golpistas. Em meus 60 anos de turfe, vi todos os que tentaram enriquecer ilicitamente com manobras desonestas quebrarem e muitas vezes terem um fim trágico após perderem grandes fortunas.

O que não aceito de forma nenhuma é a visão deturpada das carreiras pela generalização do roubo, sem considerar os diversos fatores que influem nos resultados das mesmas, aliás, muito bem abordados pelo Leo Friedberg em sua postagem de hoje.

Lembro aos senhores que o que deve ser visto com paixão é o turfe (principalmente a beleza das carreiras e a nobreza dos cavalos). O jogo deve ser analisado friamente, considerando-se todos os fatores que podem influir no resultado dos páreos (inclusive manobras). É coisa para profissional. Quem não agir desta forma vai ser um eterno perdedor.

Sds.

Ana Rita Albuquerque (12/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Talvez por ter acompanhado o começo, meio e fim do Jockey Club de Brasília, que teve, há poucos anos, desapropriada a área privilegiada na qual estava localizado, entendo contraditório o fato de que o poder público, que de um lado não mantém um diálogo ou um relacionamento saudável com os Jockey Clubs, como ressaltado em recente artigo no GLOBO onde se propôs a criação de um ente nacional de representação e defesa dos interesses dos clubes, possa ter efetuado o tombamento como um real benefício para o turfe, sobretudo se isso não restou evidenciado por meio da diminuição ou isenção de impostos e de outros incentivos fiscais. O tombamento constitui um gravame limitado do direito de propriedade e de seu conteúdo econômico, sob o manto de proteção do patrimônio cultural e histórico. A notícia da nulidade do destombamento vem sendo repassada como uma vitória para o turfe, e perda para a Sede da Lagoa que terá que desfazer o "puxadinho". O que isto representa de prejuízo para o Jockey Club/RJ, ainda não se sabe ao certo. Apenas, não se pode ver com bons olhos nem o tombamento, sem uma real contrapartida para o clube, tampouco, a perda da área da Sede da Lagoa. É necessário olhos bem abertos para a real intenção do poder público ao intervir na propriedade privada e regermos o clube como um todo, se ainda for possível.

Mario Alves Machado (12/09/2014) - Sao Caetano do Sul/SP

Arnaldo de Oliveira Lima e Orlando Motta Filho, o Clackson venceu seu primeiro clássico montado pelo Eduardo Le Mener em 1979 e correu o Brasil com Antonio Bolino em 1981.

Antonio Moura (12/09/2014) - Niteroi/RJ

Sr. Daniel Rosário,

Mesmo considerando que o prezado turfista da longínqua Fortaleza só se prendeu a verdades e a fatos historicamente incontestáveis, é bom ter cuidado com o que se fala e principalmente com o que se escreve.

Por menos, muito menos, fui taxado de leviano, simplesmente por não fazer coro com os elogios endereçados ao jóquei Carlos Lavor.

Lembro-me perfeitamente que, ao doze anos de idade, ao retornar da Figueira da Foz, onde prestei meus exames de admissão, com o boletim de nota máxima, recebi, junto com o abraço de meu velho e querido pai, o aviso (que carreguei por toda a vida) de que o mérito de uma boa ação não nos livra jamais do que para trás fizemos de errado. Carapuça que carregarei até o fim!

E aproveito para parabenizar o Sr. Léo Friedberg por, finalmente, ter conseguido editar um texto quase perfeito - com princípio, meio e fim; ou contratou um redator de aluguel ou andou aperfeiçoando o seu português em algum curso à distância. Menos mal, mas é bom lembrar que ao término de cada período tem um necessário ponto final. Só não mudou a sua ótica de sempre - no azul sempre um céu de Brigadeiro!

Ao atento Daniel Rosário, meu agradecimento pela sua mais que correta manifestação.

Antonio Moura

John Pires Barreto Alexandrino (12/09/2014) - Belo Horizonte/MG

Sr. Antônio Moura,

Irônico, hábil com as palavras e inteligente, mas infelizmente não vou entrar na sua pilha, não tenho tempo para blá blá. Quanto as desculpas infelizmente também declino, pois de onde venho o que falamos não tentamos consertar, na verdade vc me fez sorrir, lá pelos lados da região dos inhamuns não sabemos o q significa "britânico trato", perdão pela minha ignorância! Kkkkkk

Arnaldo Oliveira Lima Filho (12/09/2014) - Cotia/SP

Ao sr Orlando Motta Filho o senhor lembrou mas o Clackson teve dois joqueis um o G Assis o outro L C Silva por isso que não citei.

José Luís Lobo (12/09/2014) - Curitiba/PR

Meus parabéns aos Srs. Luiz Octavio Figueiredo e Arthur Stern, respectivamente, Presidente e Vice da honrosa ACPCPSI, pela iniciativa muito oportuna e super necessária, de fazer chegar às mãos do candidato à Presidência da República, Aécio Neves, de uma carta, mostrando a real importância da atividade Turfe, em todas as suas esferas.

Esperamos que a mesma seja tratada e colocada em prática pelo citado candidato, para que possamos ver/ter um Turfe forte, brilhante e com importância cada vez maior à nivel nacional.

José Luís Lobo

Curitiba - PR

Daniel Rosario (12/09/2014) - Fortaleza/CE

Saudações.

Nem 8 e nem 80.

O que nós não podemos é generalizar. O turfe não é composto de santos, nem tão pouco somente bandidos.

Mas alguns casos ajudaram a denegrir o turfe, hoje em dia tão combalido.

Ou nós temos que esquecer o famoso escandalo da QUINEXATA?

Também temos que esquecer o famoso caso da troca dos exames de urina, no maior festival de um dos principais hipódromos deste país? Que aliás, nem sei se ainda podemos chamar de hipódromo.

Por fim, volta e meia temos treinadores suspensos por doping, ou jóqueis punidos por direções tendenciosas.

Ainda há tempo de muitos mudarem de conduta. Aqueles que erram, são passíveis de punição, mas nada impede que revejam seus atos e de certa forma sigam o exemplo daqueles que procuram não errar.

Abraços a todos e boa sorte nas corridas !!!

Leo Friedberg (12/09/2014) - São Paulo/SP

Carlos Ferreira,

Completando seu comentário, as corridas de cavalos são atrativas pelas dificuldades em vence-las. Cavalos não são relógios suiços. Os animais não correm sózinhos, existem prejuízos normais de carreiras. Existem trains de corridas,, as vezes animal acorda indisposto, ou tem uma nutaliose ou fraqueza incubada ?, etc, etc. Num páreo de 8, 9 acham que vão ganhar

Os jóqueis acordam 4 da manhã, não podem comer, muitas vezes são barrados, até treinando correm riscos de graves acidentes, correm com a ambulância atras, não ganham muito e vira e mexe são chamados de ruins ou ladrões (suba num cavalo e corra a 60 km por hora, vcs vão entender)

Os Treinadores de uma hora para outra perdem animais e ficam com os onus empregatícios, tem que tomar todo cuidado com perda de horário de cavalariços que lhe acarretam até suspensões, se errarem medicação podem ficar muito tempo sem trabalhar, LEVAM CANOS de maus proprietários, as vezes são obrigados a correr mais de uma animal por páreo, rezando para que todos fiquem contentes e não ganham nenhuma fortuna

E qualquer pessoa pode entrar a qualquer minuto na Internet e descer a lenha GRATUITAMENTE em quem quiser, É MOLE

José Vecchio Filho (12/09/2014) - Porto Alegre/RS

Prezado Mário Machado

Respondo ao ilustre Turfista:

Primeiro, quando cheguei ao hipódromo, por volta das 14h30min já havia sido a ununciada a retirada do animal; 

Segundo, a decisão de retirada do animal foi tomada pela Comissão de Corridas do JCRGS, após receber um ofício da ABCPCC informando que as ’Provas Especiais’ são consideradas sim, para fins de enturmação, como provas clássicas e, como tratava-se de uma prova destinada a animais sem vitória clássica, decidiu a referida CC por retirar o animal;

Terceiro, a Comissão de Corridas é soberana para tais assuntos e não posso, mesmo sendo Presidente do Clube, desautorizá-la; 

Eu, particularmente, fecho com a posição do Arthur Stern, porque acho bem consistentes os fundamentos da mesma; agora, entre o que eu penso, a ABCPCC entende e a CC decide, vai uma enorme diferença, pois, mesmo frente à dúvida pessoal, devemos acatar a posição da maioria.

Esta aí uma grande oportunidade para unificar os critérios de enturmação entre todos os hipódromos nacionais, evitando-se constrangimento.

Forte Abraço

Mario Alves Machado (11/09/2014) - Sao Caetano do Sul/SP

Não entendi o posicionamento do José Vecchio que mesmo após receber uma explicação lógica de um expert no assunto, nada mais nada menos que o Presidente da ACPCPSI,Arthur Stern, que mostrou que o cavalo Andari Avanti nao tem vitória clássica e aceitou que o retirassem , prejudicando o proprietário e o próprio páreo, sem contar que influiu muito até no MGA.

Alguém errou e nao acredito que tenha sido o Sr Arthur.

Antonio Moura (11/09/2014) - Niteroi/RJ

O EXATO PESO DE CADA PALAVRA

Sr. John Alexandrino,

O que, com toda a certeza, não é correto - nem ético, nem justo e muito menos decente, é colocar na minha boca palavras que jamais proferi. Induz-se, inclusive, pessoas de boa fé como Sr. Carlos Ferreira, a acreditar que eu as tenha dito.

Desafio que nos meus mais de trezentos textos publicados por aqui, algum deles, um só que seja, contenha o vocábulo que, de tão repugnante me nego a mencionar. Mas como não pretendo avançar na contramão do que falei, eis de novo o que escrevi:

1) Não questiono e talento e as qualidades técnicas de Carlos Lavor;

2) Com toda s sua declarada excelência, está longe de ser uma unanimidade entre treinadores, proprietários e aficionados;

3) Ignorava e continuo ignorando porque deixou de ser monta oficial do maior criador e proprietário brasileiro, sonho de uma noite de verão de qualquer piloto de ponta;

4) As restrições que lhe faço são inteiramente de outra ordem; não as explicitei e nem pretendo fazê-lo. Em Juízo ou fora dele.

Mas, obviamente, estou aberto a um singelo pedido de desculpas, como convém a cavalheiro com tão britânico trato.

Antonio Pais de Moura

Carlos Ferreira (11/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Manchando a honra

Volta e meia vemos aqui no Raia Leve comentários contra profissionais (jóqueis e treinadores) com insinuações maldosas referentes à honra e à lisura dos mesmos, baseadas apenas em observações pessoais, sem nenhuma base técnica, na maioria das vezes motivadas apenas por perdas em apostas quase sempre mal feitas por pessoas que se acham entendidas em corridas mas sabem muito pouco do assunto.

Lembro que quem acusa é responsável por provar a acusação, ficando inclusive sujeito a penalidades previstas em Lei, se o injuriado (ou caluniado) recorrer à Justiça. Eu mesmo vou sugerir a alguns que procedam desta forma, visando reparação, inclusive pecuniária, por parte desses que levianamente os acusam sem nenhuma prova.

Sugiro aos acusadores de plantão que aprendam mais um pouco sobre corridas em vez de ficar vendo chifres nas cabeças dos cavalos, ou, se considerarem mesmo o turfe um jogo roubado, que parem de jogar, pois quem joga um jogo sabendo que o mesmo é roubado, é no minimo um parvo.

Sds.

John Pires Barreto Alexandrino (11/09/2014) - Belo Horizonte/MG

Sr. Antônio Moura,

Pelo visto o colega não ficou sozinho em suas insinuações no mínimo levianas. Quer dizer que o Lavor passou LONGE de ser unanimidade? Quer dizer que o Araras demitiu o Lavor por está roubando? Logicamente que esta estória de unanimidade não existe, pois nem mesmo JESUS o foi, mas o uso da palavra “LONGE” o colega exagerou, o referido jóquei é respeitado e querido pela grande maioria, mas sabe como é: o sucesso traz a inveja. Quanto à recisão amigável do referido jóquei com Haras Santa Maria de Araras o caro colega está demasiadamente jogando conversa fora, o colega está chamando o pessoal do Haras Anderson, Quintella, Haras Regina e tantos outros de ingênuos ou de burros?

Quanto ao Sr. Claudio da Silva acho que o mesmo não anda assistindo as corridas, pois o vencedor do Ipiranga pagava mais de 10 por 1 apostado, no sábado do Brasil quando o referido jóquei venceu cinco corridas, somente 01 animal era favorito. O Lavor é sim o que foi postado pelo Jornalista Paulo Gama e também pelas narrativas sempre coerentes do caro Luiz Melão que, diga-se de passagem, é um excelente profissional em tudo que faz.

Quanto ao Sr. Obertal vou preferir o silêncio, mordeu e assoprou. Agora, essa estória de apostador toda hora que perde arrumar um jóquei ou treinador para Cristo é altamente desagradável, de parabéns a Bianca Gomes, RASGOU!

JOHN PIRES BARRETO ALEXANDRINO

Orlando Motta Filho (11/09/2014) - São Paulo/SP

Sr.Arnaldo Oliveira Lima Filho.

Talvez tenha me enganado(e errado)ao não retroceder mais nas mensagens,mas não vi ninguém dizer aqui,que o ’freio’ Geraldo Assis foi o ’jóquei’ do vencedor em tempo recorde do ’GPSP’ de 1.982 com o futuro maior ’garanhão nacional’ de todos os tempos,"CLACKSON". 

Fosse qualquer outro,talvez ninguém esquecesse este fato.Mas como no Brasil e principalmente no Turfe,ainda somos clubísticos,torcemos apenas para que uns ganhem de outros. E la nave ’que’ se va.

Francisco Avila (11/09/2014) - Porto Alegre/RS

Venho a este espaço, para parabenizar o I. Santana, nosso popular¨Branco¨, pela vitória em grupo III.

Durante o tempo em que estive ativamente na cancha reta, vários jóqueis, que hoje atuam em hipódromos oficiais, trabalharam comigo, mas o Branco sempre foi diferenciado. Compenetrado,focado, extremamente profissional. E vejam só, um jóquei desta categoria já havia montado no RJ, por algum tempo, e até de certa forma não andou bem. Destino???

Pois o Branco voltou pra reta, inclusive ganhando com Fast And Mile, de propriedade do nosso Stud FF, que na minha opinião foi um dos melhores PSI que conheci, pois naquela época mesmo sem os ¨recursos¨de hoje, fez em Santo Antonio da Patrulha, penca F 1, o tempo de 25,17 nos 500 mts. E conquistando o record Sul Americano.

Depois disso, eu estava levando animais para Maroñas, que tinha reaberto, e o Branco, por meu intermédio, já estava de malas prontas,quando o L. C. Soares e o Stud Palura pediram para que ele ficasse e montasse o GP Turfe Gaúcho, ganhou, e foi para S. Paulo, e aí todos já sabem o que aconteceu, destino ???

E agora está brilhando em Singapura, que maravilha, isto me dá uma felicidade imensa, pois eu sempre acreditei nele, como acreditava no seu irmão, E. Oliveira, o nosso Ivazinho, que ganhou muitas carreiras para nós, e infelizmente sofreu um grave acidente, abandonando para sempre a profissão.

A trajetória do Branco, deve servir como exemplo para outros, de persistência, dedicação e muito profissionalismo.

Hoje em dia, pouco se falamos, mas tenho certeza que a amizade e o respeito, que sempre tivemos, continua firme.

Ontem fiquei muito triste com a morte do Assis, hoje estou feliz por esta importante vitória do Branco, é assim a vida. E ao Branco só posso dizer que ele merece tudo isto e muito mais. Parabéns meu amigo e fica com Deus.

Forte abraço, Chico Ávila

Obertal Paes Filho (10/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Como participante do Raia Leve não poderia deixar de atender o apelo do Sr. Antonio Moura, quando solicita não ficar isolado na publicação de opiniões, não tão elogiosas, em relação ao jóquei Carlos Lavor. 

Faço minhas as palavras do Sr. Antonio, inclusive reconhecendo a absoluta qualidade técnica do ginete, mas também concordando com as restrições. Mas como nas corridas do JCB, atualmente, já sabemos que nenhuma providência será tomada em relação à diversos problemas, inclusive diversidades de performance, só nos restaria parar de vez com as corridas, ou tentar alguma adaptação às atuais circunstâncias. 

De minha parte, embora totalmente desanimado, mas ainda apanhando e resistindo, adoto alguns expedientes que, muitas das vezes, resulta em sucesso, como por exemplo jogar em animais que nas ultimas não chegaram colocado com o referido jóquei, e após ligeiro descanso voltam com outra montaria e ganham com enorme facilidade. Apenas como exemplo recente verifiquem a excelente poule com que ganhou o animal Agua de Los Campos (31-08-14 - 9º páreo), que nas duas únicas corridas anteriores chegou a 12 corpos (1.400 Gr) e 28 corpos (1.300 Areia), com o referido piloto, e 22 dias após, com M. Almeida (1.400 Gr) ganhou com facilidade e pagou R$ 22,00 por 1.00. 

Note-se que este fato foi muito comentado aqui no Raia Leve, inclusive com explicações do proprietário, mas não houve citação ao piloto das corridas anteriores, o que nos surpreendeu.

Algumas poules realmente interessantes já conseguimos acertar no passado, usando o mesmo exemplo acima. Se se trata apenas de coincidência, não podemos afirmar, mas que tem dado certo, isto não temos dúvidas. 

É o velho ditado, se não dá para evitar, por mais absurdo que seja, vamos tentar pelo menos sobreviver. 

Apenas para não ser parcial, reconhecemos que o jóquei em questão não é o único nesta característica. 

Obertal Paes Filho

Gustavo Giardino (10/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezados senhores,

O realinhamento dos Prêmios é urgente!

Muito já foi falado sobre a estagnação do MGA nos hipódromos brasileiros. Concordo com a grande maioria das posições aqui externadas. 

Entendo que todo esforço para fortalecer o MGA dos hipódromos é de grande valia. Mas não serão acréscimos de 10, 20 ou 30 % que vão revigorar o Turfe no Brasil, principalmente se não houver repasse urgente aos prêmios.

O turfe, em minha opinião, carece de incentivos externos (públicos ou privados). Uma verdadeira “transfusão de recursos”.

A questão que considero central do turfe nacional hoje em dia é a relação prêmio x custos de manutenção (tratos e demais despesas)! Os prêmios nos níveis em que estão, vão praticamente liquidar o turfe no Brasil! 

Todos os elos da cadeia do turfe sofrem com os prêmios pífios vigentes no Brasil: Os criadores (os que ainda restam) vendem boa parte de seus potros pelo custo de criação (ou menos) , os proprietários (os que ainda restam) reduzem plantel, pagam menos pelos animais em leilão, os apostadores, por conseguinte, recebem espetáculos que a cada dia mais desinteressante com páreos fracos tecnicamente e vazios (salvo os dias de GPs e as promoções como a do JCRGS em 18/09).

Além dos prêmios baixos, que resultam em um espetáculo aquém de seu potencial, os clubes não respeitam (como deveriam) sua clientela (admiradores, apostadores, proprietários, profissionais, criadores etc.). 

Algum caminho “novo” deve ser tentado (não que isso seja tarefa simples ou fácil, pelo contrário): ou parceiros privados injetam recursos (a ser aplicados diretamente no realinhamento dos prêmios dos diversos hipódromos do País) ou se cria um lobby junto ao MAPA e ao Congresso no sentido de buscar recursos destinados ao fomento da indústria do cavalo de corrida (em particular). Pode ser utópico (talvez seja até impossível, mesmo), mas, antes de morrer, deve-se lutar! Por que não tentar a obtenção de algum mínimo percentual de uma das loterias existentes (como há nos comitês Olímpico e Paralímpico, no fomento do esporte amador no País)? Ou por que não lutar por uma fração mínima de algum tributo (ITR, por exemplo), seguindo, no que couber, o modelo do sistema “s” (fomentadores do comércio, indústria etc.).

Enfim, com o modelo atual e sem realinhamento dos prêmios (em todos os hipódromos, de forma planejada e ordenada por um Órgão central do Turfe Brasileiro) não vejo grandes mudanças de cenário. Não para melhor. Afinal, Já ouvi falar de turfe sem jogo. Mas não me recordo ter visto páreos sem premiação! 

Por fim, desculpem os erros porventura incorridos.

Antônio Moreira (10/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Fico muito contente com a decisão da CC de dar mesmo em caráter provisório a matrícula de treinador a um jovem talentoso que sabe muito bem cuidar de cavalos PSI. Trata-se de Marco Aurélio. Vide a forma que ostenta Mr. Glory, um cavalo de minha propriedade. Isso com certeza lhe trará muitos estímulos para que cresça rapidamente. nesse seu mister.

Arnaldo Oliveira Lima Filho (10/09/2014) - Cotia/SP

Quero dizer a vcs que Geraldo Assis venceu com Straight Flush o GP Sao Paulo 2000

Antonio Moura (10/09/2014) - Niteroi/RJ

’CAVALOS DE CORRIDA - UMA ALEGRIA ETERNA"

Pertence certamente ao Dr. Sérgio Barcellos - e a ninguém mais, o soberbo texto ora honrando a página de rosto do "nosso" Raia Leve.

Permito-me conjecturar como o imensurável talento do autor pode navegar em águas mornas à sombra da atual administração do fundamental e histórico Jóquei Clube Brasileiro.

Em verdade, a cada dia que passa ou retrocede a minha já declarada senilidade ou avança na mesma proporção a minha mais que compreensível perplexidade. Uma coisa é certa e não abro: para Primeiro Ministro, Sérgio Barcellos já! Estamos ou não estamos em época de eleição?

Antonio Moura

Talvez a última parte deste texto não seja tão inapropriada como poderá parecer - eis que o que mais a atividade precisa (e já) é de outro Dr. Cirne Lima.

Antonio Moura

Gilberto Werner (10/09/2014) - Porto Alegre/RS

À TODOS AQUELES QUE SE INTERESSAM POR HISTÓRIA

Todos aqui estão convidados a comparecerem no domingo - dia 14 de setembro às 15 horas - quando à convite do Jornal Zero Hora estarei dando uma palestra sobre a história do bairro Moinhos de Vento na ¨Casa da Zero Hora¨ montada no Parcão - Parque dos Moinhos de Vento. Serão apresentadas no ¨TELÃO¨ fotos antigas do bairro e todas as explanações sobre os principais locais daquele bairro. Uma aula gratuita de história para todos os meus amigos.

Falarei sobre o ¨berço¨ e a história do Jockey Club do Rio Grande do Sul. De como se formou a entidade que inicialmente se chamou ¨Protectora do Turf¨- fundada ali naquele local em 7 de setembro de 1907 e posteriormente em 1945 se transformou em ¨Jockey Club do Rio Grande do Sul¨. De alguns de seus presidentes como o major Leonel Faro que já em 1922 - numa reunião e assembléia geral dos sócios - disse claramente que naquele local não poderia mais se estabelecer as corridas de cavalos, haja vista, o crescimento do bairro Moinhos de Vento. O mesmo que está acontecendo AGORA no bairro do Cristal.

De como no dia 15 de novembro de 1959 o JCRGS encerrava suas portas com o último páreo disputado lá - vencido pela égua ¨Ourosela¨- sob a condução de José Fagundes. Em segundo outra égua ¨Tributada¨ na montaria de Nereu Severino.

Depois, apenas seis dias depois - em 21 de novembro de 1959 - o majestoso Hipódromo do Cristal - ¨a mais moderna obra de arquitetura em toda a América Latina¨ abria suas portas e se iniciavam as corridas de PSI novamente em Porto Alegre - sendo vencedor então do primeiro páreo o cavalo ¨Duelo¨na condução de Mario Joaquim Rossano.

Em ambos os eventos - na despedida e na inauguração - EU estava lá.

Antonio Moura (10/09/2014) - Niteroi/RJ

POR DÁ CÁ AQUELA PALHA

Jamais questionei (por inquestionáveis) o talento e as qualidades técnicas do jóquei Carlos Lavor em cima de um animal PSI.

Como as restrições que lhe faço são inteiramente de outra ordem e como sei que o mesmo está longe de ser uma unanimidade entre proprietários, treinadores e turfistas militantes, está na hora da turma do contra também se pronunciar aqui na Raia Leve, sob pena de me ver condenado a, como Judas, pregar no deserto.

Para começo de conversa, os que lhe fazem apologia deveriam entender que um jóquei de tamanha categoria não teria o seu contrato rescindido pela maior Caudelaria do Brasil, por dá cá aquela aquela palha.

Tenho a forte impressão que vou ter que aguardar sentado.

Antonio Moura

José Augusto Seabra Sales (10/09/2014) - Brasília/DF

Companheiros,

Pergunto aos senhores (as), qual seria a atitude de maior impacto para alavancar uma nova rota de melhorias para o nosso Turfe nesse momento?.

Num prazo curto não deslumbro nenhuma solução vinda da nossa ABCPCC, não a vejo em condições administrativas de deixar seu cômodo perfil cartorial para se dedicar com maior vigor as reais ações emergenciais de revitalização do Turfe. 

É insensato torcer contra: a expedição imediata da nova Carta Patente do JCP; a reabertura do JCSV; os acertos definitivos das contas e a volta por cima do JCSP; o sucesso da grande festa do duelo espetacular de Ricardinho x Baze no JCRS; o retorno aos trilhos de sua verdadeira vocação turfística do meu querido JCB, por simples discordâncias aos atuais dirigentes dessas co-irmãs e utilizarmos as próximas eleições como argumento para “travar” qualquer benefício que possam ocorrer já.

Tive a oportunidade e satisfação em participar da “vaquinha” para ajudar o meu querido BOTAFOGO e parece que está dando certo, acredito que vamos nos manter na 1ª divisão. Proponho aos amigos fazermos o mesmo no Turfe agindo imediatamente como apoio financeiro nos pontos de entraves e abrindo de vez o caminho do empreendedorismo com viabilidade econômica que tanto buscamos, penso que o Governo Federal aguarda uma atitude desta para começar a ver o Turfe com melhores propósitos.

De criar uma agência de captação de patrocínios para as provas principais dos nossos hipódromos e até comprar/arrendar/fazer um Hipódromo. “TÔ DENTRO”.

Marco Antonio Santos (10/09/2014) - Niteroi/RJ

Boa lembrança Sr. Júlio Ponte !

Grato pela atenção e forte abraço !

Claudio da Silva (10/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Acho que estão exagerando com o C. Lavor, pra ganhar, é preciso ter cavalo, aí fica bem mais fácil, só montar cavalo com chance ou favorito, também. E a Clara Baby, do Anderson, está correndo até agora.

Daniel Rosario (10/09/2014) - Fortaleza/CE

Saudações.

Perfeitos os comentários do Julio Ponte.

Lembrando que o favorito daquele ano, salvo engano, era o tríplice coroado Super Power. Mas que atravessou alguns problemas na semana do GP, também pelo pouco que ainda recordo.

Agora o que me recordo bem foi uma reportagem do Globo Esporte, mostrando que o Straight Flush era um animal bastante dócil.

Abraços a todos !!!

Júlio Ponte (10/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Sr Marco Antonio Santos,

O saudoso G.Assis foi o jóquei do Straight Flush na vitória do craque no GP São Paulo 2000. No GP Brasil daquele mesmo ano ele barrou o Straight Flush para montar o tordilho Quari Bravo. A montaria do Straight Flush "caiu no colo" do L.Duarte.

Forte Abraço

Mario Veloso (10/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

NAMIR O LIBANÊS

Prezado Paulo Gama

Parabéns pelo seu texto de hoje, SHOW !

Quanto ao Sr. Namir; só lhe resta vestir-se à caráter de preto e marrom e adotar as medidas necessárias !

Leo Friedberg (10/09/2014) - São Paulo/SP

Muita tristeza com a morte do tão jovem, 58 anos ainda Geraldo Assis. jóquei dos melhores, simpatico e querido vai deixar saudades. A família meus sentimentos

Marco Antonio Santos (10/09/2014) - Niteroi/RJ

Senhor Marco Antonio Pereira,

Grato

Ivaldo Santana (10/09/2014) - Singapore/SG

Ola gostaria de avisar que neste fim de semana ganhei um grupo 3 aqui, abraço.

Ivaldo Santana

João Baptista M. Vargens (10/09/2014) - Rio Bonito/RJ

Gostaria de associar minha voz àquelas que destacaram, nesse espaço, as recentes atuações brilhantes do jóquei carioca C. Lavor. Em minha opinião, Lavor, ao longo de sua vitoriosa carreira, inseriu seu nome entre os melhores ginetes das pistas brasileiras, de todos os tempos. Entre suas inúmeras virtudes, podem-se destacar a rara noção de percurso, a técnica apurada, o rigor da tocada e o vigor físico, condições indispensáveis para que se obtenha um bom desempenho na arte de conduzir um puro sangue de corrida.

Convém destacar, também, o fino trato que Lavor dispensa ao colegas de profissão, aos treinadores, aos cavalariços e aos proprietários, esbanjando seu permanente e contagiante bom humor.

Francisco Avila (09/09/2014) - Porto Alegre/RS

Muito triste a noticia do falecimento do Geraldo Assis, todos nós(Ávilas) tínhamos por ele grande carinho e amizade. Sempre tinha informações do seu estado de saúde através do meu irmão João Carlos, vou guardar as recordações das festas, carreiras e comilanças no grupo 52 de Cidade Jardim. Mais um amigo que se vai, saudades.... Nossos sentimentos aos familiares, de toda família Ávila.

Chico Ávila

Marco Antonio Pereira (09/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Boa noite Sr. Marco Antônio,

O jóquei de Straight Flush,no G.P Brasil de 2000 foi Luiz Duarte e não Geraldo Assis, o treinador era realmente o D. Guignoni.

Espero ter colaborado.

Marco A. Pereira

Marco Antonio Santos (09/09/2014) - Niteroi/RJ

Geraldo Assis foi o vencedor do GP Brasil no ano de 2000, pilotando Straight Flush e se não me engano o treinador era o D. Guinoni.

Que Deus ampare a família !

Deise Freitas (09/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Parabéns pelo texto Colocado sobre o jóquei Carlos Lavor no site, de fato hoje seja o melhor ou um dos melhores em atividade na Gávea e talvez em outros Hipódromos, o nosso participante Sr. João Fernandes já havia feito um pequeno comentário sobre o mesmo semana passada se não me engano, com muita propriedade, porem seu texto foi bem mais completo e muito bacana, vlwwwww, quem ganha com isso somos nós turfistas com suas espetaculares conduções. 

Boa tarde a todos.

Luciano Fortes (09/09/2014) - Cachoeira do Sul/RS

Sr Arthur Stern o sr deu aula aqui, muito obrigado por esclarecer os fatos abraços.

Waldir Alves de Souza (09/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Dentre os estreantes no próximo conjunto de programas da Gávea, chamam a atenção dois animais de criação e propriedade do Stud TNT, “Bonde Do Tigrão” e “Batman”. A surpresa é que ambos são treinados pelo Sampaio! Mudança no staff ou ampliando o team de treinadores?

Arthur Stern (09/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Caro Vecchio,

Minha dívida contigo jamais poderá ser paga simplesmente porque nunca poderei "repor" a falta. No entanto, espero poder continuar contribuindo com o turfe da melhor maneira possível, não só no Rio Grande do Sul, como em São Paulo, no Rio de Janeiro e aonde mais ainda resistir um hipódromo. 

Em relação ao caso específico, a intenção foi apenas de tentar ajudar, tanto a CC do Cristal quanto o proprietário. No final, todos vimos que o proprietário foi tratado com o respeito que merece (e isto independe da decisão) e isto é que é mais importante. 

Ainda em relação ao caso, imagino que o objetivo da chamada tenha sido restringir o clássico aos animais que ainda não conseguiram sucesso neste tipo de páreo. Caso tenha sido esta, é simples corrigir, modificando a chamada a partir do próximo ano para, por exemplo, o texto que citei aonde o texto define “prova da programação clássica”. Ademais, é importante frisar que a decisão do JCRGS de não incluir as provas especiais no calendário clássico anual não possui absolutamente nada de incorreto, muito pelo contrário, estas são incluídas por JCB e JCSP apenas para facilitar o trabalho de todos e há a menção expressa de que estão lá somente por este motivo. Minha opinião pessoal é de que é uma boa medida mas está corretíssimo quem não a toma.

Resumindo, com bom senso e atenção tudo se resolve facilmente!

Grande abraço,

Arthur

José Vecchio Filho (09/09/2014) - Porto Alegre/RS

Prezado Arthur Stern:

Obrigado pelo esclarecimento, tuas informações foram de grande valia !

Nossa dúvida de como enquadrar os animais que correram ’Provas Especiais’ na Gávea e em Cidade Jardim decorriam, exclusivamente, do fato das referidas provas constarem no Calendário Clássico de ambas as agremiações turfísticas.

Como as chamadas clássicas são publicadas e, parece-me, homologadas pela ABCPCC, ocorreu-nos de dar-lhes ’tratamento Clássico’ para fins de enturmação, o que era a lógica decorrente da presença de tais provas naqueles calendários clássicos.

Aqui no JCRGS as Provas Especais não constam da chamada clássica.

Assim, após tua aula - aquela que ficaste me devendo no Curso de Treinadores rsrs - podemos dirimir nossas dúvidas e fundamentar nossa decisão daqui para frente.

Atenciosamente

Jose Roberto Giancristoforo (09/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Paulo Gama

Falou tudo que eu gostaria ter falado se fosse reporter, C Lavor hoje o melhor jóquei e mais competente em cima de um cavalo, vamos que vamos.

Luciano Fortes (08/09/2014) - Cachoeira do Sul/RS

Quero retificar o que falei nessa coluna e agradecer a comissao de corridas do JCRGS que voltou atras e meu cavalo vai correr, obrigado ao presidente dr Fernando, comissario Flavio Gomes e demais membros,desculpa e muito obrigado.

Arthur Stern (08/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Caro Sr. Luciano Fortes,

Eu pessoalmente, entendo como errada a decisão da comissão de corridas do Cristal ao retirar o seu Andare Avanti do Clássico visto que a chamada do mesmo informa “Produtos de 3 anos e mais idade, sem vitória clássica”. 

Digo isto porque Provas Especiais não fazem parte do International Cataloguing Standarts and International Statistics da FIAH e por isto não são provas clássicas (Capítulo VII do CNC). São provas especiais (por isto o nome) apenas incluídas informativamente na programação clássica.

No entanto, é possível entender a intenção da comissão ao fazer esta chamada clássica já que apenas 14 ou 15 provas em toda a programação clássica do Cristal estão listadas no Catálogo Internacional. Diante disto, fica aqui a sugestão à comissão de turfe do Cristal de publicar, a partir de 2015, o texto na forma como é publicado na programação clássica do Rio de Janeiro que para estes casos utiliza a expressão “sem vitória em prova da programação clássica” ao invés de “sem vitória clássica”. 

De qualquer maneira, espero que o bom senso prevaleça e que o assunto seja conversado com o senhor. Desta forma, tenho certeza que, seu cavalo correndo ou não, o senhor se sentirá tratado de maneira adequada. Que a comissão do Cristal faça o correto e trate seu proprietário como um cliente, independente da decisão técnica.

Abraço,

Arthur

Sandro Rodrigues Vivaqua (08/09/2014) - Campos dos Gooytacazes/RJ

Boa tarde,gostaria de parabenizar a coluna nos bastidores da Gavea ja que nos aqui de longe ficamos atualizados das noticias que estao ocorrendo na Gavea e gostaria de pedir + entrevistas com terinadores falando de suas inscrições da semana,ja que vejo qua as informções deles que cuidam dos animais são melhores do que aqueles que montam os mesmos,desde ja agradeço!!!

Luciano Fortes (08/09/2014) - Cachoeira do Sul/RS

Queria saber a opiniao dos turfista, porque fiz um investimento no cavalo Andare Avanti e queria ver ele correr o Classico mas o mesmo foi retirado pela comissao de corridas do JCRGS.O Classico era para animais sem vitoria classica e escrevi o cavalo pq ele nunca venceu um classico e dai retiraram ele pq ele ganhou uma prova especial no Rio e alegaram que aqui ela tinha peso de Classico ...... Um absurdo isso, estou largando o Turfe de nojo que me deu tudo isso, fiquei desmotivado e triste.

Mario T. Schwartz (08/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezado Sr. Fabio fiquei estarrecido com o passamento de meu preclaro amigo Marcos Antonio Silva. 

Homem com “H” maiúsculo  – o Giba Gaucho  e o presidente dos presidentes têm a mesma distinção – e de predicados muito além dos mencionados em sua missiva a este sitio Raia Leve.

Deixará muitos órfãos desde a longínqua Escócia até o mais distante rincão brasileiro. 

Não faltam orações na portuguesa  Nictheroy  do Toninho Moura nem no pampa gaucho do Giba. 

Nas autarquias federais e arredores as marias madalenas celebram suas preces à JC para que zele pela alma do amigo arrependidas  por não mais desfrutar do bom humor dos seus comentários contundentes no dia-a-dia. 

Como  ficará a sua reluzente – mesmo sem passar pelo lava-jato do Sapiranga- Mercedes Benz?  

Visitas ao balneário de Armação dos Buzios e ao pub de Armação do Escocês não mais existirão? 

Netinhos bilíngües, caratecas, coiffeur de todos os naipes, torcedores do diabo rubro e uma legião de fãs se associam em prece para reverenciar a memória do grande amigo Marcos Antonio.

No JCB uma legião de órfãos, capitaneados pelo elefante sem rabo e outros asseclas, continuam soluçando sem parar, contudo continuarão consumindo algumas doses de drurys e baforando seus dona flor. 

Último ato: Uma missa será celebrada pelo sufrágio da alma desse nosso eterno companheiro Marcos na capela do CSI.

Antonio Moura (07/09/2014) - Niteroi/RJ

MEU REINO POR UM SUPORTE DE TELEVISÃO

O que o jornalista Paulo Gama deixou de dizer na sua matéria de hoje publicada aqui no Raia Leve (mas com toda a certeza - pensou), - é que qualquer funcionário do último escalão teria resolvido este problema numa parca meia hora, desde que tivesse recebido instruções para tal.

Vou mais além - não sei porque pagam tão altos salários ao pessoal de gerenciamento, se não aparece ninguém para resolver, a tempo e a hora, o que deveria ser uma providência de rotina do setor de Manutenção. Explica-se porquê, nas questões mais importantes que o momento atual do turfe enfrenta, tudo anda a vistosos passos de cágado; cada dia mais me decepciono com o time de turfistas históricos que ainda e incompreensivelmente se submetem ao jugo filosófico da administração Carlos Palermo (dr.).

Ao Paulo Gama, o último dos moicanos, meus parabéns pelo oportuno e brilhante texto.

Antonio Moura

Mario Veloso (07/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

SUPORTE

Prezado Paulo Gama, Boa Tarde!

Enquanto o JCB for suporte de alguns, não haverá suporte para o JCB.

Via de mão única !!!!!

forte abraço

Roberto R. da Silva (06/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Gostaria de Parabenizar o proprietário Pedro Lima, o treinador Leonardo Reis, o jóquei Marcelo Almeida, o veterinário Rafael Miranda e toda equipe do Stud Allstar Brasil pelas excelentes performances dos seus animais.

Renato S. dos Santos (06/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Como pode um animal que estava no Centro de Treinamento até 26/06/2014 esta inscrito num páreo da Gávea esta semana? Quanto tempo o animal tem que esta no Hipódromo para correr este páreo? A Comissão de Corridas que faz esse controle ?

Lorenzo Scaffa (05/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Em 02.09 o Sr. Fábio de Freitas comunicou o falecimento de Marcos Antonio da Silva.

É o sr. Marcos Antonio que sempre se manifestava por aqui ?

Se for, o site perdeu um membro muito assíduo. 

Meus sentimentos aos familiares.

Mario Veloso (05/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Turfe carioca segue à deriva, sem uma boa gestão nem comprometimentos [03/09/2014] - por Sr. Paulo Gama

FONTE DA MATÉRIA E INFORMAÇÃO - SITE RAIA LEVE

Ajustes necessários [03/09/2014] - por Sr. Milton Lodi

FONTE DA MATÉRIA E INFORMAÇÃO - SITE JCB

Após leitura das matérias; não mais me vejo como um propagador de reclamações infundadas

Sergio Barcellos (05/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Tony no “Um café por uma barbada”

Depois da dica do Mario Veloso aqui no Raia Leve, fui ver o Tony Ribeiro Pinto no “Um café por uma barbada”, da Karol Loureiro, no site do JCB. 

Mario tem razão: Tony deu um show de simpatia, de educação, de cordialidade, de humor, seguro de si e de sua paixão pelo cavalo de corrida e as corridas de cavalo. Falou em turfe no Brasil, falou em Tony Ribeiro Pinto.

Tony cria, é proprietário há mais de 45 anos, importa éguas estrangeiras para melhorar seu plantel e o do país (esta semana, quem diria, estava tentando comprar potrancas alemãs nos leilões de Baden-Baden...), já trouxe várias delas para o Brasil, está sempre nas corridas, viaja para ver corridas no exterior, e joga – é, joga! - nos seus cavalos. Ou seja, Tony é um turfista para todas as estações. 

Que os deuses desse esporte lhe dêem mais e mais vitórias, meu amigo. Que seu Paint Naif seja, pelo menos, parecido com o Plenty Of Kicks. Que o Crimson Tide – uma idéia 100% sua! - viva mais um pouco e, quando se for, que seja substituído na reprodução por um de seus esplêndidos filhos. Você merece isso. 

Forte abraço, do amigo

Sergio

Rafael Cavalcanti (05/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Os textos do amigo Paulo Gama são uma atração à parte, mesmo quando disputava a atenção ao lado de outros craques da crônica, como os saudosos Zig e Marcos Aurélio, jornalistas de formação, só para citar alguns. A crítica, a visão do carreirista, do apostador, o pessimismo do azarista, a ótica do profissional do turfe, a reivindicação do proprietário pequeno, a paixão pelo esporte, a resenha da tribuna: tudo isso é transformado em texto. Que venham muitos outros, PG, obrigado. abçs

Sergio Lessa (04/09/2014) - São Gonçalo/RJ

Nunca eu ví tanta falta de respeito que o JCB através do seu site vem fazendo com os turfistas apostadores e aqueles que acompanham as corridas do Cristal , como podem fazer isso no décimo primeiro páreo não havia o som assistimos a corrida no mudo, e no décimo segundo e último páreo simplesmente colocam a mensagem = TV Turfe não está disponível no momento. Próxima Transmissão: Sexta-Feira 16:00 hs. Isso é muita falta de respeito para com os turfistas e apostadores em geral a solução encontrada por alguns foi migrar para o site do JCSP,depois não chorem se o movimento de apostas está caindo, eu de minha parte só apostarei por São Paulo já esgotei a paciência com o JCB.

Mario Veloso (04/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

1 CAFÉ POR UMA BARBADA

A edição desta semana do programa apresentado pela Karol Loureiro tá fantástica !

A participação do Sir. Toni esta imperdível !

Francisco Rodrigues da Silva (04/09/2014) - Petrópolis/RJ

Parabéns a iniciativa de chamar o Pedro Lima para participar do turfe espetacular.

Desde ja desejo neste domingo um aniversário maravilhoso, que bom ter voce como amigo de todas as horas.

Que o turfe proporcione grandes alegrias 

Seja feliz.

F Rodrigues

Andrea Tizzano

Julia Tizzano.

Te desejamos o melhor.

Jose Roberto Giancristoforo (04/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Meu querido não dependo da codere para me divertir , ali vou mais para estar no convívio dos amigos como você e escutar as suas barbadas que infelizmente não entram como deveriam.

Você parece que está com seu saco cheio, pois não é assim que você comporta, reclamar dos outros estarem trocando farpas, deixa eles pois enchem o site de movimento e é disso que vive o raia leve.

Um abraço e vê se dá uma para eu acertar e não ficar reclamando.

Márcio J. R. Oliveira (04/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Faro e Joemil,

Parabéns pelo programa 177 que acabo de assistir,o interesse demonstrado em sua pesquisa a respeito dos cascos dos cavalos é de primeiro mundo, e nota-se que vcs não mediram esforços para nos trazer o que há de melhor,com profissionais de excelente padrão, sabendo realmente do que estavam falando,(muito esclarecedor).

O programa está acima da média,continuem assim, pois estão no caminho certo para um turfe melhor.

Grande Abraço a toda equipe do programa.

Francisco Rodrigues da Silva (04/09/2014) - Petrópolis/RJ

Estimado Jose Roberto. 

Nao fique aflito em relação a codere voce nao disse que o contrato da codere com o JCB era bem amarrado desatou algum nó. 

Caríssimo jose Roberto, prefiro as nacionais. 

Boa sorte.

E um grande abraço.

Ronaldo Cunha Diniz (04/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Gostaria de saber do Raia Leve quando voltará o Concurso de Prognósticos do site, que ajudava e muito o público turfista. Como já foi dito aqui acho que a participação seria a mesma se não tivesse a premiação, se é que esse é o problema. Deixar o público refém de Fernando Lopes e Cia é uma maldade.

Jose Roberto Giancristoforo (04/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Francisco Rodrigues da Silva (03/09/2014) - Petrópolis/RJ

Deixas os caras divagarem, o que não se aguenta mais é essa administração do JCB, vamos que vamos ver se acertamos algo na codere enquanto existe, pois muito acham que a culpa é da codere e não da administração atual , que vai ter muito que explicar como as anteriores também, que vão ser cobrados disso eu tenho certeza, é só aparecer uma chance que eu vou cobrar muito que vão até sumir do JCB.

Antonio Moura (03/09/2014) - Niteroi/RJ

A ÓTICA DE CADA QUAL

Sr. João Fernandes,

Muito bom! O sr. conseguiu, com um lacônico texto, transferir para todos nós o seu nada imparcial nível de entendimento acerca do jóquei C. Lavor.

O pior cego, ilustre turfista, é aquele que só enxerga o que lhe interessa. Talento e qualidade técnica à parte, é bom saber que o seu jóquei preferido está longe de ser uma unanimidade no Hipódromo da Gávea.

Antonio Moura

Daniel Rosario (03/09/2014) - Fortaleza/CE

Saudações.

Sr. Gilberto Werner, eu possuo um site chamado "Amantes do Turfe". Pode colocar estas mesmas palavras na pesquisa do google que logo o encontrará. Antigamente fazia matérias e marcava para todos os hipódromos. Por incrível que pareça, acertei alguns tirambaços no hipódromo no Cristal. Porém, mesmo tendo essa brincadeira de indicar (não remunerada), acabei enjoando já um pouco e atualmente só marco Rio e São Paulo, e quando dá.

Bem, aonde eu quero chegar é que lá encontra-se meu e-mail. Pode compartilhar através dele aquilo que se sentir a vontade de fazê-lo. Porém mesmo ainda não tendo muita experiência de vida, acredito que somente assassinatos e estupros, ou crimes de peso parecido, não são passíveis de perdão.

Pra você ter ideia de como essa página do leitor é um convite ao sarcasmo e às provocações. Poderia aproveitar a deixa do Sr. Cyro Fuiza, e comparar o bem sucedido Jornal do Turfe, com outros que inadvertidamente tentaram emplacar neste meio. Um deles, inclusive, cujo o hipódromo de sua origem hoje em dia não está nem liberado para corridas.

Portanto, me privo de fazê-lo para não começar por aqui uma nova série de discussões com outras pessoas.

Abraços a todos e parcimônia nos comentários, sempre !!!

Helio Balsa (03/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Bom dia,

Algum dos srs. poderia me informar quando deverá acontecer as eleições no JCB?

Que pelo que vejo, o turfe não aguenta muito tempo com esta "Administração". Aproveito para dizer ao Sr José Vecchio Filho que não tente colocar panos quentes na Adm-JCB, mesmo que estes tenham contribuído de alguma forma para "sustentar" o seu JCRS, pois pelo que li e fui informado à respeito à vitória é toda sua e de sua equipe, já o mesmo não acontece aqui e tenho muita pena do profissionais do turfe(todos) e os propriOtários e de mim pobres turfistas. Talvez o BOMBRIL venha a se tornar o marco da retomada do caminho que o turfe do Rio de Janeiro nunca deveria ter se desviado.

Helio Balsa

Gilberto Werner (03/09/2014) - Porto Alegre/RS

Aos amigos de Fotaleza

Paulo Moreira e Daniel Rosário 

Paulo já possui meu email e meus telefones. Peço ao senhor que entre em contato com Paulo -presidente do Jockey Club de Fortaleza e peça meu email.

Conforme seu pedido ia publicar aqui mais um texto que me julgo no direito em fazê-lo. Mas em atenção à sua educação e na verdade do seu texto não o faço. Prefiro contatar pessoalmente. 

PS. Quanto ao pedido de desculpas de minha parte, esqueça-o. 

GW

Cyro Queiroz Fiuza (03/09/2014) - São Paulo/SP

Ainda na análise do grande evento do próximo dia 18, no Cristal, gostaria de lembrar que três recentes "gols" marcados pela administração do Jockey Club do Rio Grande do Sul contaram com a participação do jornalista Marcos Rizzon em suas elaborações, ou nas ideias dos projetos: Desafio de Campeões (Ricardo x Baze), Campeonato de Joquetas Ladies Day e entrada do JCRGS na OSAF, com a participação direta dele na implantação das duas primeiras, se não estou enganado.

É mais um exemplo da pujança do turfe gaúcho, que volta a ser um protagonista de primeira grandeza do turfe brasileiro, fazendo sombra para Cidade Jardim e Gávea - turfes estagnados e cada vez mais esquecidos em suas cidades.

O JCRGS atua em consonância com a cidade de Porto Alegre, com os poderes públicos. O JCSP fechou-se em seus muros, acreditando que resolveria sozinho, com a incessante venda de patrimônio, seus problemas financeiros. Perdeu público, perdeu apostas, continua com dívidas e está perdendo a luta pela própria sobrevivência - vide exemplo recente da cessão da Chácara do Ferreira à Prefeitura, assunto do qual aliás não se falou mais nada...

Coincidência, ou não, o JCSP também não prestigia o Jornal do Turfe, o veículo impresso que é distribuído de Norte a Sul do País, em todos os grandes hipódromos e também nos regionais. Sua diretoria acha que pode prescindir da cobertura desse jornal, da colaboração que poderia dar em termos de captação de apostas, já que é tão bem assessorada na parte de comunicação e está todas as semanas, com grande destaque!.. nas páginas dos principais veículos da mídia nacional...

José Vecchio Filho (03/09/2014) - Porto Alegre/RS

Prezado Daniel Rosário:

A seu pedido, prometo não mais cansar os leitores deste espaço com o meu embate pessoal contra o Gilberto Werner.

Vou tentar me conter, limitando-me, eventualmente, a responder as críticas sobre nossa gestão, mas não farei mais ataques pessoais.

Obrigado pelo ’puxão de orelhas’.

Abraço

Vecchio

Daniel Rosario (03/09/2014) - Fortaleza/CE

Saudações.

Não tenho nada a ver com a historia destes dois senhores, mas peço encarecidamente aos prezados Gilberto Werner e Jose Vecchio que refiltam, um pouco que seja, se realmente as discussões e trocas de farpas aqui neste espaço, está fazendo algum bem a eles.

Um presidente de Jockey Club, cuja a aprovação é muito maior que a desaprovação, e um senhor que possui tantos anos de dedicação ao turfe. Não precisam ficar se engalfinhando. 

Lembrando que o perdão é um dos gestos mais nobres do ser humano. Não é vergonha alguma estender a mão e passar uma borracha em tudo aquilo que foi dito.

Todos temos nossos erros, nossos acertos. Só não precisamos ficar expondo para todos os outros de maneira gratuita. E muitas divergências não precisam virar guerra.

Ambos ainda tem muito a contribuir com o turfe, e com o nível das discussões aqui neste espaço.

Confesso que já me indispus com muitos "turfistas", que para mim possuiam caráter duvidoso, mas isso não é o caso de vocês dois. E no final de tudo, realmente não vale a pena.

Que gesto mais nobre não seria o Presidente do Jockey Club do RS indo obter um autografo do Sr. Gilberto Werner no lançamento de seu livro, ao mesmo tempo que fosse retribuido com um pedido de desculpas... Utopia isso? Pode ser... Mas se a briga for mais vantajosa nos seus entendimentos, então que assim fique...

Abraços a todos e uma ótima semana !!!

Elton Pereira de Souza (03/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Todo mundo reclama de tudo mas ninguém fala nada das pífias apresentações das defensoras do Haras Santa Maria de Araras Beach Ball e Flirt Girl. Ambas fritaram pules baixas, uma chegando mal em terceiro no GP que ela deveria ganhar fácil e a outra chegando fedorenta em último segunda-feira. E parece que o Farrier virou mesmo, se continuar descendo a ladeira do jeito que está brevemente estará frequentando os claimings aqui da Gávea.

Gilberto Werner (03/09/2014) - Porto Alegre/RS

CONVITE PARA O PRÉ LANÇAMENTO DO MEU LIVRO

Recebi de Zero Hora do Grupo RBS - afilhada da rede GLOBO aqui em Porto Alegre convite para pré lançamento do meu livro ¨Moinhos de Vento Memória e Reconhecimento¨ já com patrocínio garantido de uma grande construtora de Porto Alegre. A tiragem do livro será inicialmente de 1.000 livros prevendo-se uma venda diária de 100 livros na Livraria Saraiva do Moinhos Shopping.

Posteriormente o livro será também ofertado em mais cinco lojas de uma grande rede de Porto Alegre - todas no bairro Moinhos de Vento.

Dizem os entendidos frequentadores da vida gastronômica do mais requintado bairro de Porto Alegre - o Moinhos de Vento - que o livro será sucesso garantido haja vista as 150 fotos antigas e os textos históricos daquele bairro. Foi no Moinhos de Vento no dia 7 de setembro do ano de 1907 que nasceu o Jockey Club do Rio Grande do Sul.

De Flavia Azevedo

Assunto Bate-papo sobre Parcão e Bairro Moinhos de Vento | Estação ZH Seg. 10:22

Olá Gilberto,

Tudo bem?

Conforme contato telefônico, a Estação ZH espaço itinerante de ZH onde são realizadas atividades culturais, gastronômicas e esportivas está chegando no Parque Moinhos de Vento e a reabertura da estrutura será nos dias 5, 6 e 7 de setembro. A Estação funcionará de sexta a domingo das 10h às 18h. 

Convidamos o senhor e o Ricardo Chaves para realizar um bate-papo sobre o Parcão e o bairro Moinhos de Vento, com o tema principal, a evolução do bairro e do parque. A ação será realizada dia 14 de setembro, das 15h às 16h. Gostaríamos de combinar com o senhor às 14h30min na Estação ZH.

Aguardamos retorno.

Abraço,

Flávia Azevedo

Produtora de Eventos

Marketing Zero Hora

Francisco Rodrigues da Silva (03/09/2014) - Petrópolis/RJ

"Por favor srs.do sul ninguém aguenta mais voces dois, nos poupem".

Bianca Gomes (03/09/2014) - São José do Rio Preto/SP

Caro Sr. Marcelo Almeida, pare de falar bobagens, pare de tirar os outros por si, aprenda a estudar corridas, aprenda a perder, não fique por ai levantando calúnia as pessoas, coisas de perdedor nato que és, afinal de contas, quem te conhece sabe que é perdedor nato e fica por ai levantando calúnia. Pega teu rumo!
O turfe não precisa de gente como você!

Jose Roberto Giancristoforo (03/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Paulo Gama

O turfe começa a ressurgir com a volta do Bom Bril, esse vai ser o marco para quem quer administrar sem pensar somente no turfe, a reconstrução do Bom Brill deve ser cobrada se necessário na justiça.

Só assim com volta DO Bom Bril e como diz a propaganda é sinônimo de limpeza e vem muito a mais limpeza por ai e no futuro com as novas administrações que deverão cobrar todos os demandos feitos pelas anteriores e como digo se necessário na justiça para que nunca mais se façam desmandos dentro do JCB.Meu amigo Paulo continua na sua luta, escreve e escreve mesmo, estamos juntos e no futuro o futuro dirá.

Jose Roberto Giancristoforo (03/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Mario Veloso (02/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Você colocou muito bem o que tem que ser exigido.

O administrador trapalhão que mexeu onde não deveria, assumir as contas e conserto da cáca. 

È isso que deve ser feito e só assim os próximos vão aprender que aqui é turfe e turfe.

Jose Roberto Giancristoforo (03/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Vitória, Vitória o turfe ganhou a primeira de muita outras que virão.

Volta do Bombril e o fim de quem quer o social está muito próximo.

JCB lugar de cavalo e turfe o resto que vá embora o mais rápido possível.

Quem não pensar em turfe que abandone o barco.

Como ficará o estacionamento do Victória ,a pista de skate e a futura piscina ? resposta não ficará , pois nunca deveria nem ter sido pensado.

Agora os outros que estão utilizando o espaço do JCB sem dar atenção ao turfe e priorizar o turfe que comecem a fazer as malas , ou comecem a colocar TV do turfe e divulgar o turfe vendendo pulese agregando novos adeptos ou melhor que fechem e devolvam o espaço ao turfe.

Thiago Godoy (03/09/2014) - Recife/PE

Alguém sabe a data do GP Brasil e do GP São Paulo em 2015 ???

Marco Antonio Santos (02/09/2014) - Niteroi/RJ

O espaço público não é extensão das nossas casas, mais uma das mazelas do turfe nacional !

Christian Sharp (02/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Com esta noticia publicada na coluna do Ancelmo Gois , como ficará o estacionamento do Victória ,a pista de skate e a futura piscina ?

E o prédio do centro como se encontra a licitação para as obras ?

Coitado do plano de obras anunciado por sete cornetas .

E os sócios pagando a conta , coitados .

Quanto aos prêmios , silencio . Coitados dos proprietários,criadores e profissionais.

Abraços

José Vecchio Filho (02/09/2014) - Porto Alegre/RS

Atenção FAVORITO !

Pena que o mediador ’cortou’ a melhor parte de minha resposta anterior, tu irias adorar, pois ela te enquadraria no devido lugar dentro do cenário do Turfe.

Não adianta invocar pra mim teus 50 anos de Turfe, eu tenho ’só’ 14 de vida política no Clube e já sou Presidente pela segunda vez. 

Não me importo de falar da minha vida profissional para que todos me conheçam, homens públicos, aqueles que se dispõem a gerir o que não lhes pertence, não podem se esconder na trincheira do secretismo pessoal, quem não deve não teme !

É bom que todos saibam quem sou e o tipo de cidadão que dirige o Jockey Club do RS; aliás, o simples fato de ter sido aclamado para duas gestões fala por si só.

Quem sabe não adquires um título e concorre para testar teu ’prestígio’ ? 

GIBA WERNER, sei que estás magoado com teu exílio turfístico (vais perder o desafio do século Ricardinho x Baze no Cristal); indignado porque demiti um funcionário que até lavar teu carro aos sábados no Jockey - no horário de expediente - lavava; enfim, tens toda razão de estar ’babando’ contra as medidas que adotei, todavia, não estou no Turfe para fazer amigos, mas para ajudar a reergue-lo e quem estiver no caminho será afastado.

Não leve para o lado pessoal, o exílio político é necessário para teu próprio bem, afinal, se o Hipódromo do Cristal está tão mal quanto propagas, seria um sofrimento pra ti frequentá-lo e remoer os tempos de glória.

Fique com as lembranças do passado, deixe que trabalhe o hoje e construa o amanhã !

Cyro Queiroz Fiuza (02/09/2014) - São Paulo/SP

Muito interessante a matéria publicada ontem no La Nacion, de autoria do jornalista Julio Guimaraes, intitulada "Una usina de ideas para el turf", que trata do confronto entre Jorge Ricardo e Russel Baze, previsto para o dia 18 de setembro, no Hipódromo do Cristal (segue o link abaixo) 

http://www.lanacion.com.ar/1723395-una-usina-de-ideas-para-el-turf

À certa altura, o autor escreve que o "Cristal es un hipódromo chico con ideas de grandes".

E eu aqui, pensando em todo o poderio econômico de centros vitais como São Paulo e Rio de Janeiro, chego à conclusão de que:

"Cidade Jardim y Gávea son dos hipódromos grandes con ideas de chicos"

Mario Veloso (02/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

BOMBRIL

Para a recuperação da BOMBRIL e cumprir a determinação da Justiça taxa extra nas contas dos sócios não turfistas que se beneficiariam com o estacionamento, tirar da receita do JCB é que esta errado, OU:

O administrador trapalhão que mexeu onde não deveria, assumir as contas e conserto da cáca.

Gilberto Werner (02/09/2014) - Porto Alegre/RS

MEU PAI TINHA RAZÃO

Meu velho pai - turfista nos Moinhos de Vento na década de trinta/quarenta - frequentava o ¨pradinho¨ dos Moinhos de Vento junto com meu tio Márcio engenheiro e diretor da ¨Caixa Dágua dos Moinhos de Vento¨. Iam os dois de gravata e chapéu, como todos daquela época, aos sábados e os domingos às careirras no hipódromo. E tiveram as mesmas emoções iguais às minhas.

Sinal dos tempos dizia meu avô - ¨caldo de galinha e chá bem quente não fazem mal à ninguém¨ repetia meu velho pai. Se davam muito bem os três embora meu avô não fosse um turfista assíduo era amigo de Cneu Aranha presidente do JCRGS em 1945. O dr. Cneu era irmão de Osvaldo Aranha - ministro de Getúlio Vargas - e era amigo do meu avô e vizinhos no mesmo bairro. Lembro do meu avô visitando o dr. Cneu em seu ¨palacete¨ cinza da rua Santo Inácio nos Moinhos.

Mas o legado que deixou-me meu pai foram muitos os conselhos. Tinha um que jamais esqueci. Aquele que falava assim: ¨MEU FILHO - QUEM NÃO DEVE NUNCA PRECISA DAR EXPLICAÇÕES¨.

Ah! meu pai que saudades eu tenho de ti! Do ¨pradinho¨da rua 24 de outubro e daquela gente de lá! Eram outros os tempos - eram outras as pessoas. Tinham aquilo que foi esquecido agora: tinham caráter.

Ronald de Carvalho (02/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Ao se iniciar praticamente o ano hípico, o treinador Mário André já desponta como um dos mais ganhadores em SP. Se não bastasse sua inegável competência na arte do treinamento de cavalos de corrida, Mário André se destaca por um caráter meritório há muito esquecido no Brasil: educação e inteligência. Já é hora dos grandes criadores e proprietários do país o olharem como um dos grandes baluartes da difícil e árdua profissão de treinador. Com menos 20 quilos, então. seria covardia... Vamos lá, Mário, é a tua hora!

José Vecchio Filho (02/09/2014) - Porto Alegre/RS

Acusou o golpe GIBA WERNER !

A bem da verdade, esclareço que fui convidado pelo ex-Presidente da Comissão de Corridas da época - falecido Cel. Valdo Marques - para ser comissário, todavia, como não era sócio, não pude, assim, ser nomeado e empossado (art. 53, II, do Estatuto do Clube). Frequentava a CC, as vezes, para ver meus amigos que lá atuavam, mas não fui diretor de nada na ’tua desastrada gestão’. 

Naquela época o Presidente da Comissãode Corridas do JCRGS era eleito e o Cel. Valdo rompeu com o Presidente do WERNER, tendo o Cel. Valdo Marques apoiado e trabalhado pela candidatura do Ministro Cirne.

Me associei na gestão do Min. Cirne Lima, juntamente com o Flávio Obino Filho, e meu pedido de sócio foi abonado pelo próprio Cirne e pelo me sócio no escritório Carlos Araújo.

Meu ’estadão’ e sucesso são fruto de uma advocacia séria e aplicada, reconhecida em nosso meio, ao longo de mais de 17 anos. São aproximadamente 10 mil processos e 30 mil clientes !

Fabio de Freitas (02/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

A pedido da família, participo aos leitores do RL o passamento, no exterior do funcionário público federal aposentado, turfista e musicólogo Marcos Antonio da Silva.

Homem incorruptível, de caráter vertical, Marcos Antonio deixa legado de coerência para seus familiares e poucos e bons amigos.

Avesso a certos temas, como o amor entre iguais e o puxa-saquismo em geral, Marcos Antonio por vezes se tornava implacável, mas jamais perdia o bom humor, salvo diante de agressões ao seu amado América F.C., à sua família e ao se deparar com bandalheiras em geral. Nessas ocasiões, por diversas vezes fez valer seus pontos de vista com os próprios punhos, faixa preta de caratê que era.

Em breve retornarei a este espaço com notícias sobre data e local de celebração de missa em intenção da alma querida de Marcos Antonio

Mario Veloso (02/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezado Sr. Josue Lacerda

Compreender os animais é na sua grande maioria de vezes bem complicado, de hora para outra eles viram ou mesmo em razão de algum problema físico simplesmente deixam de ser o mesmo animal que eram ou de vezes para outra abrem carreiras e começam a nos surpreender com performances de encher as vistas.

exemplos:

- Tartan Hall (não é hoje nem de longe o que era faz pouco tempo) 

- Plenty Of Kicks (teve contra-tempos e teve que dar por encerrada a campanha)

- Dono da Raia e Xin Xu lin, o que dizer?

- Bal a Balli (pode ser que nunca mais venha a ser o mesmo, torço para que se recupere)

Veja hoje as campanhas da Emerald Fire e do Comandante Dodge agora que foram para as mãos do D.Guignoni, muito embora o treinador anterior seja também muito bom.

são muitas as variáveis, tudo pode mudar de momento para outro.

Uma coisa posso te afirmar com plena convicção; o treinador do Farrier certamente esta queimando fosfato para descobrir algum problema se é que possa estar havendo algum.

espero ter colaborado

grande abraço

Gilberto Werner (02/09/2014) - Porto Alegre/RS

DIREITO DE RESPOSTA

Sempre ouvi dizer ¨que o papel aceita tudo¨! Quando um elemento da característica desse Vecchio vem aqui neste site ofender e lançar o seu ¨visgo¨ venenoso - sua palavras infundadas e daninhas como a sua mente - me surpreende que são ainda publicadas e lidas e ainda aceitas por aqueles que desconhecem a realidade.

Ese Vechio FÊZ parte da Diretoria que ele mesmo afirma ¨a turma que negociava e se apropriava do dinheiro¨ - estava falando dele mesmo - porque PERTENCEU aquela diretoria até 1998 quando ¨bandeou-se¨ ( e talvez por vislumbrar algum lucro) para a diretoria que assumiria o JCRGS a partir de junho de 1998.

Nossa diretoria - 1995/1998 - implantou o ¨Barra Shopping Sul no Jockey Club do RGS - a minha área de ¨marketing¨ foi a responsável juntamente com o presidente Jair do Santos Rodrigues que o Vecchio ¨cansou¨ de chamar de ¨doutor¨ naquela época.

O que surpreende agora que este mesmo cidadão - bem mais gordo fisicamente e na sua conta bancária em pouco tempo - venha aqui lançar ¨duvidas¨ quanto à obras em meu apartamento. Possuo vários imoveis, inclusive em Shopping em Recife deixado por herança de minha mãe. Não seria ¨obras do JCRGS¨ que iriam beneficiar meu patrimônio particular. O que realmente desejo saber ¨senhor¨ Vecchio é QUANDO o JCRGS vai começar a receber estes valores declinados aqui e PARA ONDE vão as cocheiras da Vila Hípica quando a Multiplan RECLAMAR o seu direito??!!

Josue Lacerda (02/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

O que foi que fizeram ao Farrier ? Por favor, que alguém aqui me dê uma explicação cabível..

É com imensa tristeza que vejo um animal que se denotaria extraordinário terminar, sem uma explicação cabível, nessas condições.

A não ser que nós turfistas não tenhamos acessos a "determinados" conhecimentos que ocorrem dentro do hipódromo da gávea que a nos os humildes jamais chegarão...

Eduardo Pinto (01/09/2014) - Fortaleza/CE

Boa noite, Sr. Emilio!

Sobre a raia de areia, realmente houve uma melhora, mas achei que ainda não tinha sido concluída a reforma, porém acho que a mesma não tem a qualidade de C.Jardim. Enfim, se reformaram, parabéns. Quanto a transmissão, os que fazem a mesa são muito baé bons. Falava da transmissão do páreo, que acho bastante precária.

Mas reitero os parabéns a excelente administração do Sr. Vecchio.

João Fernandes (01/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Reparem os Senhores, ITABUNA (9 páreo),correu 20 vzs hj virou craque, isso é o que se chama de preparar um craque....

Parabéns, vlwwwwwwww

Boa noite.

OBS: enganou a todos..

João Fernandes (01/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Boa noite a todos, especialmente para o Sr MOURA

1- Carlos Lavor melhor j. sem comparação

2-Narrador das provas preste mais atenção , vem empurrado por que , ganhou o páreo fácil

3--Não estou criticando a sua narração , acho vc um excelente narrador, mas cuidado com suas colocações.

4 Desculpe alguma coisa a mais a verdade sempre aparece.

Boa noite. (7 páreo).

Emílio Borba (01/09/2014) - Bagé/RS

Sr. Eduardo Pinto.

A respeito das considerações que o Sr. fez a respeito do JCRGS, provavelmente o Sr. não deve estar assistindo as corridas hoje em dia. A raia nova esta um show, nuvem de poeira não há mais, a transmissão de TV no meu ponto de vista é muito boa no comando do AÍrton, junto com Hermes e Jonathan. 

Em suma, parabéns a todos do JCRGS pelo grande trabalho.

Eduardo Pinto (01/09/2014) - Fortaleza/CE

Dr. Vecchio, boa tarde!

Primeiro parabéns pela ótima administração que vem realizando no JCRGS. 

O que dar para percebermos é que o Sr. é de longe o Presidente mais compromissado em melhorar o turfe no seu hipódromo.

Permita-me fazer algumas perguntas sobre as corridas do Cristal:

1. quanto ao estado da raia de areia, alguma previsão de melhora? tem páreos que não consigo enxergar, devido a nuvem de areia que se forma.

2. photochart?

3. transmissão?

Desde já agradeço a atenção!

Marco Menegotto (01/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezado Marcelo Almeida,

A sua observação em relação a vitória ontem de nosso cavalo Agua de los Campos, no que se refere a análise da estreia e da segunda corrida, é muito boa.

O cavalo tinha trabalhos bons sem ser nada demais para estrear, tomou a frente guerreando, na entrada da reta foi dominado ficando meio espremido e seu jóquei, vendo que não mais ganharia e para não judiar do animal estreante, optou por abandonar o páreo. Entretanto, disse que o cavalo tinha potencial e na volta, aguerrido, poderia até ganhar.

O cavalo melhorou um dia nos matinais depois da estréia, por isso optamos por deixá-lo correr sem fazer forfait mesmo com a mudança de raia, mas o mesmo se mostrou prego na areia.

De volta a relva, mostrou a sua contínua evolução e ganhou firme.

Na sua análise quanto a tiro, não somos jogadores e muito menos o treinador o é, o nosso prazer é cruzar na frente, independente da pule.

Sei que uns gostam e outros não de determinados jóqueis, e cada um tem seus motivos. Sem entrar no mérito, aproveito para dar parabéns ao seu xará pela direção segura e enérgica dada no potro, e também ao treinador J.C. Sampaio e equipe pela excelente apresentação do cavalo.

Abs.

Ivor Lancellotti (01/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Olá Raia Leve , foi uma pena acabar o concurso de prognóstico nesse site. Dali tirávamos grandes e certeiros estudos dos verdadeiros estudiosos das corridas.

Gostaria muito que voltasse esse concurso , até mesmo sem premiação, mas para incentivar um pouquinho eu pagaria do meu bolso trinta reais em uma acumulada qualquer , pelo teleturfe para poder ter a confirmação, ao vencedor da semana para apostar na semana seguinte. Eu pagando estarei me beneficiando com boas dicas.

Estudem essa proposta.

Abraços em todos do Raia Leve

Paulo Marcio Saudino (01/09/2014) - Cachoeiro de Itapemirim/ES

Graças a Deus não sou o único a ver essas barbaridades que vem sendo cometidas. Um abraço para os que ainda enxergam.

José Augusto Seabra Sales (01/09/2014) - Brasília/DF

Caríssimo Fábio Câmara,

Só eu sei como é a lutar para inversão de pauta do Turfe Brasileiro, incluo que a revitalização pretendida por todos nós não pode deixar de lado a participação dos “PEQUENOS PRADOS”, bem como, lutar para que possamos regularizar juridicamente criadores e proprietários.

Hoje a estrutura que o MAPA oferece para o Turfe é ínfima, excelentes funcionários, muito zelosos ao assunto, porem sem as condições materiais para prestarem os serviços com a eficiência e presteza que o momento delicado que estamos passando requer.

A Formação do Grupo de Trabalho do Turfe junto a Câmara Setorial de Equideocultura, na verdade foi uma necessidade naquele momento, e deveria ser utilizada somente como proposta de estrutura para revitalizar a atividade e posteriormente seguir em frente como uma Divisão específica para administrar esse importante agronegócio, pois o colegiado da Câmara deveria ser composto somente pelas entidades que representem as diversas raças e outras associações dos seguimentos, tais como: veterinários; medicamentos; controle sanitário; abatedouros, etc... Esse é o motivo que reafirmo a presença da ABCPCC ser única, o que está faltando à mesma é uma melhor disposição administrativa para representar corretamente o seguimento do PSI junto a Câmara. Fico sempre aguardando uma postura mais eficiente como sempre questiono ao Presidente nas reuniões do colegiado. 

Sobre a LBT, posso te afirmar que acompanho desde as primeiras postagens e telefonemas ao batalhador Alessandro e não fui aos encontros por recomendações médicas, pois como apaixonado e conhecedor ao fundo de nossas mazelas, me altero facilmente ao ver que as “coisas” não estão sendo levadas a sério por quem deveria fazer.

Torcendo sempre pelo aconchegante Hipódromo da MADALENA.

Meu forte abraço.

Cyro Queiroz Fiuza (01/09/2014) - São Paulo/SP

Esclarecedor e promissor o relato do proprietário e dirigente Fábio Câmara sobre os designíos da novel Liga Brasileira de Turfe. Como consultor de comunicação, pude acompanhar, no ano passado, o trabalho realizado pelo presidente da APFT, Alessandro Arcangeli, à frente desse projeto que tem tudo para ser a redenção do turfe brasileiro. Um projeto tão promissor e atual que, ao final da desastrada campanha da Seleção Nacional na Copa do Mundo, iniciou-se uma ampla discussão sobre os caminhos que o futebol deveria tomar, e uma Liga foi a primeira sugestão que surgiu a partir da movimentação de alguns dirigentes de clubes. Ora, se uma Liga serviria para corrigir defeito e desmandos do futebol, porque não teria a mesma funcionalidade para o turfe?

Sem me estender no assunto, fica aqui a minha torcida para que esse trabalho levado a efeito pelo Alessandro Arcangeli e demais dirigentes da LBT saia rapidamente do papel dos estatutos e entre em ação para, efetivamente, começar a corrigir as enormes falhas que ameaçam acabar com o turfe brasileiro.

José Vecchio Filho (01/09/2014) - Porto Alegre/RS

Só para esclarecer:

Na gestão do Pres. Gudole, da qual fui Diretor Jurídico, fizemos o melhor negócio da história do JCRGS, não vendemos, permutamos uma parte da área do hipódromo por área construída. 

Nesta permuta entregaremos a área onde hoje estão as cocheiras (vale aproximadamente R$ 38 milhões) e receberemos uma torre comercial, neste mesmo local e em meio a um condomínio de luxo, com 13 mil metros quadrados, escriturada em nome do Jockey Club, no valor de 70 milhões de reais, com aluguel garantido pelo empreendedor de 700 mil por mês nos primeiros 24 meses após a entrega.

Além disto, o empreendedor arcará com os custos da nova Vila Hípica na ordem de 16 milhões de reais. Serão 1.000 cocheiras, hospital novo etc. 

Esta torre comercial estará escriturada em nome do JCRGS e nos assegurará a mantença da atividade para o resto da existência de nosso Clube, permitindo-nos zerar as dívidas e investir em prêmios e serviços.

Reafirmo, o nosso "Grupo Político: Flávio Gomes, Cirne Lima, Flávio Obino, Obino Filho, Gudole e Vecchio" faz negócio e o dinheiro entra no caixa do Clube, revertendo em benfeitorias, como estão vendo. A turma do GIBA WERNER (diretor de Marketing) negociava e se apropriava do dinheiro.

Alguém sabe de alguma obra com o dinheiro do Shopping (Multiplan) feita na Diretoria do Gilberto Werner ? Só se foi no apartamento dele !

Marcelo Almeida (01/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Essa coisa que se apelida de jóquei m.almeida nos 2 últimos páreos largou e acabou no primeiro páreo com o maior favorito do dia simplesmente não teve o mesmo T que coincidência.

Bonito tirambaço para o pessoal do Loucura Total estreou com um rateio não muito alto, ponteou voltou na areia nada fez e hj na grama largou e acabou, PARABÉNS BELO TIRO, podiam ter dado uma luz aqui no raia leve já que esteve escrevendo por aqui.

Marcelo Almeida (01/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

SE EXISTE PÁREO MOLE ACABAMOS DE ASSISTIR UM COM A COMPLACÊNCIA DESSA c.c. QUE CONSEGUE SER MAIS DESONESTA QUE OS POLÍTICOS BRASILEIROS.

Primeiro páreo de domingo a égua BIOGRAPHICAL grande favorita de devoluçao, teve seu jóquei trocado sai B. Pinheiro um aprendiz vencedor que simplesmente vai montar o maior azar do páreo, para colocar o m. almeida uma atitude extremamente suspeita levando em consideração que o aprendiz havia montado nas últimas duas vezes vencendo e chegando segundo na turma de cima.

Mas após o páreo ficou claro, o super vencedor m.almeida que infelizmente é meu xará simplesmente deu o MAIOR GALOPE largou mal na reta quando a égua se apresentou para passar ele simplesmente a desarmou para não passar de forma alguma a ISAISAM que havia chegado a somente 8 1/2 corpos e meio dela.

Ele conseguiu nem correr ela na frente.

O MÍNIMO QUE ESSE SUJEITO DEVERIA MERECER ERA A SUSPENSÃO POR NO MÍNIMO 120 DIAS.

Não só ele como o treinador pois com certeza essa troca tem o dedo do tb imaculado treinador.

Depois ninguém imagina os motivos do abandono desse antro de "pessoas do bem".

Francisco Rodrigues da Silva (01/09/2014) - Petrópolis/RJ

Sr. paulo marcio saudino.

Com 100% de certeza o joquei M almeida e correto na sua profissao.

Agora vamos aos fatos,Verboten na minha opiniao e so correr 1400/1500,que e barbada,passou disto reta grande eu nao jogo.dai eu no dia estava ate emprestando dinheiro para jogar no vencedor que foi ,UMAXIMO."estavam ao meu lado V LAHAS,THIAGO GUEDES’ que declinaram.

A egua favorita de domingo,quando ganhou nesta enturmacao estava de 52kg,vinha de um bom segundo na areia,perdendo para infusao de cafe note de 56kg,e a que ganhou,isa isam parecia craque.

E so correr com descarga,dos aprendizes,vamos aguardar.

O problema e que fazemos animais favoritos sem uma analise mais profundas confiando muitas vezes nos marcadores.

O problema e o efeito manada.

Grande abraco

Leo Friedberg (01/09/2014) - São Paulo/SP

Fiquei chateado ao ler que a LIGA não ia nem ter seu start, mas fiquei muito feliz ao ler por Fabio Camara que este importante segmento para o futuro do Turfe Brasileiro, segue com a chama acesa

Ivor Lancellotti (01/09/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Minha gente boa do Raia leve , não é querer pegar no pé! mas a fase do palpiteiro de plantão é triste, não é possivél saber tão pouco assim das carreiras! onde vai parar isso ,nem placê acertam mais! a única coisa boa é que almenta os rateios das barbadas.

Abraços

Paulo Marcio Saudino (01/09/2014) - Cachoeiro de Itapemirim/ES

Sr Francisco Rodrigues

Olhe novamente a direção dadá o jóquei M.Almeida ao franco favorito do primeiro páreo de domingo,só não tirou da dupla porque não dava. Foi o mesmo jóquei do Verboten. Será que há alguma coisa de errado?

Luiz Antonio da Silva (01/09/2014) - Nova Iguaçu/RJ

Corrido o primeiro páreo na Gávea: o animal favorito foi visivelmente contrariado pelo seu jóquei. Ele batia com a canhota e puxava a rédea com a direita.. .
















12.272

12.366

























  Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro-Sangue Inglês