Cadastre-se e receba novidades:

Nome


E-mail

Alpine Point - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Ponto Pacífico - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Naonda - Stud Eternamente Rio

Leme Norte - Stud São Francisco da Serra

Bala Jujuba - Haras Santa Rita da Serra

Hide Park - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Carminha - Haras Santa Rita da Serra

Belvoir - Stud Daltex

Fernando - Stud Daltex

Sempre Bem - Stud Daltex

Fernando - Stud Daltex

Conforto - Stud Daltex

Senhor Tricolor - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Ilha de Pascoa - Stud Iposeiras & Rotterdam

Gigante de Ouro - Sinval Domingues de Araujo

Itauba Sarge - Sinval Domingues de Araujo

Briskly - Sinval Domingues de Araujo

Selo Achaque - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Athomic - Haras Santa Rita da Serra

Hide Park - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Magique - Sinval Domingues de Araujo

Infinit Hill - Sinval Domingues de Araujo

Vizir de Bagé - Sinval Domingues de Araujo

Jurong - Stud Catilena

Carlos Galopito - Stud CHA

Jurong - Stud Catilena

Magnetita - Haras Planície

La Martina - Haras Planície

Jurong - Stud Catilena

Nhati - Sinval Domingues de Araujo






Neste espaço são publicadas as manifestações dos nossos leitores.

O RAIA LEVE acolhe opiniões sobre todos os temas ligados ao turfe.
Reserva-se, no entanto, o direito de rejeitar ofensas, acusações insultuosas e/ou desacompanhadas de documentação. Eventualmente, os e-mails poderão ser checados. O site não tem o compromisso de publicar todas as mensagens recebidas. A publicação, quando ocorrer, se dará na íntegra ou parcialmente, privilegiando-se os trechos mais relevantes.





Dezembro | 2014

Márcio J.R. Oliveira (19/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Meu amigo Vitor,o que vc fala a respeito do clâmina 3/1 e 4/1 não procede,vou tentar me fazer entender,o animal que vence a turma do 3/0 e infinitamente superior ao que vence o claiming 3/0.estes mesmos animais vão se enfrentar no claiiming3/1.claro que em carreira normal o que venceu o páreo de turma vai ganhar,fazendo duas vitórias e permanecendo no mesmo páreo ,e a chance de ele ganhar de novo e de novo e infinitamente superior do que as dos animais que vencem o claiming 3/0. O pobre do proprietário vai enfrentar um páreo forte do mesmo jeito,quase um peso especial,pois o animal de 2ou 3 vitórias darao apenas handicap,de alguns kg. Continuo a afirmar que o claiming 3/1 e 4/1. Trancam a evolução das demais chamadas,chega a ser covardia.parem para pensar e façam uma análise friamente a respeito.O que eu ouço sempre é que o claiming 3/1.sai muito forte e o mesmo do 4//1.pois os mesmos são frequentados por animais com várias vitorias e apenas compulsada 1.

Att. Márcinho

Vitor Lahass (19/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Estimado Marcio, 

Não lancei opiniões ao vento. É baseado em números e fatos que pude elaborar tal pensamento sobre a não inclusão do 3/2 nas tabelas no primeiro semestre. Digo isso pela experiência que pude ter nos últimos 3 anos ajudando a confecção do programa, como representante da associação, as segundas-feiras. 

Havia sim a chamada 3 anos 2 vitórias, como você citou perfeitamente, igual a de SP. Diferença é que esse páreo jamais chegou a ser obrigatório e sim, sempre, de acordo com o critério da comissão de corridas quando não atingido o numero ideal de inscrições ou junções. 

Assim, esse páreo tornava-se uma tremenda dor de cabeça. Duas inscrições por semana, três no máximo por gênero. Lembro-me bem que havia duas éguas do Haras Anderson que vinham sempre inscritas e jamais corriam a turma (Verginale e Ukraine Love) por falta de competidoras. Dentre outros que agora me falham a memória. 

Acabar com o claiming 3/1 seria uma tremenda covardia no sentido amplo da coisa. Imagina você, caro amigo, que frequenta leilões de potros algumas vezes por ano que tivesse comprado aquele potrinho na esperança que se tenha ali meses depois um líder de geração OU um tão sonhado 3/2. Seu animal, repleto de expectativas, estréia e faz um quinto lugar a 14 corpos do vencedor... Na segunda corrida, um mês depois, páreo de 13 competidores ele entra oitavo a 10 corpos do vencedor... e você como bom proprietário que sempre foi começa uma série de indagações: "- Subo para o CT para ver se ele melhora? Espero e aumento a distância? tenho mais paciência pois afinal ele não é filho de um garanhão precoce?" Nisso, caro Marcio, passaram-se seis meses... Seu potrinho virou um 3 anos perdedor... e você por oras decidiu que o melhor a fazer era quita-lo (se já não está) e correr o claiming de perdedor. Como a disparidade é enorme entre a turma e o claiming seu potrinho que chegava a 10 corpo s, venceu o claiming por 2! MARAVILHA! E agora?! ele virou um 3/1! será que na turma de 3/1 ele tem chance? Há casos e casos não é?! se ele não evoluiu e simplesmente ganhou pela fraqueza do páreo é provável que ele repita as atuações das primeiras atuações. Para não perder tempo vem no salvador claiming 3/1 que no final ajuda até aqueles que ganharam a turma de perdedores e já não conseguem mais brilhar com tanta intensidade. 

Isso se repete no 4/1. Essa semana não sei se você pôde reparar mas não saiu os 1300 nem os 1600 na turma O 4/2 tem saído, na variante, somente misturado ao 4/1 ou com o 4/3. Hoje temos o bom exemplo disso e com um animal forçando até duas turmas! QUICK MAMBO E FARRIER não são cavalos de turma. Concorda? Mas infelizmente se assim não for feito os animais não correm. A realidade já relatada pelo Dr. José C. Fragoso Jr. no dia 16/09/14 aqui no RL com o título "Os Números da Criação Brasileira (1970–2013)” por José C. F. Pires Jr." e posteriormente pelo Paulo Gama essa semana são os reflexos reais do nosso TURFE. 

O claiming é um BEM e um MAL necessários para que se consiga estabelecer um equilíbrio entre o custo de manter um PSI faturando e até a oportunidade de você renovar seu plantel. 

Há bons cavalos que giraram no claming e passaram para a turma com destaque. PACO-LARUS, DESEJADO POINT, HARE-FOOTED, DESEJADA QUEEN, VIP THUNDER são alguns recentes que tiveram sucesso. 

TCHAIKOVSKY recentemente ganhou claiming perdedor facilmente apos estréia mediana na turma (12 corpos e 4 corpos) veio no claiming ganhou, subiu para o claiming de uma vitoria e também venceu. Olhe agora a disparidade que ele pegará no 7 e 8 páreos de segunda-feira. Sendo que o próprio correrá o 8 páreo. Não tiro suas chances de forma alguma, só que nem de longe pode ser considerado a barbada que vinha sendo no claiming. 

Amigo Marcio, entendo o quanto isso possa lhe aborrecer. Sinto na pele toda vez que inscrevo um animal e tenho que falar para o proprietário que o páreo de seu animal não saiu e o quanto frustrado ele fica. Diferente do prazer e da necessidade que é para ele ver seu cavalo defender suas cores é a nossa (profissionais) de ter a máxima urgência que eles corram e mais, GANHEM! 

Não sei não... vou ver minhas anotações para ver se já está na hora daquela STELLA subir de turma! Grande abraço! 

Vitor Lahass

Marco Antonio Santos (19/12/2014) - Niteroi/RJ

Chumbo grosso na Argentina !

Pablo Falero e Rodrigo Blanco, foram suspensos por 45 reuniões nos hipódromos argentinos. Tudo por conta da ¨gentileza¨ que ambos proporcionaram , por ocasião da prova principal da América do Sul. P G Falero passou o chicote para o seu companheiro e alegou, que o seu conduzido, não tinha mais chances. Já o R Blanco , que havia perdido o chicote na largada , aceitou mas, ¨gentilmente¨ devolveu antes do final do páreo, visto que também nada conseguiu.

Quanto companherismo !

A comissão de carreiras julgou que ambos , não tiveram responsabilidade profissional .

Márcio J.R. Oliveira (19/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Meu amigo Vitor,

Esqueci de escrever acabem com o claiming 3anos uma vitória, para vc ver se sai ou não o páreo de 3/2.v e pode escrever terão que fazer a chamada 3/3v.

Márcio J.R. Oliveira (19/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Meu amigo Vitor,

Em São Paulo a chamada 3/2v.é obrigatória, aqui no rio a muito tempo que excluíram esta chamada, eu tenho certeza que se a mesma estivesse vigorando já teríamos formado o páreo, agora sem a chamada o resto vira especulação. Realmente são poucos animais com 2vitorias,na distancia curta, media e longa, mas posso te garantir que se houvesse esta chamada antes ,alguns treinadores com certeza estenderiam ou reduziriam a distancia de seus animais para correr este páreo, pois enfrentar pesos especiais, provas especiais com cavalos superiores seria bem pior, e mais me arrisco a dizer a vc que as potrancas com 2 vitorias fariam parte do páreo.

Grande abraço e espero beber uma cerveja stella nas festas natalinas, se é que vc me entendi, amanha estarei por aí.

Att. Márcinho.

Marcus Jose Andrade da Cunha (19/12/2014) - Ponta Grossa/PR

Pelo menos, nos tornamos mais eficientes! vide entre parênteses % de nascimentos! como jogamos dinheiro fora, mantendo éguas vazias! a vida útil de um PSI do passado seria a mesma de hoje? um fato me parece bastante positivo, temos hoje um número maior de proprietários vencedores. Antigamente ajudávamos na formação de páreos, para os então "grandes" ganharem. Hoje competimos com maiores possibilidades. Hoje nós pequenos proprietários, temos acesso a melhores matrizes. Assim o turfe cresce, se adapta a nova realidade. Os "grandes" na proporção que os resultados escasseiam, liquidam seus plantéis! Momento de reflexão também para muitos "profissionais " do turfe, que por falta de competência, ética, enfim, contribuíram de alguma forma para que muitos proprietários se afastassem definitivamente do turfe! Hoje pagam por isso! 

Números são números...é preciso saber interpretá-los!

Feliz natal e próspero 2015 para todos! 

ANO................ÉGUAS.................GARANHÕES.........PRODUTOS.................CRIADORES

1970...............5.001....................643........................2.648.(53%)...........................593

1980...............8.475....................889........................4.637..(55%)..........................975

1990...............8.153....................867........................4.849..(59%)........................1443

2.000.............4.901....................384.........................3.391..(69%)..........................826

2.010.............3.965....................250.........................2.918..(74%)..........................364

2.013.............3.313....................213.........................2.686..(81%)..........................352

Antonio Moura (19/12/2014) - Niteroi/RJ

A GRANDE DIFERENÇA

Prezado Vitor Lahass,

Estou agradável e vivamente impressionado com a precisão e abrangência desta verdadeira aula de Turfe que foi o seu texto de ainda agora no Espaço do Leitor; leitura e análise obrigatória para todos que se integram na atividade, - dirigentes inclusive.

É óbvio que nem todos os interessados de facto pactuam da mesma ótica, mas é evidente também que, treinadores e proprietários, a quem mais de perto o assunto diz respeito, doravante passarão a ver com outros olhos, face às circunstâncias, o eterno dilema das inscrições e da enturmação.

Particularmente, compartilho "in-totum" da sua argumentação e fico feliz por verificar que você não é apenas um treinador competente e dedicado; é, ainda, um estudioso observador de todos os detalhes que fazem a diferença no caminho do sucesso. Sinceros parabéns!

Antonio Moura

Vitor Lahass (19/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Meu AMIGO Márcio J R Oliveira, 

A questão não é elaborar a chamada de 3 anos duas vitórias ou não, e sim fazer com que esses páreos saiam. 

Em anos anteriores chamávamos logo após a mudança de idade o 3/1 e o 3/2.

O 3 anos 1 vitória saia rapidamente, mesmo porque até os animais que venciam páreos de claiming perdedores passavam a integrar a essa enturmação. O que acontecia é que o 3 anos duas vitórias não saia de jeito nenhum. Quando saia misturava-se aos animais de uma vitória. Ainda que os animais de uma vitória levem vantagem na descarga de peso há de convir que um animal 3/1 é bem superior. Concorda? 

Optamos em dar mais tempo ao 3 anos duas vitorias por duas questões: 

1 - Animal que chega a essa enturmação, ainda mais no primeiro semestre dos seus 3 anos, pode ser considerado diferenciado. A maioria dos treinadores e proprietários que possuem esses animais optam pelos classicos. 

2- Ganha-se mais tempo para reunir mais animais dessa mesma enturmação. Evita-se assim que sejam misturados páreos de uma vitoria com duas. 

As provas clássicas são extremamente duras e saem, se for na grama, lotadas. A Válvula de escape é migrar para o Pesos Especiais que no caso do seu ÓTIMO JESTER ROSE atuará com 52kgs (vide tabela 1 de pesos) . 

Uma prova que o 3 anos duas vitórias consistem nos cavalos que competem em GP’s é puxar a tabela de enturmação disponível no site do JCB e atualizada a cada 60 dias se não me engano. 

 

CURTA 

INCERTITUDE - 2Vit

HONOR BRIGHT - 2Vit

CARITZIA - 2 Vit

FLIRT GIRL(ARG) - 2 Vit

COSÍ COSA - 2Vit

CLARA BABY - 2Vit

CHINESE DODGE - 2Vit

CAMERON DIAZ - 2Vit

GASTROQUET - 2Vit

UNIVERSAL LAW - 2Vit

VALLÉE DE LA LOIRE - 2Vit

NO-MUCHO - 2Vit

TORPEDAÇO - 2Vit

JESTER ROSE - 2VIT

COTOVIA - 3Vit

DESEJADO MAGEE - 3Vit

CHRONNOS- 3Vit

 

MEDIA

PODEROSA NATIVA - 2 Vitt

ENERGIA GALILEO - 2Vit

ENERGIA GAROA - 2Vit

OLD TOWN - 2Vit

DARIN - 2Vit

JANUARY JONES- 2Vit

LEADING HAT- 2Vit

WOLF BAD - 2Vit

FICTION AWAY - 2Vit

CABOTINO - 2 Vit

OREGON PINE - 2Vit

ACADEMY RIDER- 2Vit

OUTPLAY - 2Vit

CONTADOR- 2Vit

CALÊNDULA - 3Vit

CAÇAROLA- 3Vit

CHANGE OF PLAINS - 3Vit

COMANDANTE DODGE - 3Vit

COLORADO GIRL - 6Vit

 

LONGA

DESERT DREAM - 2 Vit

JIMI WOODS - 2 Vit

ENERGIA GUEST - 2Vit

CARTOLA - 2Vit

LAMBORGHINI - 2Vit

CATCH A DREAM - 2Vit

LEME NORTE - 3Vit

PAINT NAIF - 5 Vit

E com toda certeza há animais com mais vitórias do que os dados acima, assim como novos já entraram. 

O único modo desse páreo sair é pedir para que outros que estejam no mesmo caso que o seu que inscrevam juntos no páreo de turma e não mais em provas mais nobres. Do contrário você seguirá enfrentando a tropa de elite ou os mais velhos nos pesos especiais. 

Como você já presenciou em outras oportunidades se não correr atrás e combinar as inscrições não sairá. Ainda mais com a triste realidade que estamos vivendo. Acho que a escassez maior é primeiramente a de proprietários logo, a de criação. Sem consumidor, Sem Produção. 

Sábado nos matinais podemos conversar mais sobre isso. Grande Abraço Marcinho!

Vitor Lahass

Christian Sharp (19/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Ao Sr. Milton Lodi

Primeiramente quero reconhecer de público que o Sr. , ao meu ver , é um dos ícones do turfe nacional , quer seja na criação e como proprietário.

Permita-me apresentar : Sou um turfista de 45 anos ,frequentador da gávea junto com as minhas filhas bem pequenas , e possuo vários amigos sócios que frequentam tanto o prado como a sede social da lagoa .

Discordo do seu artigo escrito nesta semana na revista Turf Brasil , com relação a AGE de 09 de Dezembro :

1) Todos os meus amigos sócios são favoráveis ao retrofit da sede do centro.

2) Eles me comentaram que a forma da AGE como foi conduzida sem que os sócios soubessem do que se tratava , é que foi crucial para a derrota da Diretoria , já que a Diretoria - soberba- não levou em conta que os sócios é que são os donos do JCB e não a Diretoria . O que faltou foi simplesmente dialogo.

3) Escrever que ..".37% dos bons sócios e 67% para os eternos descontentes ,para os que não tinham capacidade de entender , para os insensatos , para os eternos inimigos das diretorias " , sem dúvidas foi uma

maneira deveras deselegante por parte de um turfista e não sócio como eu .

4) Ainda o Sr. escreveu : ..." devolver ao clube uma sede confortável e produtiva " , ora isto não foi proposto , pois o arrendatário iria ocupar todos os andares , e para os sócios nenhum andar ficaria disponível para eles.

5) Por fim o Sr. ainda escreveu : .." por gente que quer aparecer sem para isso ter qualidades , e também por gente que não tem capacidade para entender nem mesmo o trivial simples ". Isto é brincadeira acintosa para com todos os sócios presentes e não presentes mas favoráveis a dizer NÃO a proposta que foi apresentada.

Por favor , fiquemos restritos ao turfe e para tentarmos descobrir maneiras de aumentar o MGA , somente isto.

E não tenhamos rabos presos a quem quer que seja .

Atenciosamente

José Augusto Seabra Sales (18/12/2014) - Brasília/DF

Temos que nos preocupar é com o numero de nascimentos que estão em queda acentuada a cada ano, incidindo diretamente na diminuição de postos de trabalhos no campo contribuindo ainda mais com o êxodo rural. 

Estamos perdendo nossas reprodutoras para serem utilizadas como receptoras de embriões de outras raças, extinguindo assim centenas de anos de seleção genética. Nosso PSI após sua curta carreira de “atleta” não tem nenhuma liquidez, sem função - sem preço, mais um descrédito na conta dos proprietários. 

Ter animais alojados em Centro de Treinamento exige um tipo de proprietário com melhor planejamento do plantel para manter a relação de custo/benefício. Temos sim, é que exigir melhores condições de trabalho nas vilas hípicas dos hipódromos para os demais profissionais, aproximando as expectativas de eficiência de performance e maior satisfação aos proprietários.

Paulo Cesar das Neves Lo Bianco (18/12/2014) - Cabo Frio/RJ

Lendo hoje o comentário do Paulo Gama não fiquei surpreso. As diretorias do JCB e de SP, desde o tempo do Fragoso vem fazendo de tudo para acabar com o turf, localizados em áreas extremamente valorizadas fazem de tudo para chegar ao seu objetivo, o pior é que tem sócios metidos nessa especulação.

Emílio Borba (18/12/2014) - Bagé/RS

Gosto muito dos textos do Paulo Gama. 

Neste último sobre a queda no número de animais nos CT´s não me surpreende em nada.

Muita gente liquidando e raros gatos pingados começando. 

POR FAVOR, é um apelo mesmo, se não houver alguma ação rápida, imediata, vinda das principais lideranças do nosso turfe junto a Presidência da Republica, o futuro será muito complicado. 

Seria tão difícil esse encontro? Pergunto por ser leigo mesmo nessa parte, será tão difícil formalizar um encontro destas partes?

A coisa ta feia. Por favor pessoal, agilizem alguma tratativa junto ao Governo Federal, caso contrário, terá menos potros nos CT´s ainda.

Obrigado,

Emílio Borba

Márcio J R Oliveira (18/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Parabéns ao pai da chamada 3 anos 2 vitórias,já estava mais do que na hora,antes tarde do que nunca.

João O. Tomczak (17/12/2014) - Curitiba/PR

Sobre Vergonha do Sr.Eduardo Capitoni Camardella de 14.12 RJ.

Concordo em tudo em seu comentário. O Mazini por isso, pegou um ano de suspensão e agora perdoaram. O tal do A.Correia deveria pegar punição igual. O pior é que isso acontece em vários páreos, inclusive com jóqueis velhos, mas ninguém consegue provar. O resultado é a vertiginosa queda no mov.de apostas. Desse jeito o turfe vai de pior a pior.

João O. Tomczak (16/12/2014) - Curitiba/PR

Novos narradores

Sobre o comentário do Sr;Ricardo Bellens Porto RJ de 15.12, concordo inteiramente. Até que o rapaz (Léo) estava indo até razoavelmente bem, até melhor que o narrador Sr. Luiz Carlos que às vezes, não raro, nem vê o animal que vem por fora e ganha e daí que cruza o disco que ele menciona.

João O. Tomczak (16/12/2014) - Curitiba/PR

Sobre cancelamento de poule:

Concordo inteiramente com o Sr.Alexandre Republicano do RJ em seu comentário de 15.12.14. Para cancelar uma poule é uma burocracia inexplicável, p/não dizer burrocracia

Apostando pela Internet é a mesma coisa. Quando voce cancela uma poule, voce tem que sair do site de apostas, se não não cancela. Que burrice é essa. Daí, até entrar de novo o páreo já correu e voce deixa DE APOSTAR NAQUELA PÁREO. Esses programadores de sistema do JCB nunca foram turfistas. Corrijam isso imediatamente, pois estão comprometendo o movimento de apostas.

Miguel Angelo Paolino (16/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezado Bolonha,

Gostaria de lhe agradecer as palavras elogiosas ao meu respeito. Partindo de você que faz parte de uma família de Craques" se torna muito significativo para mim.

Forte Abraço!

Miguel’Ângelo Paolino (ITALIANO)

Ronald Santos Duarte (16/12/2014) - Alegre/ES

Notícias STF Imprimir

Segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Liminar suspende cobrança de ISS sobre apostas do Jockey Club Brasileiro

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar ao Jockey Club Brasileiro (JCB) para suspender a execução fiscal relativa à cobrança de Imposto Sobre Serviços (ISS) sobre as “pules” (nome dado às apostas feitas nos cavalos que disputam um páreo). De acordo com os autos, em valores atualizados até outubro deste ano, o débito exigido pelo Município do Rio de Janeiro chega a R$ 127,4 milhões. A ação de execução fiscal tramita na 12ª Vara da Fazenda Pública do Rio de Janeiro e havia determinado a penhora sobre bens e direitos do Jockey Club Brasileiro neste valor. 

O Jockey argumenta que as apostas turfísticas não configuram prestação de serviço, portanto não podem atrair a incidência de ISS. A liminar foi deferida pelo ministro Gilmar Mendes na Ação Cautelar (AC) 3752 e concedeu efeito suspensivo ao Recurso Extraordinário (RE) 634764, no qual o Jockey questiona decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) que havia confirmado, no julgamento de apelação, a exigibilidade do imposto. Na ação cautelar, o autor alega que o reconhecimento da repercussão geral do tema pelo STF demonstra “a relevância e a plausibilidade do direito”, bem como estaria evidenciada a urgência da medida, uma vez que está “a suportar constrição patrimonial decorrente dos atos executórios praticados no bojo de execuções fiscais”.

Em sua decisão, o relator lembrou que o RE interposto pelo Jockey Club Brasileiro teve a repercussão geral reconhecida pelo STF em fevereiro deste ano e que os argumentos trazidos na ação cautelar justificam a concessão do efeito suspensivo. Ressaltou que a jurisprudência do Supremo prevê que a concessão de efeito suspensivo a recurso extraordinário deve ocorrer apenas em situações excepcionais, nas quais fique claramente demonstrada a plausibilidade jurídica da questão discutida no recurso e o perigo de prejuízos irreparáveis, ou de difícil reparação, oriundos da execução da decisão impugnada.

“No caso em tela, entendo que as razões expostas pelo requerente são suficientes para demonstração da plausibilidade jurídica do pleito cautelar. A urgência da pretensão cautelar, por sua vez, justifica-se em face da iminente constrição patrimonial a que está sujeito o requerente, em decorrência das execuções fiscais contra si propostas”, concluiu o ministro.

Christian Sharp (16/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Domingo no JCB até o Papai Noel caiu do cavalo.

Que maré é esta para o presidente !

Roberto Machado (16/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Infelizmente perdi o gosto pelas Corridas de Cavalos no Brasil, sendo que um dos motivos é a imparcialidade dos comentários após a realização dos páreos feitos pelo Sr. Andre Cunha.Ontem assisti a crucificação do joquei-aprendiz I.R.Mendes ao terminar o páreo onde o mesmo dirigiu o animal Dodge Time. Hoje o referido comentarista, não mencionou uma palavra com relação a péssima direção dada por seu amigo C.Lavor no dorso do animal Avante Solo.

É muita coisa ruim acontecendo.

Roberto Machado

Alexandre Republicano (15/12/2014) - Cabo Frio/RJ

Eu só queria entender. Quem puder explicar eu agradeço.

Turfista aposta mais de R$ 100,00 num determinado cavalo que por motivo diverso é retirado.

Turfista vai até a o guichê e pede para cancelar a pule.

Começa o sofrimento:

1- O credenciado não pode cancelar automaticamente a pule sem antes ligar para o Jockey;

2- Feito esse procedimento e depois de ter passado numero da pule etc....

3- O Jockey algum tempo depois liga para o credenciado e pasmem, ANTES DE CANCELAR QUEREM SABER O MOTIVO?

Isso pode Arnaldo?

Não acredito que isso esteja na regra, é o fim da picada.

Ricardo Bellens Porto (15/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Gostaria de uma explicação, se possível do próprio, da tao curta carreira do jovem e promissor locutor, Léo Gomes. Renovação e importante ,haja vista , a evidente evolução do também jovem locutor , Fernando Cury, que vem melhorando dia a dia em suas narrações como locutor oficial do JCb.

Obrigado.

Antonio Moura (15/12/2014) - Niteroi/RJ

BARBADAS À ITALIANA

Sr. Paulo Roberto da Silva,

O ufanismo da manifestação do Sr. César Bolonha não surpreende a quem já se habituou com o seu pífio índice de aproveitamento. De quando em vez até chove no roçado e, aí, haja paciência para aturar o exercício de auto elogio.

Expressão legítima da realidade o seu contundente texto. E para trocar o sexo dos animais já nos basta aquele outro laureado comentarista em boa hora aposentado pela Clube.

Aproveito para desejar-lhe e a todos os familiares e amigos, um Natal e Ano Novo à altura de suas melhores expectativas.

Antonio Moura

Paulo Roberto Garcia (15/12/2014) - Porto Alegre/RS

Prezado Cesar Bolonha,

Discordo de sua sua afirmação sobre este Italiano que foi a mesa neste final de semana. 

No sábado ele acertou aquilo que todos acertaram e ainda teve coragem de ontem se vangloriar de ter acertado 4 cravas de menos de 2 por 1. E ontem foi péssimo. Barrou da dupla a americana Forever Gollygolly que era força destacada e ganhou fácil rateando 1,40. No páreo de amadores barrou da dupla o grande favorito e vencedor da prova Tupiniquim que além de tudo era montado pelo melhor jóquei amador, dado impotante para análises desse tipo de páreo que foi deixado de lado pelo marcador. E para fechar deu de "barbada" Mojito, que foi abandonado pelo jóquei titular do Stud e como era de se esperar não correu nada. 

Sugeriu e marcou muitas invenções com pules altas e só o Nob ganhou, graças a direção fraca e falta de sorte no percurso do Stallone. Além de tudo isso chamou vários cavalos de égua.

Acho válido o JCB continuar a chamar turfistas para a mesa, mas estes tem que se preparar um pouco mais antes do programa, estudando a fundo as carreiras, o que aparentemente não aconteceu. 

Saudações

Luiz Fernando Dannemann (15/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

J. Ricardo, fenômeno do Turfe

Nestes últimos 30 dias foi muito defendida e propagada pela cúpula do JCB (com demasiado e inusitado orgulho) a solidez de um grupo financeiro interessado na nossa sede do centro, um prédio que causou muita polêmica, não me refiro apenas aos acontecimentos de agora, mas aqueles ocorridos ainda no final dos anos 60, aonde foi travada uma enorme batalha política entre as famílias Peixoto de Castro e Paula Machado contra a sua construção. 

Por falar no nosso prédio e nas famílias de classe alta, uma outra hora eu conto sobre o curioso elo de ligação com a empresa P+ Empreendimentos imobiliários, uma instituição petropolitana presente em todas as tentativas de fisgar um grande peixe próximo a Lagoa Rodrigo de Freitas. 

Vindo de uma família de classe média, ainda jovem, em 1992, lutando pela vida, sem qualquer estoque de dinheiro, arregacei as mangas (priorizando o JCB) e corri atrás de uma verba substancial que pudesse patrocinar um conjunto de comerciais na Rede Globo de televisão. Eu consegui... Não me perguntem como, mas eu consegui que um grupo Adventista (Golden Cross) apoiasse uma instituição movida pelo jogo. 

E assim o Vice-Presidente de Marketing à época, Luis Macedo, atual Conselheiro do JCB, produziu (sob verba que eu também consegui junto a Cia. Souza Cruz) através da equipe de sua agência de publicidade, a MPM, um comercial de 30 segundos que tinha como protagonista o nosso RICARDINHO. 

É sempre importante registrar que o JCB tinha à época uma pequena, mas dedicada equipe de marketing, liderada pelo URUBATAN MEDEIROS – demitido pelo atual síndico após 40 anos de serviços prestados -, que não possuíam, obviamente, o salário de MARAJÁ que o clube paga hoje para alguns felizardos, muito ao contrário (E bota muito ao contrário nisso).

Este verdadeiro MARCO na história do Jockey Club Brasileiro que foi a volta do TURFE – em grande estilo, no horário nobre, ao ceio das famílias a partir da difusão de um ídolo nacional -, deu início a um novo FENÔMENO que conseguiu, em pouco tempo, resgatar o MGA do JCB, registrando um aumento de cerca de 400% na captação de apostas, conseguindo, pela primeira vez, suplantar São Paulo, algo que era tido como impossível até pelos mais otimistas.

Eis que chegamos em 2014 – ano do pior MGA em valores reais da história do JCB -, vivenciando um clube dilacerado institucionalmente, dominado pelas apostas paralelas e pela sua diretoria que também trava um esforço paralelo contra o futuro do clube, uma luta sem glória e principalmente sem votos.

Este artigo tem como finalidade chamar a atenção do titular do Stud Dois Irmãos, proprietário da VINCI PARTNERS (empresa que pretendia alienar a nossa sede) que ele se encontra diante de uma oportunidade ímpar de provar o seu AMOR pelo JCB, tal como o destino me proporcionou há 22 anos. 

Aquele nobre turfista poderia, sem muitos esforços (já que a diretoria do clube lhe atribui um estoque de recursos financeiros que não caberiam dentro da piscina da cobertura da sede) contratar J. Ricardo e trazê-lo de volta à sua casa, o Hipódromo da Gávea, não apenas resgatando o nosso FENÔMENO, o principal patrimônio depois daquele tão cobiçado prédio, como contribuindo para o futuro do turfe nacional. Eu tenho certeza absoluta que, neste caso, aquelas urnas estariam repletas de papel AZUL.

Cedo a palavra agora ao poderoso “irmão”...

Cesar Roberto de Lima e Silva (15/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Está despontando um GRANDE comentarista de Turfe: Miguel Ângelo "ITALIANO".

Vê os pareos como ninguém, observa os pequenos detalhes e transmite para nós , os turfistas,

a verdade.

PARABÉNS "Italiano" você é o "THE BEST"

Abraços

Bolonha

Antonio Moura (15/12/2014) - Niteroi/RJ

S. Paulo César Gomes,

Nota-se que o prezado turfista nunca meteu as mãos à bolsa para pagar um trato de cavalo no final do mês. Falar que "a simples retirada da Codere" não elevaria o MGA em 20 ou 30%", não é a essência da questão: está em causa um contrato que já deveria, se interesse existisse", ter sido declarado APÓCRIFO, por lesar frontalmente os legítimos interesses de uma das partes (no caso o Clube), detentora de uma Carta Patente que lhe dá o direito de explorar apostas e que lhe foi concedida pelo Governo Brasileiro a título precário (como soe acontecer com todas as concessões do Estado) com o objetivo precípuo de fomentar a criação do cavalo PSI no país.

E deve-se falar sim, e com a maior veemência, na elevação das dotações, hoje fora de sintonia com a realidade do turfe. Falar disto é aderir à legítima defesa de toda uma cadeia de profissionais que dependem dos prêmios para sobreviver com dignidade.

É evidente que o efetivo aumento do MGA passa por um leque de decisões (aqui já propostas e debatidas até a exaustão pelo ilustre titular do Jéssica e outros mais que ponderáveis aliados), decisões essas que jamais poderão ir na contramão das necessidades (já nem digo "interesses") da espinha dorsal que dá sustentáculo à atividade - o criador, o proprietário e o profissional.

Fora disso, acredite - não há salvação!

Antônio Moura

Valdemar Martins Filho (14/12/2014) - Curitiba/PR

Festival do Pelegrini.

Acompanhei o festival do último sábado, e vi o turfe do Brasil bem representado, com criadores e proprietários vencendo. Vi também o Altair Domingos dar show com suas montarias. Vi também a Consagração do ídolo Brasileiro, montando o ídolo Porteño.

Eduardo Capitoni Camardella (14/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Vergonha!

Alo Comissao de corridas! 

A.Correia deveria descer da egua Energia Escrita diretamente para delegacia! Vamos aguardar a conclusao da Sindicancia e torcer para que pegue uma puniçao exemplar, pois nao e de hoje que o piloto vem passeando em alguns pareos da Gavea.

Boas festas a todos!

Paulo Cesar Gomes (14/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Qualquer empresa que queira sobreviver no atual cenário econômico tem que ter objetivos muito bem definidos. Alguém sabe por acaso que MGA é necessário para atingir o equilíbrio de suas contas. Nem falo dos alugueis que o clube recebe que foram oriundos dos tempos áureos do turfe. O JCB ou qualquer outra empresa tem que ser viável economicamente com seus próprios pés. O que é necessário para crescer a base de apostadores? Estava ontem na GV depois de algum tempo sem frequentar e a cena que constatei era triste. A única mudança que vi foi uma carrocinha de pipoca bem em frente a tribuna social - com aquele cheiro de pipoca doce entrando pelas nossas narinas. Depois q ue acabou o simulcasting com SP o tempo não passava - pq 30 a 35 minutos entre um páreo e outro sem nenhum tipo de atração em uma noite de sábado - com o telefone tocando e a mulher perturbando que queria ir jantar fora, etc. Vejo comentários que o JCB deveria acabar com a área social e todo o espaço destinado ao turfe. Tenho a impressão que deveria ser o oposto - o clube deveria fazer todo o esforço de trazer esses sócios também para o turfe. Não conheço ninguém que fique indiferente a plástica e as emoções quando assiste a uma corrida de cavalos. O que seria hj do JCB sem os seus 5.600 sócios que contribuem com cerca de 420,00 mensais. Isto representa quase 30MM anuais. A área social sem saber contribui para a não extinção do turfe no RJ. Outro dia li uma postagem sobre as dotações que deveriam estar vigorando para o incremento da atividade. Pergunto ? Com esse MGA - em quanto tempo o JCB fecha as portas se tivesse que pagar esses prêmios.

Quando vence o contrato da Codere? Opinião pessoal: Não acredito que a simples retirada da Codere eleve o MGA em 20 ou 30%. Acredito que a profissionalização do turfe é o caminho a ser trilhado. E a área de Marketing teria que ser o principal foco. Isto tudo custa muito dinheiro e dinheiro é o que JCB não tem a crer nas palavras do que foi dito pelos seus dirigentes nas ultimas reuniões com seus associados.

José Carlos Vianna (14/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Gostaria de parabenizar o " fenomenal" J. Ricardo por mais um triunfo, deveríamos enaltecer os nossos ídolos, seja qual for a modalidade, pois são exemplos de competência e responsabilidade. Tenho a certeza que o recorde mundial será conquistado por este exemplo de profissional.

Antonio Moura (14/12/2014) - Niteroi/RJ

O NÚMERO UM

Quase tudo já foi dito sobre o fantástico desempenho de Jorge Antônio Ricardo no dorso de Ídolo Portenho, flamante vencedor do Pelegrini de ontem. Quer me parecer que além do mais, contribuiu para o sucesso o perfeito conhecimento do poderio e características dos adversários, indispensável para o planejamento da tática de corrida adequada.

Ricardinho não é apenas o excepcional jóquei que todos conhecemos; é também um estrategista de qualidade, fato que lhe permite, em páreos desta importância, fazer a diferença. Mas não há como deixar de referendar o seu perfeito equilíbrio em cima do animal e o vigor e ritmo da sua tocada rumo aos espelho. Glória nacional!

Antônio Moura

Jose Roberto Giancristoforo (14/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Luiz Miranda (12/12/2014) - Niteroi/RJ

Fica tranquilo que um dia o turfe volta e ter seu espaço de volta - Bom Bril e tudo mais , e as quadras de tênis piscina e outro que invadiram a parte dos cavalos sem autorização e derrubando o que estava tombado e que deveria ser preservado , Um dia todos que fizeram essas barbaridades vão ter que devolver aos cofres os valores gastos inadequadamente. Está impossível aceitar essa invasão sem limite . deixo bem claro que essa e outras administrações que assim pensarem não vão conseguir aprovar nem compra de papel higiênico. Acho que ainda não viram que o turfe não condiz com Social dentro da área do turfe, para isso existe a Sede do Centro da Cidade e outros Clubes com esse objetivo, por favor deixem o JCB e parte da lagoa somente para turfe. O turfe só vai sobreviver e assim o JCB se não sofre nenhuma interferência e os que aqui estiverem só tiverem direção e vista ao turfe, caso seja impossível ou se fecha o JCB , pois não existe razão nenhuma para sua existência e todos as benesses do governo devem ser canceladas.

Antonio Jose da Silva Dias (14/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Grande abraço talentoso jornalista Paulo Gama , muito talentoso tanto no turfe como em outra aréa geral. Grande tricolor , nesse calor muito picolé de manga. Silva trabalhou com vc no JB

Ivor Lancellotti (14/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Como está sem graça as corridas do Rio de Janeiro.

V Borges ganha todas as barbadas de cem metros sendo ele um piloto somente com energia e mais nada. O que sobra dão para os aprendizes que apenas ganham por serem leves e mais nada também , foi a caso do H.Fernandes e outros menos cotados.Pilotos como: E.Costa , A.M.Souza , B. Reis, M.Almeida, A.M Santos ficam mendigando, me parece , montarias. Qualquer um desses citados com as montarias do V. Borges estariam disputando estatísticas. Os rateios não são compensadores na mão desse piloto que deve ganhar as estatísticas com mais de cinquenta vitórias de folga. Assim é muito fácil. Se estivesse nosso amigo na Argentina ia catar boné. V.Borges não é nenhum fenômeno, é apenas um M.Silva desse tempo o popular Béquinho.

Fred D’antonio (14/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Parabéns ao turfe brasileiro e ao extraordinário jóquei Jorge Antônio Ricardo por sua terceira vitória em um Carlos Pellegrinni. Ricardinho empreendeu condução primorosa e principesca a seu conduzido Idolo Porteño.

Ricardo mais uma vez provou ser um craque da direção e da tática. Sabedor que o peruano Sonny Corleone iria florear com muitíssimos corpos a frente e quebrar o trem de carreira, manteve-se em posição de expectativa, sempre entre o terceiro e o quarto lugares, se colocando em posição mais cômoda que o grande favorito do público e segundo de pedra Soy Carambolo.

Deu uma partida longa e tomou a dianteira na altura dos 600 e foi tirando de mais a mais, extraindo tudo do cavalo, que ao contrário do favorito de pedra o potro El Moyses, pegou muito bem a grama. Soy Carambolo atropelou a ponto de fazer a dupla, mas a cinco corpos de Idolo Porteño. 70% da vitória para Ricardinho, essa fez Leguisamo aplaudir lá de cima!!!

Foi o terceiro Pellegrinni do bridão carioca, há exatos 20 anos ganhara seu primeiro conduzindo Much Better. Imagino tudo que não veio a sua cabeça; sua história com Much Better, com o staff do TNT e, sobretudo, com seu amigo o genial treinador João Maciel. Tão precocemente falecido.

Isso é o turfe!!!! Quem ainda não viu se deleite com a prova que está disponível na Rede.

Abraços e saudações turfísticas, Fred.

Carlos Ferreira (14/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Boa noite a todos,

Assisti pela TV a vitória do Jorge Ricardo no Pellegrini. Está cada vez melhor e hoje exibiu nos 100 metros finais o grande segredo do seu sucesso, que é o perfeito equilíbrio em cima do animal (apesar dos seus 53 anos) não interferindo, portanto, no equilíbrio do mesmo. Com isto, o rendimento do cavalo não sofre qualquer prejuízo causado por movimentos e balanços desnecessários do piloto, que podem atrapalhar o ritmo do galope. Alem de tudo nos brindou com um percurso perfeito, como só os grandes jóqueis têm a capacidade de fazer.

Enfim, uma aula de um grande mestre. Um virtuose.

Sds.

Luiz Victor M Rocha (14/12/2014) - Campos dos Goytacazes/RJ

J Ricardo esse é o cara!!!!!!! É muita emoção ver esse Homem predestinado por DEUS vencendo mais um obstáculo e vencendo esse GP Pellegrine. Ricardinho sou seu fã e que DEUS continue te protegendo.

Christian Antoniazzi (13/12/2014) - São Paulo/SP

Sensacional !

A corrida de "faixa" do BE MUCH ontem em prol do ORGOGLIO

Simplesmente perfeito! Se não fossem de "propriotários" diferentes.

Coisas da GV.

Abs

Francisco Rodrigues da Silva (13/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Hoje faz exatamente 15 anos do falecimento do meu amigo e quase pai, meu sogro GIUSSEPE TIZZANO, relendo suas cartas de recomendações, encontrei, que a família do SR. MARIO T.de NITEROI, seria umas das famílias para aconselhamentos ,e mais ainda minha filha estudante da escola Britânica, tem laços de amizades com parentes.

Diante disto peço desculpas ao sr. Mario T.

Mas continuo com meu corte vem ca meu puto e outras coisas mais.

Desejo um natal de paz e saúde a toda sua família, tenho certeza que era o desejo do meu estimado sogro.

um abraço 

Antonio Moura (13/12/2014) - Niteroi/RJ

CAMPEÃO DO BRASIL

Entro feliz e exclusivamente no Espaço do Leitor para saudar a vitória de ontem, a primeira em três saídas, do alazão Campeão do Brasil, um três anos por Gold Pleasure, de criação e propriedade do Stud Lasmar do Brasil. Natural aqui do nosso Estado, me parece.

Razão de ser da minha declarada satisfação, trata-se de animal sob os cuidados do meu querido amigo Jonas Guerra, o popular Guerrinha, ora enfrentando as naturais intempéries da existência, mas que chegará a terra firme muito em breve. Horas dessas, apareço nas matinais para provar a decantada qualidade do seu café.

Antonio Moura

Luiz Miranda (12/12/2014) - Niteroi/RJ

Será que é pedir muito que seja disponibilizado uma pequena "arquibancada" para que os proprietários e treinadores possam acompanhar de maneira mais adequada e confortável o trabalho matinal dos animais????

Obviamente que considerando o atual local de entrada dos animais na pista...............

Luiz Miranda (12/12/2014) - Niteroi/RJ

Alguém saberia me explicar qual o critério utilizado para a definição da largura da cerca móvel na raia de grama?

Quando o treinador efetiva a inscrição do animal na pista de grama , já está definida a largura da cerca móvel que será utilizada?

José Augusto Seabra Sales (12/12/2014) - Brasília/DF

Prezado Sr. Carlos Ferreira;

Sua colocação não é utópica, muito pelo contrário, deveria ser o foco de imediato para todos os turfistas que lutam pela revitalização do TURFE, especialmente na atual situação que passam os nossos dois maiores clubes hípicos. Será um caminho, longo e tortuoso.

Temos reivindicado algumas ações junto ao MAPA e no Congresso, que visam sensibilizar o Governo Federal a ações que possibilite, brevemente, chegarmos a esse ideal de gestão.

O certo é que temos que imediatamente fortalecer as Associações Regionais de Criadores e Proprietários para que possam fazer o papel que deveria ser da inoperante ABCPCC. Pois temo que as decisões venham sem o envolvimento da comunidade turfística.

Carlos Ferreira (12/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezados, devaneios de um sonhador:

O JCB atualmente está nas mãos (diretores e grande maioria dos sócios) de pessoas que querem desfrutar do conforto de um clube social, com uma sede no centro da cidade provida de instalações que facilitam o dia a dia dos que lá trabalham (garagem, piscina, restaurante, biblioteca, etc.), e/ou ainda, da bela sede da Lagoa, muito bem situada na zona sul da cidade, com toda uma infraestrutura de lazer (piscinas, quadras de tênis, salões de festas, restaurante sofisticado, cinema, etc.), sem o menor interesse na Carta Patente que dá o direito a promover e explorar materialmente as corridas de cavalos.

Se o clube ainda fosse dirigido por sócios verdadeiramente turfistas como em outros tempos (ou então, uma utopia, se a Carta Patente e as instalações do turfe fossem cedidas para serem exploradas por uma empresa séria do ramo de jogo), e estes dirigentes turfistas tivessem interesse em aumentar o MGA através do incremento da quantidade de animais disponíveis com o objetivo de encher os programas, certamente eles tentariam atrair novos proprietários (e o retorno de antigos que se afastaram) com um aumento substancial dos prêmios.

Para termos um turfe minimamente interessante para os proprietários e criadores considero (com a experiência de pequeno proprietário, sempre com um ou dois animais em treinamento há muitos anos) que os prêmios dos páreos de turma deveriam atingir o seguinte patamar:

- 2 anos: R$ 18 000,00

- 3 anos: R$ 16 500,00

- 4 anos: R$ 15 000,00

- 5 anos: R$ 13 500,00

- 6 e mais anos: R$ 12 500,00

Com estes valores o custo mensal do trato poderia ficar entre R$ 1800,00 e R$ 2 000,00, passando a remunerar melhor os treinadores, de modo a garantir um cuidado mais adequado aos animais e algum ganho, pois hoje, quem trabalha seriamente está no vermelho. Além disto, os ganhos com os prêmios por vitórias e colocações de todos os profissionais teriam um aumento substancial, certamente melhorando bastante a qualidade de vida dos mesmos que hoje se encontram bastante empobrecidos em comparação com 20, 30 anos atrás.

Sds.

Jose Roberto Giancristoforo (12/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Ao senhor presidente, quanto a sua ameaça de aumento da taxa de manutenção paga pelo proprietário do JCB , fica o senhor sabendo que vai um dia ter que explicar detalhe por detalhe o que foi feito e como foi utilizado o ultimo aumento que era para recuperação da Sede do JCB no Centro da cidade, isso um dia você vai ter que explicar ou devolver aos cofres do JCB o dinheiro mal e incorretamente aplicado. E digo mais o JCB não precisa mais de sócio nenhum precisa é ter boa administração olhando somente o turfe se esse não sobrevive o JCB não tem razão de existir, tchau e rápido por favor

Luiz Fernando Dannemann (11/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Caro Carlos dos Santos,

Veja a resposta que enviei a nobre jornalista que assina a matéria que você se refere:

Cara Laís Carpenter

Jornalista de O Globo,

Ref.: “Associados do Jockey votam contra reforma”

Na qualidade de sócio do JCB presente a assembléia que votou CONTRA, não com vistas ao retrofit propriamente dito, mas com relação a uma única proposta, sem concorrência, SUBSTANCIALMENTE contrária aos interesses dos associados, venho aqui chamar atenção da nobre jornalista que a sua matéria publicada hoje no jornal O Globo, à página 28 (repleta de erros fundamentais) não procurou ouvir os sócios que votaram contrariamente, o maior lado desta história ,63%, optando apenas por tomar partido da parte que representou 37%, traduzindo interesses partidários e não coletivos.

O CONTRADITÓRIO é a essência do jornalismo.

Gostaria que anotasse – visando correção futura -, que o prédio objeto da aludida reforma não foi inaugurado em 1956, mas sim em 1974, uma pequena diferença de 18 anos.

Gostaria que a nobre jornalista anotasse também que os sócios do JCB aceitaram em meados de 2013 - sem qualquer tipo de assembléia -, um expressivo aumento na Taxa de Manutenção – que representa cerca R$ 15.000.000,00 (quinze milhões de reais) a mais por ano, exclusivamente para fazer frente a um “Plano de Investimentos” que previa - exatamente -, um aporte de R$ 10.415.000,00 (Dez milhões, quatrocentos e quinze mil reais) para reformas na sede do centro, preservando três andares para uso exclusivo dos sócios, proposta esta que foi alterada sem nenhuma comunicação prévia e nem aceno pela devolução da quantia recolhida aos cofres do JCB.

Já que estamos na era da “Comissão da Verdade”, seria importante não iniciarmos um novo tempo de mentiras ou distorções à realidade dos fatos.

Atenciosamente

Luiz Fernando Dannemann

Sócio 15.302

Claudio dos Santos (11/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Bela resposta que o Sindico do JCB deu para a derrota acachapaste que sofreu nas urnas na AGE, em matéria publicada no jornal O GLOBO de hoje, "Vamos ter que avaliar o custo da reforma e provavelmente repassar aos sócios do clube através da taxa da manutenção".

Continue assim meu amigo, desse jeito você vai longe.... longe do JCB para sempre!!!

Francisco Rodrigues da Silva (11/12/2014) - Petrópolis/RJ

Carnaval chegando e abre vaga para gayola das loucas.

Entendido do assunto e forte concorrente.

Disputa vai ser acirrada so falta sair do armário. 

Perder um pouco mais de peso kkkkk.vai pegar mal casa da banha.

O lixo se aproxima com grande ação.

Luiz Carlos Ramos (11/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Assembleia do JCB em 9.12.14, para refuta-los

Aos meu caros colegas do JCB e Turfistas em geral.

Observacoes:

1) Cada diretor fez exposicao por mais de 30 minutos, repetindo os mesmos objetivos. Provocaram bocejos e irritabilidade..

2)Cada socio teve 3 minutos, para refuta-los. E constantemente impedidos pelos membros da mesa.

3) A votacao irritou de tal forma os associados que, acredito que alguns, trocaram seus votos devido as dificuldades impostas, Seria alguma brilhante contribuicao de nossa "diretoria"? É bem provável.....

Vejamos; cada um teve que comprimir-se em espaco extremamente reduzido para chegar a mesa com a letra inicial de seu nome. Informacao por parte dos "segurancas"ZERO !

La recebiam em troca de sua identidade tomada pelo mesário, um envelope para votacao.

Apos toda trabalheira desnecessaria, teve o associado que colocava o voto lutar, para ir até o fundo de um corredor apinhado,para la conseguir sua cédula.

E tome caminhada de volta no meio da multidao, comprimida e exausta. Um senhor portando uma bengala, caiu ao solo ! Meu filho ajudou a ergue-lo.

Depois de fazer o percurso de ida e volta(eu demorei cerca de 15/20 minutos para conseguir.) O pobre e super massacrado socio,colocava seu voto na urna Caos total e desnecessario,por imcomprtentes..

Escolha dos escrutinadores. Somente os membros da situacao foram convocados.Protestos gerais ! LCR

Luiz Fernando Dannemann (11/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prevaleceu a verdade e o direito de expressão, vencida a soberba e a incompetência

Estávamos do ano de 1924...

No dia 09 de Janeiro, para analisar as propostas para uma das fases da construção do Hipódromo da Gávea, o Jockey-Club buscou nomear uma comissão formada por notáveis engenheiros, não com base na sua diretoria, mas sim entre os ilustres sócios do clube, promovendo a máxima interação e participação do quadro social no processo. Esta comissão tinha ainda como objetivo APROVAR a escolha das empresas que seriam convidadas.

E assim assumiram a nobre função de fiscalizar os trabalhos os nobres senhores: Marciano de Aguiar Moreira. Lino de Sá Pereira, Vitorino de Paula Ramos, Domingos José da Silva Cunha e Oscar Weinschenk, todos eles distinguidos, publicamente, como amplos conhecedores da matéria.

Curiosamente, 23 empresas participariam desta concorrência. 

Neste ponto a ATA da reunião da diretoria, em 14 de Janeiro - documento que a época era distribuído para todo o quadro social -, restou escrito, de forma clara e inequívoca, em bom português, que uma Carta-Circular (Carta-Convite) havia sido endereçada aos seguintes construtores: 

Christiani & Nielsen; Cia. Construtora em Cimento Armado; Cia. Construtora de Santos; Magalhães Travassos & Cia.; E. Kemnitz & Cia Ltda; Castro Miranda & Coelho; Gusmão, Dourado, Baldassini & Cia Ltda; Dr. Raul Veiga; Porto D’Ave & Haering; Dr. Otavio P. Pessoa Rodrigues; Andrade Lima & Cia.; J. A. Costa & Cia.; Dr. Eduardo V. Pederneiras; Meanda Curty & Cia.; Emilio Baumgart; Doria & Cia. Ltda; Dr. Edgard Raja Gabaglia; Wheatley & Blake; Dr. Leopoldo Cunha; Penna, Parisot & Cia. Ltada; Cia. Italo Brasileira em Cimento Armado; Humberto Saboia & Cia.; e João Muller.

.. 90 ANOS DEPOIS

Um grupo de pessoas eleitas com a missão de defender uma plataforma que previa AMPLO DIÁLOGO e TRANSPARÊNCIA para com o quadro social desembarca na Tribuna “B” do hipódromo, após uma frustrada tentativa inicial de promover a menor visibilidade possível para uma AGE que sequer foi publicada no informativo bimestral do clube (Nov/Dez); 

De posse de uma “concorrência” feita com 23 empresas que se mantiveram completamente fantasmas aos olhos da assembléia, escolhidas não se sabe por quem nem sob qual justificativa, um economista exercendo o papel de engenheiro, após decretar a morte do centro da cidade do Rio de Janeiro, passou a exibir uma série de fotografias extraídas da INCAPACIDADE do seu próprio mandato em utilizar os recursos que arrecadara dos sócios com a finalidade de reformar partes do prédio;

No intuito de defender uma única proposta, modificada radicalmente no decorrer de um processo desconhecido, um síndico – disfarçado de presidente -, adentra o púlpito, toma o microfone (como fizera com o embarcadouro dos cavalos) e passa a ameaçar a platéia dizendo que se não aprovassem a proposta de uma tal VINCI (que ninguém conhecia e que nunca construiu nem uma pista de skate) os sócios teriam que pagar a obra do próprio bolso.

Para culminar o economista, Vice-Presidente de finanças do clube, que não foi capaz de fazer auditoria nem no balcão de apostas da CODERE, afirmou aos presentes que o clube receberia a metade daquilo que não atingisse 160 milhões de reais. 

E assim chegamos ao resultado que todos nós já prevíamos ao divulgar a AGE para um número grande de sócios e amigos que hoje, já, representam uma pequena LEGIÃO. 

Que o amarelo que saiu das urnas sirva de ALERTA, como sinal de atenção a todos que pretenderem - doravante -, ATRAVESSAR o quadro social. Que aquela cor que revelava uma das maiores rejeições do clube - tanto o projeto quanto os seus idealizadores -, traga a esperança por ações mais humildes, partilhadas com todos, e, principalmente comprometidas com a transparência.

Mário T. Schwartz (11/12/2014) - Niteroi/RJ

Mensagens psicografadas pelo amigo Inácio Marcos Antonio da Silva. 

Papai Noel de Cascadura, primo do Fleugmático Samsonite, irmão do Noel Primicia de Olaria, é o novo garoto propaganda do Sitio Jogo Virtual Terra Encantada. Na tentativa de fazer chover - acessos -, a fundação Cobra Cacique Coral foi também contratada. 

Com bilheteria livre, na Arena MAMA Gávea, patrocínio das Bexigas Enigmatico Samsonite, o embate final: o ítalo-escocês Mussum Ensaboado e o brás-portugues Dudu Chassi Corrido. Quase sem forças para saírem das cordas, sem prejuízo para o seleto publico de 3 espectadores, a luta terminou antes do início. Dana White que se cuide!

Reviravolta na concorrência da barbearia e salão da Debret: a escolha do Coiffeur Lebre Falsa da Vizinha. Levantou a disputa ao distribuir: botox grátis, unhas postiças, perucas loiras para carecas destemperadas , kit Koleston acaju acobreado e depilação a laser. A comemoração foi regada por Pêra Manca 2009 na filial Vilas do Lalá Bistrô.

Muito comemorado também o retorno da drag queen e de sua fiel escudeira a loura fatal, embaladas no kit natalino peru temperado, da Global Lambisgoia Express.

https:/www.youtube.com/watch?v=3PgNPc-iFW8

Jose Roberto Giancristoforo (11/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Sucesso total ontem, meus parabéns aos organizadores que tiveram uma surpresa pela presença dos associados que presenciaram a assembleia geral extraordinária para decidir sobre a reforma do prédio da sede social, na Avenida Presidente Antônio Carlos, no Centro. A proposta foi recusada pelos associados por 289 votos contrários à modernização, contra 168 a favor.

Agora é hora de continuar a luta pelo Turfe e só turfe e acabarmos de vez com SEDE Social que cada dia toma espaço dos cavalos, é hora de só se falar em Turfe e nada mais , quem for contra e achar que o turfe acabou é despesas que sai pela primeira porta e suma. O JCB não precisa de Sócio para nada já tem o suficiente, o JCB precisa é de turfista e só turfistas.

Jose H. Fernandes (11/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Depois da derrota histórica de ontem 09/12/2014, o atual presidente do JCB, deveria ter um pouco mais de respeito com o quadro social e passar a administrar de forma clara, transparente e objetiva, colocar definitivamente a priori as corridas, que na verdade é a finalidade real do JCB, deixar o orgulho de lado e valorizar os profissionais, os sócios, os proprietários, os criadores e os funcionários, e falando em funcionários é chegada a hora de fazer uma devassa nessa folha e demitir os peixinhos e colocar no quadro alguns que foram demitidos e outros que estão afastados por conta da política atual dos administradores do clube (não vou citar nomes por uma questã o obvia), investir nas instalações, nas raias e equipamentos indispensáveis as carreiras e proporcionar aos sócios instalações adequadas para o seu lazer e a preços justos, e sem dúvida valorizar os prêmios. Uma coisa é certa, se as carreiras ficarem para 2º, 3º ...plano, adeus TURFE.

Jose H. Fernandes

José Augusto Seabra Sales (10/12/2014) - Brasília/DF

Parabenizo a mobilização dos sócios do JCB em prol da entidade. Essa coesão mostra ao atuais administradores que não estão no cargo para fazerem o que bem quiserem. O efeito do resultado representa muito mais que qualquer outro por instrumento jurídico.

Ricardo Raschke Valentim (10/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezado senhor. Carlos Ferreira.

O seu artigo atingiu diretamente o problema do JCB. Ninguém discute a razão do JCB que infelizmente detêm a Carta Patente para explorar as apostas em corridas de cavalos no Rio de Janeiro.

Porque ao invés de tentar alienar a Sede Social, (tremendo Elefante Branco), Gastar com Sede da LAGOA, (QUE BELEZA), não negociar a carta patente, (Se for possível), juntamente com as dependências do hipódromo, por 50 anos? Se a maioria dos sócios não "curtem" "Cavalos" que aluguem o espaço para quem tem interesse em "Corridas, Jogo" e outros".

Que fiquem com as garagens, sedes etc mas deixem os cavalos viverem.

Chega de "Palhaçada" sempre um grupo querer vantagem do patrimônio da entidade.

Tenho certeza que muitas empresas internacionais estarão interessadas. Rio de Janeiro é excelente

para isto. mas por favor, sem intermediários. (Porque meu avô foi fundador, Meu Tio foi ministro, etc.)

Os sócios ficariam com o aluguel para desfrutarem como bem entendessem, inclusive, com a garagem!!!!!!!"!

Luis Antonio Ribeiro Pinto (10/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Ao ler o “Espaço do Leitor” do dia 08/12/14 deparei com o texto do Paulo Gama intitulado “Paint Naif, mais uma joia da criação nacional” e é evidente que não pude deixar de me emocionar com o que o Paulo escreveu sobre meu potro, todas suas qualidades e já se tornando um ídolo de nossas corridas. E é disso que precisamos para levantar e sairmos da crise que assola nosso combalido turfe –  é preciso para isso de um ídolo como Paint Naif, não só meu, mas agora se tornando também de todos os turfistas. Tenho ele como trunfo para tentar ajudar no que me é possível  nesta fase crítica, e é pensando nisso que inscrevi meu potro no GP Julio Capua, prova de grupo que serve de comparação entre gerações distintas.

Pensei que um páreo formado com 3 ganhadores de 5 grupos I, dois recordistas e, ainda por cima por ter contratado os serviços de Altair Domingos vindo especialmente da Argentina para montar Paint Naif (sem dúvida uma atração para nossos turfistas) merecesse mais atenção dos responsáveis em divulgação do nosso turfe, mas nem assim conseguimos sensibilizar os setores competentes do JCB para que se posicionassem de maneira eficiente Junto aos meios de comunicação e promover adequadamente nossas corridas numa época de público e apostas escassos.  Não faltaram elementos para que, neste momento, reagíssemos à todo aquele desânimo e inércia que imperam na nossa administração, mais preocupada na política interna do clube do que na atração e divulgação externa de nossas corridas.

Bem, pelo menos tentamos e vamos continuar nos esforçando, “apanhando e resistindo”, fazendo frente a todo aquele negativismo (consciente ou inconsciente?) de nossos administradores. O cavalo é e continuará sendo nossa maior arma para revivermos o que o turfe sempre nos deu – emoção, galhardia, pujança, coragem e força para prosseguirmos. É assim que tento contribuir criando cavalos do quilate de Plenty of Kicks e Paint Naif, que juntando-se a Much Better, Falcon Jet, Bal a Bali e tantos outros mais, não vão nos deixar jamais de viver o turfe na sua dimensão certa e que ele, turfe, merece.

Obrigado Paulo Gama pelo belíssimo texto!

Luis Antonio Ribeiro Pinto

Stud São Francisco da Serra

Christian Sharp (10/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Ao Síndico e Sub-síndico do JCB .

Ser eleito não é possuir um cheque em branco dado pelos sócios.

A falta total de transparência foi o motivo da derrota de vocês na AGE de ontem , todos os sócios são a favor do Retrofit ,mas a gestão com que vocês conduziram este assunto foi lamentável.

Aconselho que limpem suas mesas e peguem as suas violas e vão cantar em outro local sem ser nas dependências do JCB.

Foram !

Carlos Ferreira (10/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezados,

Retrofit, sede, garagem, etc, etc. Ao que parece, esqueceram-se totalmente de que o JCB não um clube social e sim uma entidade promotora de corridas de cavalos, detentora de uma carta patente para esta finalidade, e que, como tal, encontra-se em processo de acelerada decadência, com o MGA e o número semanal de inscrições em queda livre e os prêmios pagos aos proprietários e profissionais totalmente defasados, fora da realidade dos custos de manutenção dos animais. As corridas de cavalos e os cavalos de corridas não interessam. Não se discute este assunto.

Quando eu vejo os interesses e as discussões dos assuntos levantados na assembleia de ontem é que eu entendo a verdadeira razão da decadência do turfe. Entendo mais ainda quando comparo os atores de hoje com os atores de 30, 40, 50 anos atrás. Aí mesmo é que dá vontade de chorar.

Sds.

Antonio Luiz Tenorio de Albuquerque (10/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezados sócios do Jockey Club

Com a maciça e inédita presença de 457 sócios a AGE convocada para apreciar o termino e a entrega a terceiros da nossa Sede Social e de parte da nossa garagem decidiu por 289 votos a 168 recusar a mal explicada proposta da atual Diretoria.

Parabenizamos a todo o quadro social, principalmente aqueles que compareceram a AGE e apoiaram a campanha dos Amigos do Jockey e da Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro Sangue Inglês de impedir esse aloprado e impensado ato da atual Diretoria.

Esperamos que a partir de agora a Diretoria tenha maior consideração para com o quadro social e que se abstenha de fazer o que julga ser o certo para os sócios, como se isso dependesse da vontade de alguns poucos iluminados e tivesse e ser aceito por toda sociedade como uma verdade irreversível.

Muito obrigado a todos

ANTONIO LUIZ TENÓRIO DE ALBUQUERQUE

=Sócio 9.946=

Marcelo James (10/12/2014) - Manaus

Gostaria de parabenizar o locutor Fernando Cury pela excelência no trabalho realizado como locutor do JCB. Contagia e passa muita segurança no transcorrer do páreo. 

E o pequenino Corito agradece o carinho. 

Trabalho exemplar da veterinária Adriana Lioi e preparo nota 1000 do biduca - J.A.Lopes, que leva o Corito no colo com todos os seus problemas locomotores. 

Aos proprietários está aí, uma excelente opção como treinador. 

Ao jockey W.S.Cardoso direção impecável. Soube exigir no momento certo. Conhece como ninguém o Corito - 2 vitórias e 1 segundo. Parabéns.

Daqui do Norte, passando pelo RJ com o velho Linneu até o sul, lá em Uruguaiana com meu amigo Diego, teve com certeza muita torcida.

E finalmente, o Corito, pequeno no tamanho, mas enorme na vontade de vencer.

Um pensamento enviado por um grande amigo:

" o saldo a favor de ter um cavalo de corrida nunca será encontrado no bolso, mas sim no coração".

Antonio Moura (09/12/2014) - Niteroi/RJ

UMA NO CRAVO OUTRA NA FERRADURA

Sr. Elton Pereira de Souza,

Talvez o atento turfista não esteja tão solitário na sua opinião sobre o caso Marcos Mazini; temos a mesma ótica sobre a matéria.

Debalde a minha profunda simpatia por este jóquei e o pleno reconhecimento das suas qualidades técnicas, abre-se, com esta decisão da C.C., um perigoso precedente, eis que negociada e tendo como moeda de troca a retirada pelo jóquei de uma Ação que tramitava em Juízo contra o Clube.

De qualquer forma o profissional não sai ileso: se existe perdão, reconhece-se o pecado! Seria mais digno aguardar três meses, ir apurando a forma física e reaparecer altivo e centrado nos objetivos a conquistar - como é do seu temperamento e como gostam os seus inúmeros admiradores, entre os quais me incluo.

Antonio Moura

Luiz Guilherme Rebello Horta (09/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

A meu ver, o retorno do jóquei M. Mazini à atividade deve ser saudado por todos nós turfistas (profissionais, proprietários, apostadores). Parabenizo a CC pela iniciativa e faço votos que o referido profissional abrace um novo caminho, conforme depoimentos divulgados nesse espaço (esqueça os problemas e seja um exemplo para seu filho como ser humano responsável). Qualidades para vencer na profissão ele tem de sobra, na minha opinião, e o agenciamento do Paulo Gama será de muita valia.

Luiz Guilherme Horta (Stud Teljumafer)

Elton Pereira de Souza (09/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Discordando de todos acredito que foi errado este perdão ao Mazini. Vai acontecer agora que todos que forem suspensos por maracutaias irão colocar na justiça esperando uma "troca" pela diminuição da pena como aconteceu. Quando devería-se dar o exemplo e serem duros estão virando a mesa. Uma pena. 

E os apostadores que perderam algum valor naquele páreo como ficam? Devem estar bem satisfeitos.

Vitorio Mendes de Moraes (09/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

A respeito da Assembleia do Jockey marcada para hoje, a situação anda célere na defesa de seus interesses, publicando até matéria paga no Globo (quem pagou?), obviamente apenas com opiniões favoráveis ao assunto em pauta. Por que não ouviram também, nosso eminente ex-presidente Taunay, alias membro da diretoria atual?

Atualmente, ao ler qualquer matéria sobre o Jockey, tenho a impressão de estar lendo as páginas principais dos jornais do país. Creio que a afirmação dispensa maiores explicações.

Apenas a título de exemplo comparativo, se considerarmos 250 vagas mensalistas do Menezes Cortes, ao preço médio de R$ 800,00, chegamos a R$ 200.000,00/mês, como se chegou ao aparentemente irrisório preço do "aluguel" de quase um prédio inteiro?

Por que essa operação demanda a participação de tantos intermediários? Pelo que sei estão envolvidos: P+, Da Vinci, Valia e Vale. Por que não contratar direto com o cliente final?

Por que se falar apenas em prazo de 25 anos, quando se sabe que a renovatória por mais 25 é obrigatória? Nem mesmo nossos filhos poderão usufruir da nossa sede no centro.

Portanto, trata-se de um tema que merece uma discussão melhor e mais detalhada, o que não será possível numa assembleia, convocada a toque de caixa, para se fazer uma apresentação demorada de uma operação no meu entender economicamente insatisfatória.

Francisco Avila (09/12/2014) - Porto Alegre/RS

Mazini.

Parabéns Marcos. Que o teu retorno seja repleto de vitórias e alegrias. Tudo o que tu passou, faz parte do destino. Com certeza, tu vai voltar muito melhor, profissionalmente e como pessoa. Te desejo muita sorte, eu e todos teus amigos conterrâneos. Tu é um cara bom, e merece ser feliz. Grande abraço.

Chico Ávila

Fernando A.Iaccarino (09/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Desejo ao excelente joquéi Marco Mazini votos de um retorno triunfal e que as aves de rapina que pousam em cabeças ingênuas nunca mais apareçam.

Oswaldo Antunes Maciel (09/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Saudavel foi ver a publicação de esclarecimentos da diretoria do JCB publicada no nosso site, Acho que explica bem o assunto. Ainda acamado nao deverei poder ir a Assembleia onde apesar de socio da nossa Associação e frequentador das sabatinas do Raia Leve onde fiz muitos amigos, votaria a favor da proposta do retrofit graças a oportuna intervenção do diretor Luiz Oswaldo Leite que por ser profisisonal de sucesso no ramo deveria inclusive ter sido envolvido desde o inicio no estudo do projeto. Reconheço que houve falhas na condução desse processo como em inumeros outros casos e não apenas da atual diretoria. Fui diretor e conselheiro do JCB por creio mai s de 10 anos em 3 diretorias (renunciei no meio na ultima) e discordo da forma como os presidentes conduzem os assuntos, ouvindo apenas 3 ou 4 escolhidos e abrindo mão do acervo de talentos que se pode encontrar quer nas diretorias e conselhos do clube quer no quadro social e de profissionais do Clube.

Vejo no horizonte uma nuvem negra se formando com a formação de uma aliança entre os autenticos turfistas mas opositores da atual diretoria e os socios que ignoram que o JCB foi feito e pertence ao turfe sua razao de ser. Realmente a Diretoria deveria ter adiado a Assembleia, chamado os opositores de boa fé para o dialogo mas o que é lamentável há uma oposição implacável raivosa mesmo, com razao as vezes nas criticas mas injusta na forma fechando a possibilidade de diálogo..

Vou torcer para que seja aprovado o retrofit pois o JCB precisa muito desses recursos e voltar a estaca zero me parece arriscado Cuidado turfistas o numero de socios que vieram para o clube pela area social é muito maior que os turfistas e nosso grande desafio é trazê-los para o turfe e não nos aliarmos aos radicais que querem a morte do turfe como possivelmente ocorrerá nesse episódio. 

Ps

sou socio há 50 anos criador e proprietário ha mais de 30 anos (Coudelaria Pelotense)

Eloi de Souza Ferreira (09/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

A Comissão de Corridas do JCB:

Mais uma vez reitero minha solicitação para que analizem com o maior rigor a artrocidade cometida pelo Jockey C. Henrique no 5º Páreo de ontem, onde sem nenhuma habilidade permitiu que sua conduzida chocasse criminosamente com a égua número 2 e por muito pouco derrubou meu Cavalo Sir Winston, que ao que tudo parece, com respeito aos demais competidores tinha reais condições de ganhar o Páreo com relativa facilidade. Aí pergunto, quem paga o prejuízo do proprietário? Quem paga o custeio do meu animal, claro que sou eu. 

Espero que a citada Comissão esteja em alerta absoluto para o que ocorreu no 5º, páreo não ocorra novamente. 

OBSERVAÇÃO: Respeitando a opinião de cada qual que escreve nessa coluna, mas se porventura fosse verdade ser esse Jockey C. Henrique excelente, entendo que sua situação seria por demais complicada, pois assim, afirmaria com a maior certeza, que houve "MÁ FÉ". - Por essa razão ratifico integralmente o que foi postado anteriormente por mim, isto é, falta total de "HABILIDADE".

Cordialmente

Comendador Eloi de Souza Ferreira.’.

Stud Zeca Vascaíno

Stud E & R

Carlos Cesar Ribeiro Batista (08/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Para quem gosta de turfe, o Raia Leve cumpre importante papel no campo das informações sobre o tema. Estranho, porém, que um jóquei sofra queda feia no segundo páreo de domingo e, até agora, nenhuma notícia sobre seu estado tenha sido veiculada. Tanto quanto é importante para os turfistas saber sobre a vitória de Paint Naif e recordar Much Better no Pellegrini, é importante saber sobre as condições em que se encontram os profissionais acidentados.

Atenciosamente,

Carlos Cesar

Jorge Olympio (08/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

"Aula", de C. HENRIQUE  !!!

Quem, como eu, gosta de assistir as corridas do Hipódromo da Gávea, pode observar mais uma brilhante direção do jóquei C. HENRIQUE no 3º páreo deste domingo. Corrido sempre com muita calma e categoria, como lhe é de costume,

C. HENRIQUE manteve o seu pilotado sempre pela baliza 1, aproveitando tudo o que era possível e, no momento certo, tirou o seu pilotado por fora e, em uma enérgica tocada, veio dominar os seus adversários, em cima do disco.

Para completar a "AULA", ainda deu tempo para o "magrelo" fazer posição e comemorar mais uma emocionante vitória do animal MULTISHOW para o nosso amigo Dudu, do Stud JIFE.

Realmente, esta vitória de ontem, deu muito gosto de ver !   Parabéns, C.HENRIQUE !!!

Quando treinadores e proprietários prestarem um pouco de mais de atenção no seu trabalho, com certeza absoluta, você estará entre os 10 jóqueis mais vitoriosos do Hipódromo da Gávea.

Francisco Rodrigues da Silva (08/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Quero parabenizar o joquei V Inacio pela direção segura e tranquila no dorso do animal HUESO BLANCO,levando a vitoria 2 pareo 07/12 e tambem o competente Ricardo Silva.

F Rodrigues

STUD GATA DA SERRA

Ana Rita Albuquerque (08/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

A respeito da negociação da sede do centro do JCB por meio da constituição de um direito real de superfície por 25 anos, que tem por objetivo, dentre outros, a não alienação, revitalização do patrimônio e geração de receita adicional, parece tratar-se de um engodo, do qual não se deu conta a própria diretoria do clube que aprovou o projeto. Pelo que se vê das poucas informações disponibilizadas, não há, decerto, vontade política de se levar adiante o projeto moderno e pioneiro de uma sede social que se mantém por si só, pelas receitas que pode gerar. Enfim, a revitalização é urgente, mas o preço poderá ser muito alto. Não há sequer esclarecimento acerca d as cláusulas penais do ajuste, das condições de entrega do imóvel ao final do prazo (cláusula específica de que não haverá qualquer indenização por parte do concedente JCB) e da adequabilidade das estruturas ao final do prazo. Se não houver o devido cuidado, neste páreo não chegaremos sequer até o final.

Fred D’antonio (08/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Hoje utilizo este espaço, para agradecer, com grande alegria, ao Sr Antonio Moura, pelas gentilíssimas, e afáveis palavras proferidas em razão de um de meus posts

Muito obrigado, pela leitura e atenção. Aproveito para desejar ao caro e entusiasta turfista, um feliz Natal e um maravilhoso ano de 2015. Com vitórias na vida e em nossa paixão comum que esse esporte único e incomparável que é o turfe.

De todo o coração, e com meu fraterno abraço,

Fred.

Marco Antonio Santos (08/12/2014) - Niteroi/RJ

Reservei o Domingo para assistir as corridas do JCB, Costumo acompanhar as carreiras da Argentina e do Chile. Mas neste Domingo, correu-se em La Plata e as imagens vinda do hipódromo não são de boa qualidade.

Me chamou em especial a atenção o páreo de # 3, pois tinha no páreo 3 animais do treinador J Borges de 3 proprietários diferentes. Dada a largada o favorito Velvet Boy assumiu a ponta , quando surgiu por dentro dele , forçando o Novo Mercado, e no ato o piloto V Borges tomou um susto, e o levou a meio de raia. O cavalo Novo Mercado, correu de mais e tirou as chances do Velvet Boy. Nos metros finais apareceu o Multishow e fuzilou a parceria. Agora faço algumas considerações :

1 ) O cavalo Multishow era um dos azares do páreo.

2 ) Acho que o piloto de Novo Mercado, foi orientado a fazer a correr daquela maneira.

3 ) Acredito que os proprietários dos outros 2 animais do treinador, foram prejudicados em detrimento do vencedor.

4 ) Esta na hora de estender o conceito de parelha, também ao treinador, como se faz em Palermo na Argentina,

no primeiro momento vai diminuir o número de concorrentes, mas a médio prazo fará com que os proprietários procurem novos profissionais, criando novos postos de trabalho e acabando com as oligarquias instaladas no JCB.

5 ) Infelizmente o que se fala, é tudo verdade !

Mário T. Schwartz (08/12/2014) - Niteroi/RJ

Mensagens psicografadas a bordo do seu conveJrsível Além Túmulo pelo amigo Marcos Antonio da Silva. 

Pesquisas arqueológicas no Fraldário da Debret encontraram vestígios da mais recente peleja, nas quadras descobertas, entre os veteranos do Rosita Sofia e os juniores do Santa Genoveva com patrocínio oficial dos produtos Kichute, Nenê-dent e Córega. Polaroid com fotos do almirante Neymar Jr Apimentado, Dom-Dom do Andaraí, Marcelinho do Carioca e Biro-Biro do Vidigal foram também preservadas para a posteridade.

O restaurante MARAKUTHAI, filial do paulistano dos Jardins, estreará em breve no Shopping Gávea-Jardim Botânico, associado ao Alagadiços Privé/Prime sempre abençoado pelo Cristo Redentor.

O generoso Noel desceu, na calada da noite, iluminado pelo Cristo Redentor, no parque da Brecha e distribuiu presentinhos para 20 abnegados colaboradores. Regabofe patrocinado por Drurys, Sangue de Boi e Victoria’s Secret. 

Filial da Barbearia e Salão da Debret convocou por edital a entrada de novo coiffeur na sede do Jardim Botânico. Pombos’s Coiffeur voou nas asas do Cristo Redentor e tem preferência sobre o Gata da Vizinha que perdeu pontos na concorrência: saiu esperneando do Gelli e deixou escapar botox capilar nas vilas hípicas

A drag queen ficou retida na alfândega dos Países Baixos por esconder kit clandestino da Global Lambisgoia Express. 

DEZcomjuros! VINTEsemjuros! 

Elton Pereira de Souza (08/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Quando deveria-se falar de mais uma vitória magnífica deste craque que é o potro Paint Naif aqui só se fala de um tal de Retrofit (que nem procurei saber o que é...) e daqueles assuntos chatos de política que não interessam a uma grande maioria. 

Paulo Gama vem escrevendo mais aqui, abrilhantando mais o site falando de cavalos que é o que interessa, mas tem uma galera que insiste com os assuntos chatos, ressucitando os mesmos quando nem se fala mais...

E sobre o fim da parceria Paulo Gama/V.Borges só tem uma explicação: RICARDINHO VEM AÍ!

Uma boa semana a todos!

Eloi de Souza Ferreira (07/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

A Comissão de Corridas do Jockey Club Brasileiro:

Venho por meio desta expressar minha indignação com a "TOURADA" promovida pelo Jóckey C. Henrique no 5º Páreo conduzindo a égua Cara Mari, acho até que não houve maldade, entretanto entendo que houve falta de habilidade, que é muito mais grave. Meu cavalo Sir Winston e o Jockey V. Borges poderiam ter sofrido um gravíssimo acidente e ainda mais poderia acontecer o seguinte:

* Patas quebradas de qualquer outro animal;

* Outros companheiros de trabalho caindo, se machucando ou até morrendo.

Será que tem que acontecer o pior para que alguém puna condignamente esses profissionais que deveriam voltar a Escola de Aprendizes ou então esse Jockey ser punído com o rigor que a situação merece, para que ele se aprimore profissionalmente e não se torne o precurssor dessa indignidade e falta de profissionalismo com seus colegas de profissão.

Sinceramente como proprietário de PSI, declaro que se essa prática adotada pelo Jockey C. Henrique não for exemplarmente punida por essa Comissão, a atuação e credibidade "COMO ÓRGÃO FISCALIZADOR" do Jockey Club Brasileiro ficará manchada e denegrida no que concerne aos membros que a compõem.

Atenciosamente

Comendador Eloi de Souza Ferreira.’.

Stud Zeca Vascaíno

Stud E & R

Fabio Amorim (07/12/2014) - Pelotas/RS

Presidente ,Parabéns pela sua administração , gostaria de saber qual previsão para pista de grama ficar pronta

Luiz Fernando Dannemann (07/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Caro Roberto, Agenor e Antonio,

Passo a admitir a existência de uma madrinha perversa ou ossada enterrada em algum lugar do JCB! 

Senão vejam: Para alienar aquela área, sem adjetivos, às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, no coração da zona sul da cidade, uma só empresa se interessou; Para alienar agora aquele prédio no lugar mais nobre do centro da cidade, novamente uma só empresa se apresentou. Ou é praga de madrinha ou caveira de burro

E olha que o valor do aluguel que eles aceitaram pelo prédio é uma pechincha... Coisa de pai pra filho. Pra vocês terem uma noção, uma vaga de garagem no Terminal Menezes Cortes (podem acessar o site www.tgmc.com.br), que nem de longe se compara com o nosso prédio, sai pela bagatela de oitocentas pratas por mês, o que multiplicado pelas 250 vagas que estão sendo cedidas seriam no mínimo R$ 200 mil. 

Por isso o Luis Oswaldo chiou na reunião do conselho achando um desaforo a diretoria e o conselho aprovarem o aluguel do prédio inteiro (incluindo as vagas) por R$ 210 mil pratas... O que significava dizer que o prédio sem as vagas, incluindo a cobertura e os jardins do Burle Marx quase foram alugados por R$ 10 mil reais se aquela alma caridosa não estivesse presente. 

Com relação ao texto contra o turfe naquela novela no horário nobre, esta iniciativa faz parte do “pacote” fechado entre a emissora e a atual diretoria, o roteiro da novela Império está inserido no programa: “Projetos de Marketing”, fazendo parte ainda do novo conceito que o JCB está experimentando cuja largada foi dada com o novo site de apostas: “Falem mal, mas falem de mim”.

No sentido de dar uma RECIPROCIDADE extra ao sistema Globo de comunicação pelo capítulo que vai ao ar na segunda feira, vem aí uma grande matéria paga (opinião de expressão) na próxima terça feira, onde os frondosos cofres do Jockey Club Brasileiro vão abrir as portas para alegria da INFOGLOBO da família Marinho. 

Com a grana dos sócios é mole... Durante a campanha deles para assumir o poder do clube em 2012, esta gente não meteu a mão no bolso nem pra dividir anúncio fúnebre na sessão de obituário do jornal Extra. 

E ainda dizem que cavalo não sobe escada!

Rubens Luiz Ferreira Gusso (07/12/2014) - Curitiba/PR

Lançamento do livro "Crônicas de Uma Paixão" - Memórias de Um Veterinário!

Autor : Darar William Zraik (41-91069868. 41-32972740)

Local: Aurora Bar Happy Hour Avenida Vicente Machado 803. Esquina com Visconde Taunay. Centro. Curitiba-PR

Data e Horário: A partir das 18.30 dia dez de dezembro de 2014.

Agenor Pereira da Silva (07/12/2014) - Rio de Janeiro

Sr. Antonio Moura

O sr. está coberto de razão. Como pode o JCB admitir tal situação vexatória imposta pela Rede Globo em cada vez mais denegrir a imagem do turfe ?

O JCB, através da sua Vice Presidencia Jurídica deveria IMEDIATAMENTE entrar com uma ação contra a Rede Globo. No mínimo uma notificação extra judicial. Mostrar a Rede Globo que o turfe emprega dezenas de milhares de pessoas e estas se sentem constrangidas e com vergonha de dizer que trabalham no Jockey.

E ainda por cima, o JCB gasta dinheiro fazendo publicidade periódicamente no Jornal O Globo !!!

O que eu não sei é se este setor do JCB tem capacidade para topar essa briga ou é melhor delegar e contratar um Escritório de Advocacia de renome, como por exemplo do ex-Presidente do JCB, Dr. Taunay, para reparar a atitude da Globo.

Roberto Azevedo (07/12/2014) - Rio de Janeiro

Muito hilário !

Pau de dá em Chico, bate em Francisco !

Este editorial do Raia Leve deve estar atormentando a cabeça da diretoria atual. Acho que usaram da mesma estratégia que esta atual diretoria usou quando documentos "apareceram" na auge da guerra com o ex presidente LECCA. Aí começou a derrocada do LECCA

Agora, documentos também apareceram, só que contra eles.

Acho que o barco começou a fazer água !

 

Carlos Roberto Aguiar (07/12/2014) - Belo Horizonte

Prezados turfistas

Alguém está conseguindo jogar no novo site de apostas ?

Está muito confuso.

Chega a dar raiva ficar tentando e não conseguir. Deveriam ter feito uma coisa mais simples e eficiente.

Hoje vou só assistir as corridas !

Meu boa sorte a todos

 

Antonio Moura (07/12/2014) - Niteroi/RJ

ESTRANHA PARCERIA

Com todo o reconhecimento pela grandiosa estrutura da TV Globo e sua inegável chancela de qualidade em todos os segmentos, não tem cabimento em insistirem na tecla, autores e diretores de novelas, de mostrar ao grande público o tipo de aficionados que eles entendem ser regra geral entre as pessoas que apreciam corridas de cavalo.

A cena no capítulo de ontem na novela "Império", que bate todos os índices de audiência no horário, onde o pai da mocinha aposta todo um saco de dinheiro num azarão que rateia 800 por 1 (?), é deprimente e nem mesmo retrata uma verdade do jogo; cavalo nenhum paga tão alto rateio e muito menos após receber aposta tão vultuosa.

Em suma: em se tratando de parcerias, esta com o Canal 4 parece que foi interpretada de maneira equivocada.

Uma administração exclusivamente voltada para a defesa do Clube e do Turfe como atividade produtiva, entraria no dia seguinte em Juízo com uma Ação de Perdas e Danos.

Antonio Moura

João Carlos Almeida (07/12/2014) - São Paulo

A coisa está feia na gávea. A diretoria eleita pelos turfistas, além de logo no início da gestão desagradar seus apoiadores, agora parece que está em pé de guerra com os sócios do clube que sequer sabem onde fica o rabo do cavalo, e pelo que me consta é quem tem força de eleger o presidente.

O não atendimento e sequer falta de resposta ao pleito destes sócios é no minimo uma grande falta de educação da diretoria do JCB.

Algo me diz que estão cavando sua sepultura.

 

Jose Antonio Barros (07/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Não estou conseguindo abrir o site antigo de apostas, o novo está abrindo mais é uma droga, se tiraram de vez o antigo, que espero não tenha acontecido e que seja um problema temporário, e não avisaram ao apostador vai ser mais uma grande burrice das várias feitas pelos incompetntes do jcb esse ano, pois a dificuldade e o tempo perdido para apostar vai fazer muitos apostadores desistirem de apostar pela web.

Antonio Moura (07/12/2014) - Niteroi/RJ

Sr. Fred d’Antonio,

Simplesmente irretocável seu texto de ainda há pouco, inclusive no que se refere à ação dos agentes de montaria. Sempre entendi dessa maneira - o turfe, atividade como qualquer outra e sujeito à implacável Lei da Oferta e da Procura. Aos melhores pilotos as melhores montarias; assim nas corridas de cavalo como na Fórmula-1.

Lamento, apenas, que não possa mais utilizar, como intencionava. com relação às inscrições e resultados estapafúrdios, o axioma utilizado pelo atento turfista. Eu o conheço adaptado à corôa real inglesa, mas nem por isso menos legítimo - "à mulher do Rei não basta ser honesta, é necessário parecer honesta". De qualquer forma, caiu como uma luva para o atual momento.

Desejo-lhe um feliz Natal e muito boa sorte nas apostas.

Antonio José Pais de Moura

Fred D’antonio (07/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

O turfe tem dessas coisas! Confesso minha ignorância em relação ao Leaguer, mas aproveito o gancho para falar da tristeza que é não poder ver nossos craques sulamericanos em disputa conjunta. Bal a Bali esse ano foi sensacional, e eu tive a oportunidade de assistir com meus próprios olhos a vitória de Sir Fever na Polla de Potrillos, primeira prova da tríplece coroa uruguaia, em parte, é claro por causa da especial proximidade que tenho com aquela MARAVILHOSA Montevideo. O cavalo foi tríplece coroado, 10 saídas 10 vitórias, sempre na condução de Ferico Piriz, marido da proprietária e filho do treinador. Que máquina. Tenho aqui emoldurado em meu escritório a página da revista Invasor, principal órgão de divulgação turfística uruguaia. Imagine essas máquinas correndo juntas???

Em tempo, Sir Fever foi vendido há 15 dias por 1 milhão e meio de dólares. Correrá em Dubai.

Fred D’antonio (06/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezados senhores Moura e Magalhães, este humilde D’Antonio pede licença para tecer breves comentários sobre os vossos.

Em primeiro lugar, está cheio, repleto, eu diria grávido de razão, o comentário que fala sobre as múltiplas inscrições de treinadores, com resultados, que muito embora eu não coloque em suspeição, geram graves danos à própria vontade do apostador de continuar colocando seu dinheiro em páreos. Como se diz: "Não basta à mulher de César ser honesta, ela tem que aparentar honestidade." Todos nós sabemos qual o páreo referido, mas o missivista com grande controle e dignidade não citou nomes. Também eu não o farei.

Em relação ao Léo, um jovem de 22 anos interessado em narração turfística, não sei quais as razões que levaram a seu afastamento, ouvi boas narrações dele, muito acima da média do que se poderia esperar de um homem tão novo e que mostra inegável talento e aptidão para o ofício. Se não tivermos renovação, em 6 ou 8 anos, no máximo não teremos narradores no eixo Rio- Sampa.

Por fim um assunto polêmico. Não vejo a menor necessidade de jóqueis brasileiros terem agenciadores. São pouquíssimos, todos os conhecem, basta ao proprietário buscar um contrato ou disponibilidade de montaria. Vágner Borges teria rompido com seu agente, continuará ele sendo o mesmo piloto que é: conhecido por um grande futuro, dono de peso e físico ideais, todavia, um piloto que alterna excelentes e maus momentos; hoje o julgo como um bom jòquei, com chances de se tornar um dos grandes, mas porque oferecer a ele as melhores montarias, que falseiam resultados que seriam dignos de um Leguisamo? Existem outros bons rapazes na briga. Os aprendizes, pela descarga não levo em conta, mas o grande problema tem sido o peso dos pilotos em geral. Acredito que pelo biotipo e pelas carreiras que vêm se avolumando em Pernambuco, em breve nossos maiores pilotos serão nordestinos.

Por fim: corroborando com o que disse, o vitorioso piloto Eurico Rosa concedeu há alguns anos à tv do JCSP uma entrevista em que dizia que nos EUA, e Canadá, pelo grande número de jóqueis e treinadores, todos precisavam de agentes, e ele mesmo só conseguiu obter sucesso por isso, mas completou o bridão com os mesmos argumentos por mim utilizados. Qual a razão de tê-los aqui????

Abraços, FRED D’ANTONIO

Marco Antonio Santos (06/12/2014) - Niteroi/RJ

Coisas do Turfe !

Hipódromo Chile GP Leager , umas das principais provas do calendário do ano.

Cavalo Il Campione, favorito, acredito eu na América do Sul o melhor .

Derrubou o Jinete na largada, que pecado !

Antonio Moura (06/12/2014) - Niteroi/RJ

ÚLTIMO ATO

.. e quando se imaginava já termos assistido a tudo de imponderável que só as corridas de cavalo podem apresentar, - eis que num páreo de apenas seis competidores vendendo jogo, vai para o topo do placar a dupla daqueles cujo treinamento são era de responsabilidade do treinador que inscreveu nada menos do que quatro animais.

Assim não há projeto de marketing, não há administração, não há mágica e nem paciência que possibilite o aumento do MGA e ajude a recuperar a já tão combalida atividade turfe.

Mas sou capaz de apostar que nem a CC e muito menos a legião de admiradores do treinador em questão, nada observaram que afetasse os padrões da normalidade e da ética (para não usar adjetivo mais contundente).

Cai o pano!

Antonio Moura

Vicente V. Magalhães (06/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Prezados Senhores,

Fiquei sabendo que Leonardo Gomes não é mais narrador do JCB.

Garoto de futuro com brilhantes narrações.

Gostaria de saber se existe a possibilidade dos senhores fazerem uma enquete sobre o desejo ou não dos turfistas quererem a volta do mesmo.

Atenciosamente,

Vicente V. Magalhães

Josué Lacerda da Silva (05/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Senhor Hélio Balsa, perdoe a colocação mas gostaria de deixar que jamais o fiz em tom de crítica em relação às suas palavras.

Não se deixe estressar por algo que não vale a pena.

Minha afirmativa continha muito mais de questionamento do que de certeza. O que me confundiu foi o fato de já ter visto esse ilustre treinador, assim como nosso não menos ilustre, senhor Desidério, haver inscrito quatro cavalos em um páreo.

Peço desculpas por ter interpretado mal suas palavras e seguirei suas orientações quanto à leitura do código.

Senhor Antonio Moura, já percebi que, em muito, pensamos dentro de uma mesma dimensão. "..Deus salve aos honestos e trabalhadores!".

Quanto ao treinador J. Guerra, já é do meu conhecimento sua honradíssima postura profissional e caráter humano.

Abraços e um bom final de semana para ambos senhores!"

Gabriela Schlömer (05/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Conforme solicitado pela Diretoria do JCB, encaminho no anexo a carta:

Prezados sócios e sócias,

Em atenção aos termos da temerária publicação veiculada no site do Raia Leve, subscrita pela Diretoria da ACPCPSI, intitulada “Por que votar contra a atual proposta para o Retrofit da sede do centro”, a Diretoria do Jockey Club Brasileiro solicitou a veiculação da presente resposta, para esclarecer os fatos e, em consequência, apresentar as verdadeiras informações relacionadas ao projeto de Retrofit da Sede do Centro.

Nos termos do que foi recentemente veiculado na  carta do Presidente do JCB, de modo a viabilizar o vultoso projeto de Retrofit – que envolve milhões de reais – foram convidadas 23 renomadas empresas para processo licitatório, sendo a Vinci Real Estate (“VINCI”) a ÚNICA empresa a apresentar, dentro do prazo do edital, proposta para exploração comercial da área. Assim, considerando a tempestividade da única proposta apresentada, resta afastada a irresponsável e infundada afirmação feita pela Diretoria da ACPCPSI, de que a proposta da VINCI só teria sido apresentada após o término do processo licitatório.

Apresentada a proposta, o JCB iniciou as negociações com a VINCI para definir as condições específicas do contrato que seria celebrado. No processo de detalhamento da operação, foram aprofundadas as avaliações dos custos e benefícios do projeto para o JCB. Levantados os custos reais com a remoção de alguns locatários das lojas e salas comerciais, o JCB identificou que o projeto de Retrofit, tal como foi apresentado no edital, significaria realizar um grande esforço financeiro para o caixa do clube, na medida em que o ônus de retirar inúmeros locatários – das lojas e salas comerciais – com contratos ainda em vigor e que são fonte, atualmente, de mais de R$ 260.000,00 por mês ficaria com o JCB. Dessa forma, o despejo desses locatários, além de oneroso – indenizações de alguns milhões de reais que o JCB não dispõe – também acarretaria na diminuição das receitas do clube, além de poder significar um atraso importante para o projeto.

Diante dessa situação, a Diretoria do JCB promoveu alterações no projeto,  em benefício  do  clube,  alterando  as  áreas  que  seriam  exploradas  com  o  Retrofit.  Tais mudanças permitiram a manutenção dos locatários de lojas e salas – mantendo a receita mensal de R$ 260.000,00.

Em contrapartida, o valor oferecido no edital – mínimo de R$ 400.000,00 por mês – foi reduzido para R$ 345.000,00 por mês. No entanto, a receita mantida com as locações das  lojas e salas  – R$ 260.000,00 – somada ao valor mínimo da nova proposta  – R$345.000,00 – demonstra que na verdade há um ganho considerável em favor do JCB.

De todo modo, imprescindível notar que o referido valor representa somente o mínimo que será recebido pelo JCB, na medida em que, na verdade, o interesse do clube é participar do percentual estabelecido sobre o faturamento do investidor – 19% ou 21%, em caso de plena ocupação.

Diante das informações ora prestadas, fica clara a desinformação perpetrada pela publicação da Diretoria da ACPCPSI, na medida em que faz afirmações totalmente desencontradas  com  o  teor  da  proposta  já  veiculada  no  site  social  do  clube  e anteriormente aprovado por quarenta votos contra um pelo Conselho Consultivo e Diretoria do clube. 

Tal conduta, denota uma postura política de oposição por oposição, sem atentar para a atual situação do clube e suas prementes necessidades. Infelizmente, a atual situação financeira do JCB não permite que os investimentos necessários no prédio sejam feitos com o próprio caixa do clube. Por outro lado, é inadmissível a permanência do estado de contínua deterioração do patrimônio do JCB.

Com relação ao formato da proposta com a VINCI, novamente ao contrário do que foi afirmado pela Diretoria da ACPCPSI, não haverá qualquer alienação de patrimônio do clube, mas tão somente a constituição de direito real de superfície em favor de terceiro, tema que será deliberado na A.G.E. de 09.12.2014. A constituição do direito real em favor do investidor se mostra necessária para a garantia dos investimentos que serão realizados.

Ainda  sobre  o  projeto,  importante  ressaltar que  somente  serão  destinados  ao investidor os últimos 03 (três) andares do edifício garagem, preservando a comodidade dos melhores andares – os primeiros – aos sócios do JCB.

Com relação a falsa afirmação de que toda área objeto do Retrofit será, após as obras, locada à VALIA ou à Vale, existindo, dessa forma, “Cartas Marcadas” em toda a operação, informamos que o JCB desconhece qualquer intenção das citadas empresas em locar a futura área reformada.

De qualquer forma, mesmo que exista tal intenção – até então não formalizada – não há possibilidade da referida operação trazer qualquer tipo de prejuízo ao JCB. Isso porque, conforme acima exposto, o JCB participará das receitas auferidas com a locação das áreas, tendo plena ciência de todas as locações que serão firmadas pelo investidor.

Nesse contexto, também é importante notar que o projeto de Retrofit sequer foi aprovado pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, não sendo razoável acreditar que a Vale  ou a  VALIA  estariam  negociando ou se comprometendo com qualquer  operação nessas condições.

No entanto, ao contrário da ideia de prejuízo criada, a locação de toda a área para uma  única  empresa, como  por  exemplo  a  Vale,  traria  maiores  benefícios  ao  JCB,  na medida em que a ocupação plena seria alcançada e o maior percentual (21%) seria devido ao JCB. Assim, inexistente a espalhafatosa teoria de conspiração criada para tumultuar a situação em análise.

Por fim, de modo a demonstrar algumas das vantagens com a operação, destaca-se, por exemplo, que o valor da outorga inicial – R$ 5.500.000,00 – será necessariamente reinvestido na manutenção e modernização das demais áreas do edifício (salas e lojas atualmente  locadas  e  fonte  de  receitas  para  o  clube).  Outro  benefício  que  merece destaque é o eventual prêmio que será devido ao JCB na hipótese de redução dos custos incorridos com as obras civis – 50% da economia verificada.

Diante dos esclarecimentos ora apresentados e que certamente serão complementados durante a A.G.E., Diante dos esclarecimentos ora apresentados e que certamente serão complementados durante a A.G.E., convidamos os sócios a consultarem a  apresentação do projeto de Retrofit e a comparecerem na AGE do dia 09/12, 17:30hs na Tribuna B do Hipódromo da Gávea.

Diretoria do Jockey Club Brasileiro

Antonio Moura (05/12/2014) - Niteroi/RJ

Sr. Josué,

Além de tudo, temos em comum a torcida pelos que, embora trabalhadores e competentes, são menos privilegiados pela sorte.

Um exemplo é o treinador Jonas Guerra, o Guerrinha, integro até a medula e cujo talento no trato do PSI já o levou a vencer um GPBrasil, com Lord Marcos, animal bom ganhador mas longe de ser craque. Pois bem, tem uns quatro ou cinco animais apenas na cocheira e corta-me o coração saber que continua a servir o café da manhã no "padock", nas matinais, para zerar o orçamento familiar. E o faz com a dignidade de um mestre sala, como é de seu feitio em todos os momentos; tenho orgulho de ser seu amigo!

Um grande abraço e obrigado pelas referências.

Antonio Moura

Helio Balsa (05/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Sr Josué Lacerda da Silva

Só para que fique bem claro, eu escrevi -Em primeiro lugar ACHO que um treinador só pode inscrever até três animais num mesmo páreo - não afirmei. Quem souber exatamente o que o Código diz, por favor, nos ilustre.

Helio Balsa

Josué Lacerda da Silva (05/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Obrigado senhor Antonio Moura pelos esclarecimentos em relação às minhas palavras.

Acompanho seus textos e os de alguns outros, não menos notórios, turfistas que por aqui descrevem seus conhecimentos, descontamentos, alegrias, lamúrias, filosofias, etc...

Evidentemente que sempre em defesa do "nosso" turfe, se é que posso denominá-lo de nosso...

Agradeço suas palavras em clara evidência de esclarecimentos quanto às minhas.

Quanto à minha sincera opinião, de coração, eu gostaria que não ganhasse nenhum cavalo desse fantástico, mágico e feliz treinador. 

Por favor, entenda-me, nenhum mal desejo a esse senhor, pelo contrário, que seja sempre protegido e vitorioso. Entretanto, senhor Moura, dentro dos parâmetros turfísticos, minha torcida vai sempre para os menos afortunados.

Muito obrigado, Senhor e boa sorte!

Antonio Moura (05/12/2014) - Niteroi/RJ

Sr. Josué Lacerda da Silva,

Perdi a conta de quantos textos já publiquei no Raia Leve acerca das façanhas deste treinador, cuja idoneidade deve ser mesmo inatacável, como entendem alguns que veem apenas ocorrências inerentes à própria essência do turfe ou, pior ainda, como a douta CC que prefere silenciar sobre as "façanhas" do competente treinador paranaense.

Agora mesmo, dia de passar na Codere da Conceição para saudar alguns amigos, um deles, ao se despedir, soltou esta pérola: "Cuidado, Moura! Hoje é dia do J. Falcatrua".

Um exagero e provavelmente uma injustiça! Mas é a imagem que passa ao público apostador, quando se permite a inscrição de diversos animais no mesmo páreo defendendo fardas diferentes. Seria bom que se apurasse se o animal Matéria Prima mudou mesmo de cocheira ou se trata de teatrinho. O fato é que este animal, antes da sua última vitória sob a responsabilidade do sr. Jairo Borges, já tinha sido apresentado em diversas ocasiões pelo mesmo treinador de hoje, L.R.Vieira, cuja afinidade com o turfe do Paraná é pública e notória.

Uma coisa é certa - quem não quiser pular o páreo tem pela frente um difícil exercício de futurologia; pode até dar a lógica - Matéria Prima dupla com Tibetian (que pode ter um páreo favorável na frente e ir para a foto). Duvido muito!

Antonio Moura

Josué Lacerda da Silva (05/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Senhor HÉLIO BALSA, se o que afirma ( um treinador só pode inscrever até três animais num páreo), eu acho que o senhor está esquecendo que há cerca de uns três meses, o digníssimo treinador J. Borges, num último páreo de uma reunião, a qual não me vem à memória, tinha quatro cavalos inscritos e fez a quadrifeta! Não é fantástico ? Esse senhor deveria ser assuntos predileto do famoso programa dominical da rede globo.

Quanto à pergunta feita por um turfista aqui, cujo nome não guardei, em relação a pergunta de quem ganhará

o quinto páreo de hoje, só poderíamos perguntá-lo à uma entidade extremamente poderosa menos ao próprio treinador! Eu apostaria no de pule maior, porém como o citado treinador é chegado à façanhas dignas do Guines, pode inteligentemente, colocar o favorito em primeiro lugar.

QUE OS DEUSES SALVEM O TURFE DAS PRAGAS E BACTÉRIAS QUE INFESTAM SUAS DEPENDÊNCIAS, AINDA...

Francisco Rodrigues da Silva (05/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

"Da série parte 2" O fake.

Logo saberemos, e chegado ao assunto silicone, coiffeur, unhas porticas perucas loiras

O armário ja esta se abrindo se falar em botox na próxima carta do alem, no próximo carnaval esta desvendado. O armario ficou sem portas

Luiz Fernando Dannemann (05/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

OPALA versus PORSCHE

uma história que tem confundido a cabeça até de colunistas sociais

Muitos sócios estão me ligado pedindo informações sobre este imbróglio que vem expondo negativamente o nosso JCB desde que alguém resolveu “bancar” a alienação da Sede do Centro da Cidade, a La Caetano Veloso (sem lenço e sem documento).

Então, no sentido de tentar explicar, eu resolvi utilizar um exemplo de fácil compreensão para não ter que repetir a versão que está sendo difundida no mundo da internet (“Déjà Vu, To nem Aí e Napoleão se unem e formam triunvirato para enfrentar os Bobos da Corte”).

A BOLA DO PARQUE

O JCB resolveu fazer um dinheirinho extra, daí desencavou um projeto do “finado” LECCA já que a cúpula havia esgotado a sua capacidade de angariar recursos via Taxa de Manutenção, a maneira mais fácil para dar uma oxigenada no caixa do clube nestes tempos difíceis pós Parque da Bola.

E assim foram na garagem do clube e pegaram o único automóvel que – aparentemente -, estava com a documentação em ordem, apto para ser vendido, um OPALA 1982, decidindo, então, pela alienação do carro.

Daí – com intuito de dar máxima transparência ao evento – eles escolheram 23 agências de automóveis para participarem de uma espécie de concorrência, solicitando de cada uma delas uma proposta tomando por base o valor mínimo de R$ 500 mil (quem oferecesse mais, acima daquele piso, levaria o “possante” pra casa).

O PÊNALTI PERDIDO

Após constatar que as 23 agências de automóveis não se interessaram por aquela “máquina" e que a “bola” havia batido na trave, a cúpula do JCB, triste, já frustrada, recebeu a visita de uma das empresas que acenou com uma “solução” para o problema.

Sentado à mesa com a cúpula, esta empresa (que já possuía um cliente certo para vender um determinado automóvel) disse que o OPALA 82 era invendável... Mas que o PORSCHE vermelho (esquecido pelo LECCA na garagem do clube) poderia ter liquides.

A FALTA PRÓXIMA DA ÁREA

Interessada apenas no dinheiro que entraria no caixa do clube, a cúpula concordou em alienar o PORSCHE, tratando de ouvir uma série de outras exigências IMPOSTAS pelos agenciadores, tal como a obtenção de uma GARANTIA do clube em favor deles (ao contrário do que rezava o documento de concorrência), garantia essa que os ressarciria caso o LECCA tentasse anular a venda do seu conversível (com justa razão).

Neste ponto, interrompendo uma grande euforia que já reinava do outro lado da mesa, o agenciador, pedindo calma, disse que ainda assim, mesmo trocando o OPALA pelo PORSCHE, o valor mínimo não poderia ser R$ 500 mil e sim R$ 210 mil mensais.

O GOL DE MÃO

Para surpresa de todos que acompanham de perto esta história, ao invés de chamarem – novamente -, as 22 outras agências para uma nova proposta - desta vez não mais pelo OPALA e sim pelo PORSCHE; desta feita não mais por R$ 500, mas por R$ 210 mil -, a cúpula, talvez não querendo perder mais tempo fazendo uma nova concorrência, resolveu deixar de lado a transparência e partiu ao encontro de diretores e conselheiros para aprovar a proposta em reunião conjunta.

UM PASSE DE GÊNIO

Durante a reunião pede a palavra um diretor (graças a Deus presente) muito entendido no ramo de automóveis, para dizer que: estava tudo bom; que estava tudo bem, que a proposta era muito bonita, muito bem embalada, mas que o PORSCHE não poderia ser vendido por R$ 210, e sim - no mínimo -, por R$ 345 mil.

A “OLA” NO ESTÁDIO

Mesmo assim, com a exceção de uma só pessoa que advertiu do perigo em vender um bem de propriedade de terceiros, daquela maneira, os diretores e conselheiros resolveram apoiar a cúpula do JCB naquela pretensão quase monocrática de vender o PORSCHE do LECCA sem concorrência pelo valor que a única proponente ofertou: R$ 210 mil.

A SÚMULA

Neste ponto uma outra alma caridosa, desta vez um membro do conselho (mesmo após o preço ter sido aprovado em R$ 210 mil), pediu que a cúpula fizesse um esforço junto aos agenciadores no sentido de convencê-los a pagar os R$ 345 mil sugeridos pelo diretor.

Vinte quatro horas depois, como num passe de mágica, mesmo tendo estudado a proposta durante meses e ter chegado à conclusão de que o PORSCHE valia R$ 210 mil, a agência, única proponente, num ato de profunda filantropia e amor ao JCB resolveu aumentar o valor para os R$ 345 mil sugeridos.

A TÁTICA

A primeira versão dá conta de que os R$ 210 mil serviram apenas como “BODE” naquela sala de reuniões;

A segunda versão para a concordância da subida repentina do valor do PORSCHE em mais de 60% (em vinte e quatro horas), é que o mesmo já estaria vendido para outra agência de automóveis, que por sua vez já o teria revendido a um cliente de verdade, o usuário final.

O DRIBLE

Cercada de um enorme mistério dizem que na carta psicografada pelo “translumbrante” Marcos Antonio da Silva a seu amigo Mário T. Schwartz, uma nova VERSÃO teria sido colocada à mesa. 

Consta que o falecido turfista teria revelado que dentro do “porta luvas” do PORSCHE encontrava-se escondida aquela fortuna toda que foi tungada do clube através daquele famoso “Termo Aditivo”, algo que os representantes da agência de automóveis descobriram quando fizeram a vistoria.

APITO FINAL

E assim chegamos nesta AGE aonde a cúpula do JCB vai tentar mostrar aos sócios que a “Agência Sayão” é a melhor e mais confiável agência de automóveis de toda a América Latina (dispensa até concorrência); que o PORSCHE, na verdade, é uma MERDA exibindo num telão fotos da lataria podre, do vidro traseiro quebrado e do motor avariado (provando que o carro nem seria capaz de rodar) e que estariam prestando um favor aos sócios realizando o melhor negócio do mundo para o JCB.

TAPETÃO

Caso algum dos sócios presentes tente argumentar que o PORSCHE deveria servir também aos sócios do clube, e não apenas a terceiros, dizem que a cúpula já estará com a resposta preparada:

“... Fique tranquilo, pois como somos muito respeitadores dos desejos dos sócios do clube, nós estamos exigindo que o PORSCHE seja devolvido ao clube daqui a 50 anos, de forma que ele esteja a sua inteira disposição para ser desfrutado a partir de dezembro de 2065”, ano em que o JCB comemorará a mudança de seu atual Estatuto.

Marco Antonio Santos (05/12/2014) - Niteroi/RJ

Hoje tive tempo e fui conferir no site do J C B a postagem do Sr. José Francisco Silva de 03 12 .

Realmente é inacreditável !

Josué Lacerda da Silva (05/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Senhores, sem qualquer conotação de acusação, porém motivado pela desconfiança (sabe-se que onde há jogo, as "cartas" precisam ser mostradas...); Venho chamar a atenção para um fato que vem ocorrendo comumente com um consagrado treinador, capaz de colocar quatro cavalos nos quatro primeiros lugares num mesmo páreo ! Quero aqui acrescentar que não somente está ocorrendo com um treinador, porém, infelizmente há outros "casos". Até aqui tudo bem, em corridas de cavalos tudo é possível. Agora, colocar os quatro animais no placar em ordem decrescente de rateio é uma façanha extraordinária!!!!!!! Não existem palavras para definir tamanha artimanha. Talvez o melhor termo seja "mágica"! Sou apostador como muitos e humildes o somos também porém não somos tolos. Senhores, a comissão de corridas, se é que tenhamos uma, deveria ser uma comissão de verdade e analisar os fatos sobre alguns treinadores com façanhas mirabolantes. E isso vem ocorrendo há um bom tempo. Verifiquem!f Outro detalhe que voltarei a abordar foi uma recente desclassificação ocorrida no hipódromo, onde qualquer turfista desclassificaria o senhor H. Fernandez para a quarta colocação, sendo ele, evidentemente, o causador dos prejuízos na raia, porém nada ocorreu ao citado jóquei. Sendo desclassificado um animal que sofrera prejuízo. Pasmem! ESTÃO BRINCANDO COM O NOSSO SUADO DINHEIRINHO ?

Mário T. Schwartz (05/12/2014) - Niteroi/RJ

Novas mensagens psicografadas pelo amigo Marcos Antonio da Silva

Déjà Vu, To nem Aí e Napoleão aprimoram a liga UFC para novo enfrentamento na Arena MAMA Gávea aos pés do Cristo Redentor.

Mais uma promoção do Baby Beef Jardim Fleugmático, na Arena MAMA Gávea, o veterano lutador José Maxi-touro - em São Paulo já encaçapou o lutador português Dudu Chassi Corrido - enfrentará o escocês Mussum Ensaboado. A luta em 20 rounds poderá também ser vencida por W.O..

O grande Pombos´s Coiffeur, aluno da tia TIGI da Mangueira, conterrâneo de Rio Tinto, dará uns re-toques no lutador Maxi-touro deixando suas madeixas mais aveludadas e as suas sobrancelhas mais saltitantes, receita aviada pelo Dentista Mascarado.

O prezado Dr. Saraiva, promoção Black Friday Misampli, presenteará , em especial aos coiffeurs de plantão, no primeiro leilão da galeria Solar do Bom Velhinho, uma edição atualizada da Evanildo Bechara.

O Sitio Jogo Virtual Terra Encantada,obra prima do Enigmatico Samsonite, foi embargada por problemas ambientais após o vazamento de 998 ml de silicone do baby doll do Elefante sem rabo e do performático 

strip-tease da loura gelada.

A drag Queen estenderá sua tournée pela Oropa, França e Bahia sempre a bordo do kit gay clandestino da Global Lambisgoia Express. 

DEZcomjuros! VINTEsemjuros!

Antonio Moura (04/12/2014) - Niteroi/RJ

Sr. Christian Sharp,

Sobre o tal 5. páreo de sexta-feira, gostaria de saber se

a) É normal um animal vencer em boa lei e logo a seguir ser entregue a outro treinador?

b) É normal que esse mesmo animal (refiro-me ao bravo Matéria Prima) venha, na seguintechamada, a ser inscrito pelo atual treinador em páreo de apenas seis animais vendendo jogo, sendo que quatro deles sob a responsabilidade do anterior treinador do animal, em tese, o favorito e iminente vencedor?

Por via das dúvidas, limitar-me-ei a observar com a maior atenção o desenrolar do páreo. 

Silenciar, quem há-de?

Antonio Moura

Helio Balsa (04/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Sr Christian Sharp

Em primeiro lugar acho que um treinador só pode inscrever até três animais num mesmo páreo, ou seja, alguém deve ser retirado. Agora quer saber em quem jogar, é fácil, pergunte a CC. Mas lhe aviso se continuar desse jeito o favorito vai acabar ganhando e dando 1000.

Helio Balsa

Christian Sharp (04/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Aos Srs. turfistas

Pergunto : Qual animal irá ganhar o 5º páreo desta sexta feira dia 05/12?

Lembro-lhes que o treinador J.Borges possui quatro animais neste páreo .

Jogo todos eles ou cravo o azarão entre eles ?

Abraços

Jose Roberto Giancristoforo (04/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Lançamento de companha para próximas eleições.

 

1. Abertura do armazém e financiamento aos proprietários de cavalos alojados na gávea.

2. Reabertura do BomBril.

3. Derrubada da Sede Social na Gávea em seu total e transformação da área em cocheiras e área para os cavalos .

4. Aparelhamento e modernização de tudo que se refere a cavalo de corrida e turfe.

5. Sede do centro transformada em sua totalidade como Sede Social e assim aparelhada para os sócios .

6. Reforma dos contratos de locação e comodato para que os mesmos só sejam utilizados por quem prioriza o turfe e corrida de cavalo.

7. Total levantamento de tudo que foi feito pelas administrações anteriores e justiça se algo foi feito fora do regulamento do JCB.

Aguardo adesão .

Jose Francisco Silva (03/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Pasmem senhores, acabei de lê no site do JCB, que dois jovens aprendizes foram orientados pelos coordenadores da escola, Marcelo Cardoso e Rafael Miranda, de tirar sua carta de motorista, para quando passarem a jóquei poder subir para os centros de treinamentos sem precisar carona dos amigos.

Ao invés de orientarem esses jovens a investir o dinheiro acumulado, até mesmo dar entrada num pequeno apartamento, a orientação é que os jovens comprem um automóvel ou uma moto com parte do seu dinheiro e mesmo sem experiência nenhuma de dirigir, os jovens subam as serras nas madrugadas para trabalharem nos centros de treinamentos, abrindo assim mão da carona dos amigos mais experientes.

Será que não existe ninguém mais sensato para dar orientação a esses jovens?

Não poderia deixar de parabenizar o fantástico Paulo Gama pela matéria: 

’Diminuição do rebanho de equinos ameaça programação’

E que final lindo..."A ditadura da formação das provas por uma minoria que nem cavalos possuem é um tiro no pé. E coloca em risco, para muito breve, as corridas de cavalo no Brasil".

Ricardo Schmitt Leal (03/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Gostaria de parabenizar ao Paulo Gama pela belissima materia sobre a criação de cavalos e especialmente pela explicação rápida sobre a formação de páreos na Gávea que sem duvida só tem privilegiado os grandes proprietários.

Parabéns Paulo

abraços

Ricardo Schmitt Leal

Stud Baixo Vidigal

Luiz Fernando Dannemann (03/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

De Síndico para Sindico - uma vergonha interestadual

Torna-se necessária a transcrição abaixo inserida na resolução da Comissão de Corridas – cujo presidente vem sendo elogiado por alguns proprietários nas tradicionais reuniões de sábado da ACPCPSI -, para que a mesma não passe em branco, num clube que vive o momento mais negro da sua história.

José Basano Neto, tradicional criador e proprietário de cavalos que passou a vida inteira investindo o seu dinheiro nesta atividade e que havia perdido o controle durante uma reunião da ABCPCC, inconformado com o teor das palavras proferidas pelo síndico do clube Paulista, deferindo um soco neste ilustre parceiro da Rede Bandeirantes (mas que também foi agredido por correligionários do síndico) acaba de ser SUSPENSO também pelo JCB numa demonstração de que os SÍNDICOS estão juntos, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza... (leia-se apenas na tristeza e na pobreza). 

“a) Tomar conhecimento e ratificar a resolução do Jockey Club de São Paulo suspendendo preventivamente por 30 (trinta) dias, a partir de 10 de novembro de 2014 o proprietário José Basano Netto, por infração do § 1º do artigo 11 do CNC,combinado com o § 3º do artigo 186, e não aceitar a partir desta data inscrições do Haras Basano e Stud K.R.M. até a regularização da situação dos mesmos”. 

Juram que a resolução acima foi encomendada pelo dono do clube... Pobre clube, pobre dono do clube que optou por prejudicar o JCB para “ir com as outras” tal como fez Maria.

Um importante proprietário de cavalos em Cidade Jardim, surpreso com a resolução da C.C. na Gávea, disse-me ao telefone, agora, que ainda bem o JCSP não fez o mesmo quando da suspensão do titular do ETERNAMENTE RIO, suspendendo os animais dele, já que o clube paulista conseguiu sobreviver muitos e muitos meses graças aos investimentos do super amigo Luiz Felipe que para lá transferiu uma cavalhada que mal coube em três grupos de cocheiras.

Se eu não tivesse liquidado os cavalos (agora é covardia) eu proporia uma GREVE de inscrições - como propôs um importante membro da atua diretoria no final do mandato Taunay -, no sentido de exigir o cancelamento desta punição (feita por tabela) já que existem - fora os cavalos que acabam de ser condenados a morte -, profissionais do turfe envolvidos que não possuem qualquer culpa do "amor platônico" entre JCB e JCSP, "paixão" esta que de tão cega está fazendo com que os dois principais clubes se despeçam do futuro. 

Subserviência tem limite!

Luiz Fernando Dannemann (02/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Uma prece...

Venho aqui pedir aos turfistas que frequentam este digno espaço que façam uma oração em solidariedade ao amigo Mandarino que acaba de sofrer o maior abalo que pode ser acometido sobre um ser humano com o passamento repentino da sua querida filha.

Que Deus a proteja assim como a sua família neste momento em que as palavras se tornam inócuas.

Francisco Rodrigues da Silva (02/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

" Ainda da serie psicografadas o FAKE"

A gata do vizinho prefere Armani, BMW, Itaipava e logico o corte vem ca meu puto.

Mas formado pela escola de excelência SENAC.92 e 3° aluno da Tigy N Y, Vidal Sasson e professor da maior academia da América Latina "Werner Coiffeur"

Agora o sr inteligente mas amargurado, pelos seus próprios erros desejo a voce que encontre a paz dentro de ti.

Abraço

F Rodrigues

Stud gata da serra

Luiz Fernando Dannemann (02/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Quanto vale – segunda parte

A coluna do Ancelmo Gois de hoje, no jornal O Globo, dá – novamente -, destaque a locação de todos os andares da sede do centro. Existe – agora -, nas entrelinhas, um tom “comercial”, pressupondo que a(as) pessoa(as) que intermediou (intermediaram) a publicação vai(vão) – desta feita -, pegar a cédula do SIM.

O colunista, o(s) intermediário(s) da publicação, o Gilberto Sayão (citado na “matéria”), a cúpula do JCB, os diretores e conselheiros (que aprovaram a proposta) ainda não conseguiram entender as questões básicas que envolvem este negócio (ou se entenderam estão se fazendo de bobos).

A- Se os associados querem dispor dos andares COMUNS, os que sempre fizeram jus no clube, por 50 anos (25 é conto pra cavalo dormir) já que alugar as áreas de uso administrativo do JCB que foram transferidas para o hipódromo (não por 50 mais por 400 anos), ninguém tem dúvida em fazê-lo; 

B- Se a proposta que está sendo apresentada aos sócios no próximo dia 09, foi apresentada também – da forma como está, RADICALMENTE ALTERADA, tanto em gênero, grau e principalmente número -, às demais 22 empresas anteriormente convidadas.

A cúpula atual; os diretores e conselheiros que aprovaram o projeto como ele se apresentou; os diretores e conselheiros ausentes; a instituição como um todo; o clube; e até o Burle Marx e o Lucio Costa (ambos in memoriam) perderam uma grande oportunidade de agirem com a devida TRANSPARÊNCIA... 

.. já que Tribuna B do Hipódromo da Gávea, no dia 09 de Dezembro de 2014, as 18:00 horas, ao invés de estar sendo preparada aos sócios, deveria ser reservada para receber as 22 empresas anteriormente convidadas (sem entrar no mérito de outras) e ser feito a elas (e não aos sócios) uma ampla exposição da novas CONDIÇÕES que foram vertiginosamente ALTERADAS...

.. Com isso, os sócios numa futura AGE não teriam duvidas em votar, sabedores de que a cúpula do JCB – ao invés de partir para imprensa como se fossem únicos paladinos da moral, das boas condutas e pobres injustiçados -, teriam feito o melhor para o JCB e não apenas para os intermediários do negócio.

Será que é tão difícil de entender isso?

P.S.

Acabo de ser informado que a assessoria da coluna – propositalmente ou não - entendeu errado quanto a participação das 23 empresas, querendo crer que a VINCI teria apresentado a melhor proposta entre TODAS as outras, sem saber, no entanto, que o JCB modificou radicalmente o OBJETO apresentado às demais empresas, negociando isoladamente com os prepostos do Gilberto Sayão, titular do Stud Dois Irmãos, conforme vem declarando através de uma série de comunicados internos.

Jorge Roberto Falci Alves (02/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

FELIZ ANIVERSÁRIO

Quero parabenizar o meu amigo Francisco Saraiva pelos seus 84 anos comemorados hoje.

O popular Chiquinho tá tinindo com uma atividade muito grande e ótimas estórias.Excelente papo.

Treinou entre outros,alguns dos maiores craques Brasileiros,como Aporé,African Boy,Baronius e um dos melhores de todos os tempos;Itajara.

Um abraço e muitas felicidades a vc e Dona Evinha.

Jorge Varetta

Cyro Queiroz Fiuza (01/12/2014) - São Paulo/SP

Repararam que, em plena Black Friday, com todo mundo fazendo algum tipo de promoção (não só na área de produtos mas também na de serviços), os Jockeys Clubs não levantaram um dedo para promover as corridas? Uma promoção de aposta para a sexta ou mesmo no sábado, um páreo com apostas mais baratas, outro com apostas mais caras (e prêmios maiores), um bônus para quem acertasse uma trifeta ou quadrifeta? Não fizeram nada, nenhum dos Jockeys Clubs, de norte a sul..., que eu tenha visto noticiado aqui.

Ponto (negativo) para o pessoal de marketing e comunicação, que deixou a boa oportunidade passar. E parabéns especialmente aos dirigentes, que veem a atividade morrer aos poucos e à mingua, sem esboçarem reação alguma...

Luiz Otavio Silveira (01/12/2014) - Porto Alegre/RS

Boa tarde !!!! Sobre a notícia da morte de 4 animais no JCPE, acho que esse tipo de informação não merece divulgação. Por mais que este site seja lido pelos amantes do esporte, que entendem do assunto e que sabem que estas coisas acontecem no turfe, quanto menos falarmos sobre isso, menos gente fica sabendo. Devemos, sim, internamente, trabalhar pra que essas questões de bem estar animal sejam resolvidas com brevidade para evitar o desgaste perante os leigos e a mídia.
Abraço.

Mário T. Schwartz (01/12/2014) - Niteroi/RJ

Mensagens psicografadas pelo translumbrante amigo Marcos Antonio da Silva

Déjà Vu, To nem Aí e Napoleão se unem e formam triunvirato para enfrentar os Bobos da Corte.

Cristo Redentor desce o morro de skate no pistão do Escocês Voador 20 Anos e rouba a cena na peça “Quase 24 só vale 20 e na mais valia não vale nada” que será encenada em breve no Teatro da Gávea.

Ressurge das cinzas do Parque da Brecha, o corretor Fleugmático, na margem de erro, Enigmático homem da Samsonite, e emplaca mais um empreendimento das suas 7 maravilhas imobiliárias: o Sitio Jogo Virtual Terra Encantada que, quem diria, poderá acabar no Irajá ou no Mercadão de Madureira.

O coiffeur Gata da Vizinha encontra valise da série “Casillero del Diablo veste Prado” e descobre segredos das vilas: o corte sensação “Vem Cá meu Puto” e a coleção de camisetas “Mamãe tô Forte”.

Dentista Mascarado relança coleção “ex-Corega mas não caí” no ensaio geral da escola Aprendizes da Gávea, nova coqueluche do verão pré carnavalesco. 

A drag queen Maria Pau de Vira Tripa, estátua em show de calouros no Alagadiços da Gávea, embarcou para Paris em kit clandestino da Global Lambisgoia Express. 

Elefante sem rabo tenta continuar abanando o rabo e veste baby doll de bolinhas - Coleção Páreo Mole - presente da loura fofoqueira, com enchimento de 999 ml de silicone. 

Desconjuro!

Sebastião Nogueira (01/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Cambiodesligo vai ser ótimo cavalo! E a corrida do Fixador nos EUA para mim for normal para um cavalo que reaparecia de longa parada e não é nada demais já que foi tríplice coroado ganhando de uma geração fraca. 

Saudações turfísticas!

Luiz Fernando Dannemann (01/12/2014) - Rio de Janeiro/RJ

Quanto vale?

A coluna do Ancelmo Gois de hoje, no jornal O Globo, dá destaque a locação de todos os andares da sede do centro mais quatro de garagem. Existe, nas entrelinhas, um ar de critica, pressupondo que a(as) pessoa(as) que plantou(plantaram) a informação vai(vão) pegar a cédula do NÃO.

Após muito refletir e conversar neste final de semana no hipódromo e fora dele com vários sócios do clube (inclusive com o provável presidente da AGE) eu cheguei a conclusão que o assunto que menos interessa aos associados é a preocupação demonstrada pelo Colunista: “quanto vale”... 

Tampouco interessa a eles se o "inquilino" será a VALE, a PETROBRÁS ou o Partido dos Trabalhadores (que assim ficaria num lugar estratégico para receber o “quinquênio”, algo que os funcionários do JCB não tiveram "competência").

O que incomoda a eles é testemunhar a cara-de-pau de uns poucos (pouquíssimos) em querer DEFINIR sozinhos – no que apelidaram de “DITADURA JCB” -, o destino da Sede principal do clube, já que a OPOSIÇÃO nunca venceu a SITUAÇÃO numa Assembléia em toda história do JCB, uma vez que a SITUAÇÃO começa o jogo colocando cerca de 70 gols no placar.

(Quanto a isso vale abrir um parenteses para registrar que um conhecido Conselheiro perguntou a um dos Caciques do clube se ele não iria modificar o Estatuto conforme havia sido exaustivamente prometido durante a campanha. Neste momento, para surpresa deste amigo, o diretor respondeu: "...Tá louco???") 

Os sócios entendem que a simples TENTATIVA de aprovar algo tão complexo com “maioria simples” pode comprometer o futuro do síndico no JCB... Eles entendem, inclusive, que esta AGE é decisiva para a manutenção da sua cadeira (do sofá, da mesa de centro, das mesinhas laterais, e principalmente da cama) a partir de 2016. Ou seja, se ele PERDER esta AGE do dia 09 estará fora... Porém, na opinião deles, isto não quer dizer que se ele VENCER estará dentro. 

Eu imaginei então, cá com os meus botões (porque os cavalos eu já vendi), que ele tenha se colocado – com esta ousada bravata -, naquela situação do cara que está diante do leão: Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, sendo que na última hipótese eu teria um pouco de pena do pobre bichano que pode também morrer por indigestão. 

Quanto a isso eu penso até que possa ser uma espécie de VINGANÇA - ou até um novo FETICHE -, por parte de alguns ETERNAMENTE DERROTADOS em assembleias de querer ganhar mais uma... (eles venceram a última AGO de Prestação de Contas e podem ter gostado da experiência).

O que eu vi que incomoda os sócios, e aí, penso que esta turma pode realmente cair do cavalo (fora o síndico que cairia da cama) - o que viria ser a primeira DERROTA da situação desde 1926 -, é o fato da cúpula não ter se preocupado primeiro em fazer uma espécie de plebiscito (coisa que poderia ser feito por e-mail) para saber dos sócios se eles estariam dispostos a PERDER determinados andares da sede ou não, independente do valor, se 210, 345, 687, ou até um milhão.

Porque “valor” os sócios sabem (de cor e salteado) que por maior que seja, o mais provável que aconteça é que acabe não “valendo” nada...
















12.345

12.439

























  Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro-Sangue Inglês