Cadastre-se e receba novidades:

Nome


E-mail

Ghoul – Stud Verde

Mem Cade Ce – Stud Verde

Gladiador Acteon – Stud HRN

Joka Tango – Stud Lagoa 26

Baccos – Stud Cajuli

Useiroevezeiro – Stud Cariri do Recife

Hotel Dorchester – Stud Cariri do Recife

Amore Mio – Stud Capitão

Manancial – Stud Everest

Hammana – Stud Verde

Casual Elegance – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Faraoh Nilo – Stud Capitão

Baccos – Stud Cajuli

Questor Maximus – Stud Nunes de Miranda

Casual Elegance – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Luigi Bros – Haras Do Morro

Elemento Fatal – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Baccos – Stud Cajuli

Questor Maximus – Stud Nunes de Miranda

Rufus Gê – Stud Nunes de Miranda

Faraoh Nilo – Stud Capitão

Selo Negro – Stud Cajuli

Podolski – Sinval Domingues de Araujo

Energia Important – Stud Gold Black

Kurdish – Stud Capitão

Final Road – Haras do Morro

Acteon Gaúcho – Stud Hulk

Quarteto de Cordas – Haras do Morro

Ombak Bagusse – Haras Clark Leite

Escasa – Haras do Morro








Julho | 2018

Páreo Corrido, por Paulo Gama
03/07/2018 - 09h45min

A CONTAGEM REGRESSIVA PARA VOOS MAIS ALTOS

O aprendiz Bruno Queiroz encerrou o ano hípico de 2.017/2.018, no turfe carioca, com 100 vitórias. A quarta colocação da estatística, atrás apenas de Vagner Borges, Leandro Henrique e Valdinei Gil, deve ser considerada excepcional. E o motivo é muito simples. Enquanto, os três consagrados jóqueis montaram de julho de 2.017 até junho de 2.018, Bruno só iniciou a sua carreira profissional, em meados de 2.018. Não é preciso ser bom em matemática para constatar que se ele mantivesse a sua média de triunfos chegaria as 200 vitórias. Ou seja, acima do próprio campeão, Vagner Borges, que encerrou a temporada com 186. 

Os idiotas da objetividade, como escreveria o extraordinário, Nelson Rodrigues, imediatamente me perguntariam. “Então você aposta as suas fichas nele para ganhador da próxima estatística?”. Bem, aí trata-se de uma outra conversa. Porém, sem medo de errar, eu asseguro, que se o menino estiver atento as várias armadilhas desta difícil profissão, ele tem talento e amplas possibilidades de dar muito trabalho as atuais estrelas da companhia. As emboscadas da profissão de jóquei não aparecem apenas dentro das pistas, na competitividade comum da profissão, e nas rivalidades pessoais entre os atletas. Elas estão por toda parte. Principalmente, na escolha dos amigos e na necessidade de evitar a aproximação de indivíduos indesejáveis. E, acima de tudo, na consciência de se manter amparado no seio familiar. Só a família estará do seu lado nos momentos difíceis. Nas incertezas, nas dúvidas e nos conflitos.

Bruno é um menino simpático, educado e que jamais chega ao hipódromo sem dar bom dia, boa tarde ou boa noite, por onde passa. Corre com malícia, mas corre limpo. Possui um agente de montarias jovem, Lucas Reis, garoto de boa índole, de família, e que realiza belo trabalho com ele. O turfe precisa de ídolos. Qualquer esporte precisa deles. Eles são a mola mestra da atividade esportiva. Quem sabe Bruno Queiroz possa ser um novo Jorge Ricardo? Ou, talvez, um novo Juvenal Machado da Silva? Pode ser exagero. Talvez sim. Talvez não. A gente nunca sabe. As grandes estrelas começam a brilhar de repente. Começam a brilhar sem que a gente se dê conta disso. E, depois que se instalam no meio esportivo, ninguém mais consegue impedir o seu brilho especial.

O resultado do ainda aprendiz Bruno Queiroz merece cuidados especiais da sua família e dos instrutores da escolinha de aprendizes do Jockey Club Brasileiro. Aliás, nada funciona melhor no turfe carioca do que a escolinha. A cada ano, ela revela melhores jóqueis. Realizam um notável trabalho técnico e social, que prepara os garotos para o esporte e para a vida. Bruno é uma estrela em ascensão. Precisa ser blindado para poder alçar voos mais altos. Ninguém duvida mais do seu talento. Ele está tão evidente como o óbvio ululante. Mas, a contagem regressiva para o sucesso é das mais espinhosas. A começar por ter de lidar, através dos meses com a perda gradativa da descarga. Como estes quilinhos da descarga ajudam no mano a mano com as feras. Como estes quilinhos ajudam no cabeça com cabeça nas retas finais dos páreos. E eles vão sumindo, minguando. E aí, o bicho pega!

A tensão e a responsabilidade de montar um Grande Prêmio é infinitamente maior do que atuar apenas em páreos de turma. Como pesa nas costas de um menino ter de dar passos maiores e subir escadarias que parecem intermináveis para chegar a glória. Para enfim, receber a consagração e o reconhecimento. Como é penoso escrever os páreos mais importantes no currículo. Como pode demorar e exigir paciência para se colocar o nome na história. Para ficar para sempre no coração dos fãs. Para ser reverenciado pelos próprios rivais. Para ser lembrado pela eternidade na mente dos turfistas do futuro. Para alguém escrever um livro sobre os seus feitos. Para um dia você chegar a ser o “Homem do Violino”, como Luiz Rigoni ou o “Homem Máquina”, feito Jorge Ricardo. Boa sorte, Bruno Queiroz. Pense grande Bruno Queiroz.

PURO-SANGUE MELHOR APRESENTADO

Givanildo Duarte apresentou em forma exuberante Fly First Class, do Haras Santa Maria de Araras. E com boa direção de Marcelo Gonçalves ela superou rivais de qualidade, mesmo dando vantagem no peso. O campeão, Roberto Solanês, também brilhou na apresentação Química Quântica, do Stud Yellow River, que mostrou futuro nas pistas e contou com Marcelo Almeida em tarde inspirada.

JOQUEADA DA SEMANA

O campeão Vagner Borges parecia estar dirigindo um Kart no dorso de Flyer Baby, do Stud Embalagem. Correu na expectativa e assistiu de camarote a briga das mais ligeiras. Na reta colocou a sua conduzida por dentro, e numa passagem espetacular faturou o páreo como pule das mais generosas. Alegria geral do staff de Daniel Lopes, um treinador com raras qualidades.




<< Anterior Próxima >>










12.909

12.844

















Coudelaria Atafona

Coudelaria FBL

Coudelaria Intimate Friends

Coudelaria Jessica

Coudelaria Pelotense

Haras Clark Leite

Haras Iposeiras

Haras Depigua

Haras do Morro

Haras Old Friends

Haras Planície

Haras Vale do Stucky

Jorge Olympio
Teixeira dos Santos

Ronaldo Cramer
Moraes Veiga

Stud 13 de Recife

Stud Brocoió

Stud Cajuli

Stud Capitão

Stud Cariri do Recife

Stud Elle Et Moi

Stud Everest

Stud Gold Black

Stud H & R

Stud Hulk

Stud Ilse

Stud La Nave Va

Stud Palura

Stud Quando Será?

Stud Recanto do Derby

Stud Rotterdam

Stud Spumao

Stud Terceira Margem

Stud Turfe

Stud Verde

Stud Wall Street

  Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro-Sangue Inglês