Cadastre-se e receba novidades:

Nome


E-mail

Mac Bol – Jorge Olympio Teixeira dos Santos

Hunter – Stud Everest

Natural Champion – Coudelaria Jéssica

Joka Tango – Stud Lagoa 26

Mem Cade Ce – Stud Verde

Gladiador Acteon – Stud HRN

Furacão – Stud Ilse

Maestro da Serra – Stud Cajuli

Jorge Cassas – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Ghoul – Stud Verde

Energia Istambul – Stud Ilse

Madame Renata – Stud Palura

Luigi Bros – Haras do Morro

Over–Mint – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Ghoul – Stud Verde

Mem Cade Ce – Stud Verde

Gladiador Acteon – Stud HRN

Joka Tango – Stud Lagoa 26

Baccos – Stud Cajuli

Useiroevezeiro – Stud Cariri do Recife

Hotel Dorchester – Stud Cariri do Recife

Amore Mio – Stud Capitão

Manancial – Stud Everest

Hammana – Stud Verde

Casual Elegance – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Faraoh Nilo – Stud Capitão

Baccos – Stud Cajuli

Questor Maximus – Stud Nunes de Miranda

Casual Elegance – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Luigi Bros – Haras Do Morro








Maio | 2018

Páreo Corrido, por Paulo Gama
02/05/2018 - 09h50min

GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO EM RITMO DE MATINÊ

O turfista tradicional, acostumado há longos anos com o mesmo ritual, deve ficar atento no próximo domingo. O festival do Grande Prêmio São Paulo de turfe deste ano, devido aos problemas com a energia elétrica dos refletores do Hipódromo de Cidade Jardim, começará bem mais cedo. A exemplo do que acontece em algumas cidades do interior do país, a largada dos primeiros páreos de sábado e domingo acontecerá antes da hora do almoço. No sábado, a penca de 700 metros, páreo extra, Prêmio José Stephanes Ferreira Gringo, terá partida dada às 12h15m, e o primeiro páreo do programa, às 12h40m. E no domingo, dia da prova magna paulista, o turfista terá um páreo extra da raça Quarto de Milha, às 11h da matina, e um GP Wathba Stallions Cup In The Year of Zayed, da raça árabe, às 11h30m. A Prova Especial Clackson, a primeira do programa de puros-sangues, ocorrerá ao meio dia.

O inusitado horário das corridas, entretanto, não impedirá o sucesso do Festival. Muito pelo contrário. Com certeza, o Hipódromo de Cidade Jardim receberá ótimo público e o reforço das crianças e adolescentes na companhia dos pais turfistas. Com o término das reuniões de sábado e domingo, previstos para ás 17h10m, ou seja, ainda a luz do dia, haverá tempo para comer uma pizza, pegar a sessão das 18h nos cinemas, ou até mesmo dar uma passada nos excelentes shoppings da capital paulista. E nas raias, existe a garantia de qualidade, com a presença confirmada dos melhores cavalos, éguas e jóqueis do turfe brasileiro. Um programa diferente e promissor também para os leigos e curiosos que ainda desconhecem a magia do turfe.

O Grande Prêmio São Paulo teve a sua história escrita por grandes craques através dos anos. E treinadores e jóqueis consagrados tiveram o privilégio de serem coadjuvantes de luxo destes inesquecíveis campeões. No meu caso, como carioca, tive a emoção de compartilhar triunfos fantásticos de alguns jóqueis oriundos do turfe carioca, em momentos marcantes de consagração na abençoada raia de Cidade Jardim. No dorso de Grimaldi, de Delmar Biazolli Martins, o alagoano, Juvenal Machado da Silva, teve de dar uma das direções mais belas de sua carreira, para obter o triunfo. Uma reta de arrepiar com três cavalos lutando cabeça a cabeça até o disco.

O freio Gonçalino Feijó de Almeida, o eterno Goncinha, também brilhou com duas éguas extraordinárias, Bretagne e Cisplatine, da Fazenda Mondesir, e brindou o público bandeirante com duas direções principescas para escrever no seu currículo o triunfo na maior prova do turfe de São Paulo. E Jorge Ricardo, com Macbeth, do Stud TNT, e com o excepcional Much Better, do mesmo proprietário, também levantou a prova em duas oportunidades. Este último sucesso obtido num dos dias mais tristes da história do esporte brasileiro. O dia da trágica morte de Ayrton Senna. Um triunfo regado por incontáveis lágrimas da assistência, dentro e fora das pistas. 

Uma prova do gabarito do Grande Prêmio São Paulo, com todo o seu carisma e encanto pessoal, não depende de conveniência de horário ou de qualquer outro fator que seja. Ela é garantia de emoção, de paixão e de sucesso. Não importa o momento em que a sociedade vive e nem as suas dificuldades. A cada largada destes inúmeros clássicos, impecavelmente chamados e preparados pela Comissão de Corridas paulista, haverá aquele frio na barriga, aquela expectativa de conquistar a glória. Enfim, aquele frenesi no sangue do turfista que só ele é capaz de sentir e que não precisa explicar. Vamos acompanhar com atenção o festival. E recuperar o fôlego. Afinal, logo depois, no mês seguinte, a história se repetirá aqui na Gávea. No dia 10 de junho teremos mais um Grande Prêmio Brasil. Haja coração para estes dois eventos com tal proximidade!

PSI MELHOR APRESENTADO

Venâncio Nahid esbanjou categoria na apresentação dos dois ganhadores dos clássicos de potros e potrancas. Difícil dizer qual deles estava mais bonito e bem apresentado. Black Cello, do Stud BL, merece destaque por ter estreado em 1.000 metros, e depois de curar as dores de canela voltar com vitória esmagadora numa prova de Grupo II, o GP Conde de Herzberg, em 1.500 metros. É craque! Mas a beleza e a formosura de Platine, do Haras Doce Vale, também impressionou.

JOQUEADA DA SEMANA

Wesley Silva Cardoso esteve impecável no dorso de Platine no GP Adayr Eyras de Araújo. Durante o percurso demonstrou ter plena consciência da condição de craque de sua conduzida. E por isso, jamais se afobou. Não queria atrapalhar a sua performance. Apenas deixou que ela acompanhasse o ritmo da prova como expectadora privilegiada. E, na reta final, a fez correr na hora certa para conquistar importante triunfo de Grupo III. Bom jóquei. E a cada dia amadurecendo.

PERSONAGEM

A gente se sente uma pessoa melhor quando consegue se emocionar e ficar feliz com a alegria de alguém. O sorriso quase infantil e as bochechas vermelhas pela emoção. Os braços abertos para o alto como se quisesse abraçar o céu. Talvez até abraçar o mundo. Victória Mota ficou tão feliz no dorso do potro Black Cello após o triunfo no GP Conde de Herzberg, que me senti recompensado por nunca ter desistido dela. E nem do seu grande talento. Algumas pessoas que torcem contra ela por mero preconceito não têm ideia do coração, da bravura e da raça desta menina. Poucas oportunidades, incompreensão e rejeição gratuita. Mas nada a faz desistir. Ela vai em frente. Parabéns aos titulares do Stud BL pelas oportunidades que dão a garota. Parabéns ao treinador Venâncio Nahid, responsável pelo preparo dos cavalos de algumas das mais belas vitórias de sua curta carreira profissional. E também a minha solidariedade aos seus pais, Alex Mota e Juliana Dias, sempre ao lado dela.




<< Anterior Próxima >>










12.920

12.844

















Coudelaria Atafona

Coudelaria FBL

Coudelaria Intimate Friends

Coudelaria Jessica

Coudelaria Pelotense

Haras Clark Leite

Haras Iposeiras

Haras Depigua

Haras do Morro

Haras Old Friends

Haras Planície

Haras Vale do Stucky

Jorge Olympio
Teixeira dos Santos

Ronaldo Cramer
Moraes Veiga

Stud Brocoió

Stud Cajuli

Stud Capitão

Stud Cariri do Recife

Stud Elle Et Moi

Stud Everest

Stud Gold Black

Stud H & R

Stud Hulk

Stud Ilse

Stud La Nave Va

Stud Palura

Stud Quando Será?

Stud Recanto do Derby

Stud Rotterdam

Stud Spumao

Stud Terceira Margem

Stud Turfe

Stud Verde

Stud Wall Street

  Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro-Sangue Inglês