Cadastre-se e receba novidades:

Nome


E-mail

Faraoh Nilo – Stud Capitão

Questor Maximus – Stud Nunes de Miranda

Casual Elegance – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Luigi Bros – Haras Do Morro

Elemento Fatal – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Baccos – Stud Cajuli

Questor Maximus – Stud Nunes de Miranda

Rufus Gê – Stud Nunes de Miranda

Faraoh Nilo – Stud Capitão

Selo Negro – Stud Cajuli

Podolski – Sinval Domingues de Araujo

Energia Important – Stud Gold Black

Kurdish – Stud Capitão

Final Road – Haras do Morro

Acteon Gaúcho – Stud Hulk

Quarteto de Cordas – Haras do Morro

Ombak Bagusse – Haras Clark Leite

Escasa – Haras do Morro

Roi Plantegenêt – Stud Nunes de Miranda

Isola Di Fiori – Haras do Morro

Dracarys – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Lookforthestars – Haras do Morro

Agassi – Stud Verde

Verso e Prosa – Stud Ilse

Last Hope – Coudelaria Jessica

Ghoul – Stud Verde

Famous Italian – Stud Palura

Risada Gaucha – Coudelaria Pelotense

Violino Solo – Haras do Morro

Gone Hollywood – Stud Verde








Janeiro | 2018

Páreo Corrido, por Paulo Gama
03/01/2018 - 09h25min

PERSPECTIVAS, SOLUÇÕES E ALTERNATIVAS DO TURFE EM 2.018

Ano novo deveria ser sinônimo de vida nova. No caso do turfe brasileiro, nem tanto. O esporte tem apresentado alguns problemas crônicos. E nem todos podem ser atribuídos somente a crise financeira do país. Evidentemente, as dificuldades sociais e políticos que afligem a saúde, a segurança pública e a educação respigam nas demais atividades. Entretanto, em alguns aspectos específicos da atividade turfística parece possível tentar evoluir através da mobilização de todas as partes interessadas no sucesso desta atividade que emprega milhares de cidadãos brasileiros.

As dotações dos páreos necessitam de um reajuste imediato. A relação entre a despesa com o trato mensal dos puros-sangues e os prêmios destinados aos seus proprietários está absurdamente desfavorável. Hoje em dia só os grã-finos podem ter cavalos de corrida. Em outros tempos era fato comum um grupo de universitários, de amigos ou de vizinhos dividiram a despesa para ter a alegria de juntos acompanharem o seu cavalinho. Torcer por ele. Com a equação desigual de agora ninguém mais se aventura neste tipo de empreitada. Investir no aumento dos prêmios com certeza poderá render bons frutos para os clubes hípicos.

Outro aspecto fundamental nas dificuldades enfrentadas pelo turfe brasileiro é o divórcio absoluto com os meios de comunicação de massa. Este litígio aconteceu de forma gradativa, através dos anos, e não foi tomada nenhuma providência no sentido de reaproximar a atividade turfística dos canais responsáveis pela divulgação dos esportes. Sou do tempo em que os jornais liberavam página diária para o turfe, O Jornal do Brasil, O Globo e O Dia. Na semana do GP Brasil era o assunto mais importante do esporte nacional. Agora, apenas meia página e olhe lá. No resto do ano qualquer esporte chinfrim tem maior destaque do que as corridas.

Os sites especializados só produzem matérias e noticiário para o público específico de turfistas. Precisamos de reforços em nossos pelotões e se faz necessário atrair leigos e desconhecidos em nossas fileiras. E para isso, a divulgação tem de acontecer nas televisões, nas rádios e em qualquer meio de comunicação digital. O turfe precisa de peças de reposição. A cada dia que passa temos menos jovens interessados nas corridas. A renovação dos aficionados é fator indispensável no futuro do turfe em nosso país. Algumas estratégias de ocupação do espaço dos prados com atividades do gosto da juventude poderia atrair novos turfistas para os hipódromos.

Criar uma infraestrutura modelar para receber turistas também me parece fundamental. Durante longos anos, o Hipódromo da Gávea, por exemplo, ficou conhecido como cartão de visita da Cidade Maravilhosa. Hoje, na maioria dos programas de passeios turísticos, o prado carioca não figura com o Pão de Açúcar, Corcovado, Jardim Botânico e outros lugares. Vale lembrar que a maioria de passeios tem custo expressivo, enquanto no Jockey Club Brasileiro a entrada é gratuita. Será que os hotéis e os guias turísticos sabem disso? Que podem colocar um grupo gigantesco de turistas sem gastar um tostão? Apenas ter a despesa com apostas, comes e bebes no local?

Os dirigentes dos clubes hípicos deveriam manter contato com o Ministério da Agricultura, órgão responsável pela atividade do país, e reivindicar um maior incentivo aos criadores. A cada ano que passa nascem menos puros-sangues no Brasil. Não sou especialista em economia. Mas algo deve ser feito com urgência. Afinal, se acaba o milho imediatamente também acaba a pipoca. Como promover corridas de cavalos se a cada temporada menos matéria prima está sendo produzida? O processo de nascimento de cavalos corre no sentido contrário. E o nosso rebanho de equinos, aos poucos, está sendo reduzido a pó.

A melhoria das chamadas dos páreos precisa da participação de todos os interessados. A diminuição da quantidade de cavalos de corrida tem criado enormes dificuldades para os especialistas. As tabelas devem ser criteriosamente elaboradas, com pesquisa sistemática da idade, número de vitórias e sexo dos puros-sangues disponíveis em cada prado. Este trabalho é exaustivo e detalhista. A participação dos profissionais, principalmente treinadores, é fundamental para o sucesso.

O simulcasting é ferramenta útil para os hipódromos nacionais. Por isso, vaidades, picuinhas e interesses pessoais devem ser colocados de lado. Os clubes hípicos têm as suas próprias dificuldades individuais. Porém, parece óbvio ululante que eles ficam mais fortes se estiveram unidos. Outro dia, por exemplo, o simulcasting de sábado, o mais importante do Brasil, entre Rio e São Paulo, deixou de ser realizado por que a Gávea decidiu passar os 18 páreos da reunião do GP Carlos Pelegrinni, em Buenos Aires. Ora bolas! Bastava haver uma conversa entre as partes e promover o simulcasting entre Cidade Jardim e a Gávea no dia seguinte, o domingo. Prejuízo desnecessário para ambos os lados.

BRAÇO DE MOLA – Com apenas uma reunião realizada deixo para a próxima semana a “joqueada” da semana e o “puro-sangue” melhor apresentado. Entretanto, vale registrar o notável desempenho do líder da estatística, Leandro Henrique, na última reunião do ano. O popular “Braço de Mola”, apelido genial dado pelo locutor Thiago Guedes, ganhou cinco das 10 provas programadas. Um show de rigor, técnica e motivação, enquanto os seus maiores rivais estavam de férias. Aos 19 anos, parece pouco provável que L. Henrique fique no turfe brasileiro por muito tempo.



<< Anterior Próxima >>










12.902

12.844















Coudelaria Atafona

Coudelaria FBL

Coudelaria Intimate Friends

Coudelaria Jessica

Coudelaria Pelotense

Haras Clark Leite

Haras Iposeiras

Haras Depigua

Haras do Morro

Haras Old Friends

Haras Planície

Haras Vale do Stucky

Jorge Olympio
Teixeira dos Santos

Ronaldo Cramer
Moraes Veiga

Stud 13 de Recife

Stud Brocoió

Stud Cajuli

Stud Capitão

Stud Cariri do Recife

Stud Elle Et Moi

Stud Everest

Stud Gold Black

Stud H & R

Stud Hulk

Stud Ilse

Stud La Nave Va

Stud Palura

Stud Quando Será?

Stud Recanto do Derby

Stud Rotterdam

Stud Spumao

Stud Terceira Margem

Stud Turfe

Stud Verde

Stud Wall Street

  Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro-Sangue Inglês